terça-feira, 15 de março de 2011

Tragédia no Japão pode desencadear uma crise nuclear

Proporcionado por um desastre natural sem precedentes o Japão se esforça para evitar o colapso na Usina Nuclear de Fukushima. Agora pouco saiu uma notícia de que um novo incêndio atingiu o reator 4 do complexo nuclear de Fukushima e mais cedo o diretor geral da AIEA - ONU (Agência Internacional de Energia Atômica), Yukiya Amano, disse que um dano limitado pode ter ocorrido no núcleo do reator 2 após a explosão, ele afirmou também que as notícias são preocupantes mas aparentemente são bem diferentes do desastre de Chernobyl em 1986. O governo japonês alertou que devido as explosões houve escape de radiação que poderia afetar a saúde das pessoas e recomendou aos moradores que vivem num raio de até 30 quilômetros de distância da usina que fiquem em suas casas, desliguem os sistemas de ventilação e fechem as janelas.

Tóquio (que fica a cerca de 240km de Fukushima), registrou uma pequena elevação nos níveis de radiação. Felizmente o aumento não é suficiente para ameaçar os 39 milhões de moradores da capital, mas já há relatos de que as pessoas estão deixando a cidade e indo para as províncias do sul e oeste do país.

Segundo previsão do Nomura, o principal banco de investimentos do Japão, a destruição causada pelo maior terremoto da história do Japão deve atrasar em seis meses a recuperação econômica do país. Com a produção interrompida, algumas das principais empresas do país se desvalorizaram na bolsa de Tóquio e a demanda por energia cai, impactando assim nos preço do barril de petróleo. Vejam abaixo o gráfico do Nikkei (principal índice da bolsa de Tóquio) para terem uma idéia de como está sendo esta desvalorização:


Em dois dias o índice despencou dos 10.200 aos 8.600 pontos, é um cenário de crash que arrastou as demais bolsas de valores no mundo inteiro para o campo negativo nesta terça-feira, é claro que em menor intensidade. No geral os mercados emergentes estão sofrendo menos com a queda (conforme mencionei no post de ontem) e os países desenvolvidos estão sofrendo mais com a crise no Japão. Observem abaixo o gráfico do Dow Jones com pivot de baixa formado, o ponto positivo é que o pavio longo no teste do suporte em 11.7k suegere repique na tendência de queda (que se iniciou no intraday do pregão de hoje).


Na Bovespa o dia foi de recuperação no intraday após abrir em baixa de 2% refletindo o pânico de alguns investidores quanto ao cenário externo. Ainda tentei alertar através de um comentário no post de ontem para os investidores não tomarem decisões precipitadas e manterem a estratégia inicial de suas operações. O índice apesar de tudo não apresenta novidades, estamos trabalhando dentro da zona de congestão entre 66 e 68k, dentro dessa área é sobe e desce em trades rápidos. Mercado bom para day-trade e swing-trade.

2 comentários:

  1. Acredito que estqa crise nuclear pode vir a calhar aqui no BRasil, os especialistas dizem que algo vai mudar em todas as usinas no mundo. Inclusive no Brasil onde se tem uma projeção de construirem mais usinas.....
    Não sei onde isso vai dar , mas para o mercado como um todo, ou seja, mundial, a situação é realmente complicada.
    QUE PENA !! http://migre.me/43CvA
    Eu estava seguro de mim mesmo que este ano a bolsa iria bombar, pois vai bombar para baixo...rsrsrsrd
    Abraços

    ResponderExcluir
  2. Evertonric,

    Uma pena mesmo, a situação é grave. Preces ao povo japonês.

    Não tenha dúvidas que as usinas de energia renováveis serão mais visadas a partir de agora.

    Abcs,

    ResponderExcluir