quarta-feira, 23 de fevereiro de 2011

Violência na Líbia põe a roda do mercado pra girar

A complicada situação política na Líbia foi o estopim para fazer uma reviravolta nos mercados do mundo inteiro. Ontem explicamos porque a crise na Líbia favorece à especulações no petróleo. Em Wall Street os índices inverteram a mão após um longo período de alta, já é o segundo dia de queda com volume consideravelmente alto. Percebe-se que o nível de tensão no mercado aumentou bastante há dois dias atrás e isso não é apenas um "achismo" meu, é obtido através do índice de volatilidade (VIX) conforme podemos observar abaixo:


O mercado está claramente sob tensão e a volatilidade está alta. Na Bovespa parece que tem muita gente batendo cabeça sem saber pra onde correr (mais pra frente explico porque), já em Wall Street os especuladores pularam em cima do petróleo na bolsa de Nova York aproveitando o momento de tensão no cenário externo. Mas enquanto o petróleo sobe, Dow Jones, S&P500 e Nasdaq entram em correção, ou seja, a roda está girando. Podemos reparar logo abaixo que o Dow Jones perdeu sua LTA menor e linha central de bollinger e deve testar a região dos 12k onde existe uma linha de suporte pra tentar uma reversão ou um respiro momentâneo.


A roleta também girou na Bovespa, o volume financeiro do pregão de hoje deixou todo mundo de queixo caído, 9,37 bilhões. É o que acontece quando a tensão aumenta, todo mundo corre, resta saber se o lado que você está correndo é o lado certo. Hoje por exemplo petro e vale foram salvas da roleta, pois apesar da alta do índice teve muito papel caindo no pregão desta quarta-feira. O volume da petro foi assustadoramente alto, 1,79 bilhões, pode ser que algum player esteja montando posição no papel. 


Olhando pelo gráfico logo acima podemos observar que a alta de hoje barrou exatamente na média móvel simples de 200 períodos, ponto importantíssimo para retomada da tendência de alta. Amanhã será outra briga entre compradores e vendedores e não me arrisco à dizer pra que lado vai, justamente porque a volatilidade está alta demais.

Gostaria de finalizar com um dado econômico que me chama a atenção: o Dieese apontou uma taxa de desemprego de 10,4% en janeiro ante 10,1% registrada em dezembro. Isto é, o desemprego não está tão baixo assim e voltou a aumentar antes mesmo do aperto monetário começar a fazer efeito na economia.

Um comentário:

  1. Lembrando que existe uma diferença na medição do Dieese para o IBGE.

    O IBGE abrange apenas o desemprego aberto, quando o trabalhador que está desempregado há mais de 30 dias procura emprego. Se ele não procurar emprego ele não entra na conta do IBGE. Por isso esta diferença.

    ResponderExcluir