terça-feira, 1 de março de 2011

Sinal amarelo para o petróleo

As tensões no mundo árabe pesaram mais uma vez nos mercados mundiais com a elevação do preço do barril de petróleo, desta vez o motivo é o medo de que as revoltas populares cheguem a Arábia Saudita e também no Irã, neste último já estão aparecendo algumas manifestações. O grande receio dos investidores está na Arábia Saudita, um dos maiores produtores de petróleo do mundo, as revoltas não podem chegar dentro deste país, caso contrário esse movimento poderá abalar as economias de ponta a ponta do planeta. Apenas este receio foi o suficiente para derrubar os mercados nesta terça-feira fazendo o índice de volatilidade VIX (no qual estou chamando a atenção para esse indicador desde a semana passada) saltar mais de 13% fechando na máxima aos 21,01 pontos.

Como as revoltas no norte da África e no oriente médio não estão diminuindo, pelo contrário estão aumentando e se alastrando pelo mundo árabe, a tensão nos mercados vai aumentando cada vez mais e o petróleo vira o centro das atenções, inclusive para as especulações. No momento ninguém quer ver o preço do barril alto demais pois certamente prejudicaria a recuperação econômica dos países desenvolvidos. Nos Estados Unidos por exemplo a queda foi generalizada, com exceção é claro do barril de petróleo. Dow Jones está desenhando um topo descendente conforme alertei ontem e refugou o rompimento da linha central de bollinger, o candle foi de baixa expressiva e deverá jogar o índice para retestar o suporte nos 12k, mas desta vez acho que esta linha não aguentará a pressão vendedora.


No cenário doméstico apareceu uma definição no movimento conforme análise de ontem. O índice bovespa estava espremido entre uma LTB e uma LTA e foi muito curioso a perda desta LTA, pois logo no início do pregão houve um falso rompimento desta LTB no intraday indicando rompimento para cima, mas acabou revertendo rapidamente e rompendo para baixo da LTA. Se não segurarmos no suporte da congestão de curto prazo em 66k vamos visitar rapidamente os 65k, isso provavelmente deverá acontecer. A partir daí as coisas começam a complicar pois o índice ficará próximo do último suporte para tentar segurar as vendas, em 64k. Se perdemos os 64k vamos perder a chance de reverter a tendência de baixa no médio prazo.


Um fato curioso é que logo após o governo detalhar o corte de 50 bilhões no Orçamento da União em 2011 foi assinado um decreto na Bahia pela presidente Dilma Rousseff reajustando os benefícios do programa Bolsa Família, em média os aumentos serão de 19,4%. A medida beneficiará 12,9 milhões de famílias, cerca de 50 milhões de pessoas. Essas pessoas que vivem na linha da probreza querem trabalhar, mas emprego que é bom o governo não dá.

2 comentários:

  1. um dia o petroleo vai acabar... ai quero ver negada anda a pé...kkkkkkkkk
    mas falando serio... ta na hora dos grandes empresarios verem a utilização de fontes renovaveis... dou-lhe um exemplo... a maconha... sabia q com ela da pra fazer combustivel? eh uma planta de crescimento rapido... pouco custo... e resolveria muitos problemas hj no mundo... infelizmente a ignorancia fazem as pessoas terem a cabeça fechada para ideias inovadoras para que tenhamos um mundo mais sofisticado e ecologicamente correto....

    ResponderExcluir
  2. MACONHEIRO...

    DE Tantas fotes de enrgia renovavel geotermica/maré/solar que não precisa"plantar nem cultivar", lembrando que não esgota...
    A quem não sabe ainda o petroleo quando acaba ja temos tecnologia o sulficiente para abastecer carro com energia "MAS" como o petroleo da muito lucro e todos ganham...além de peças de carros privatizadas impede de que possamos usufluir dessa tecnologia pois diminuiria os custos logo lucro baixo =)

    muito boa a ideia da maconha nossa cara de mais sem contar que "ignorancia" seria aquilo a considerar o vicio causado pela erva...

    ResponderExcluir