sexta-feira, 18 de fevereiro de 2011

China aumenta compulsório pela oitava vez desde o ano passado

O Banco Central da China anunciou um aumento de 0,50% na alíquota do compulsório bancário, numa tentativa de conter a inflação e reduzir a liquidez na economia. Trata-se da segunda medida deste tipo em 2011 e oitava desde o início do ano passado, os principais bancos do país agora terão que manter 19,5% de seus depósitos em reservas e os pequenos e médios, 16%. A atuação da autoridade monetária chinesa está bem incisiva, agindo corretamente para fazer frente contra a enxurrada de capital estrangeiro que está entrando no país desde o anúncio do quantitative easing 2 pelo FED. Cenário bem parecido com o nosso aqui no Brasil e demais países emergentes.

Hoje também foi início da reunião de dois dias dos ministros de finanças do G-20. A reunião tem objetivo de chegar a um consenso sobre os desequilíbrios financeiros globais. Vamos ver se vai sair alguma coisa de concreto nesta reunião, mas já deixo avisado que é bom não ficar muito otimista, ultimamente estas reuniões do G-20 não estão ajudando em nada.

Enquanto os ministros se reúnem no G-20 o oriente médio pega fogo. No Barein, o exército abriu fogo contra manifestantes na sexta-feira, ferindo pelo menos 60 pessoas. No Iêmen, pelo menos duas pessoas foram mortas nos confrontos, os manifestantes exigem a renúncia do presidente Ali Abdullah Saleh, há 32 anos no poder. Na Líbia, soldados também abriram fogo contra manifestantes em Benghazi, a entidade norte-americana Human Rights Watch disse que pelo menos 24 manifestantes morreram na quarta e quinta-feira. Reparem que eu não mencionei a Arábia Saudita e espero continuar assim pois este país é o maior exportador de petróleo no mundo, uma situação de caos neste país tem poder para derrubar os mercados no mundo inteiro.

Problemas demais ao redor do planeta mas Wall Street não quer nem saber, os índices continuam subindo como ha muito tempo não se via. O índice de sobrecompra no semanal do Dow Jones já começa a ficar inoperável, está alto demais. Quanto mais subir mais forte será a correção.


No principal mercado europeu a situação continua a mesma, isto é, seguindo Nova York. DAX (Alemanha) também está com índice de sobrecompra alto demais passando a ficar inoperável para a compra. Risco muito alto.


No mercado asiático estamos observando um repique dentro da tendência maior de queda no semanal. Na bolsa de Xangai houve uma reversão da tendência de baixa para alta ao testar a forte linha de suporte em 2700 pontos no qual originou-se um fundo ascendente rompendo a linha central de bollinger. Tem espaço para buscar um teste na LTB deste canal de baixa maior.


Depois de rodar os principais mercados mundiais, vamos desembarcar agora no Brasil. Finalmente podemos observar que o candle de indecisão deixado na linha de suporte em 64k na semana passada fez efeito e reverteu a tendência de baixa no curto prazo. O fato de estar colado na banda inferior de bollinger sem haver abertura para continuação do movimento abriu espaço para virada de mão no mercado, com um candle expressivo retomando a média móvel simples de 50 períodos. O próximo passo está agora em atacar a região dos 69.2k que será decisiva para o teste desta LTB (linha de tendência de baixa) na região dos 71k.

2 comentários:

  1. aonde os chinese querem chegar com isto

    ResponderExcluir
  2. Os chineses precisam combater à inflação por bem ou por mau, que já vem forte desde o ano passado. A economia vai sentir e provavelmente este ano o PIB deve ser menor.

    Abcs,

    ResponderExcluir