quarta-feira, 20 de abril de 2011

Banco Central vai pagar pra ver

Acabou de sair o anúncio do Copom (Comitê de Política Monetária) no qual ficou decidido elevar a taxa selic em 0,25 p.p. passando agora aos 12% a.a. A decisão foi de cinco votos a favor de um aumento de 0,25 p.p. e dois votos a favor de um aumento de 0,50 p.p. Este aumento de 0,25 p.p. confirmou as expectativas do Finanças Inteligentes que por sua vez são avaliadas de acordo com a condução da política monetária e não como eu gostaria que fosse, portanto serei obrigado a discordar desta decisão do Banco Central mesmo acertando o aumento da taxa selic.

Antes de criticar vamos dar uma lida no principal conteúdo do comunicado: "considerando o balanço de riscos para a inflação, o ritmo ainda incerto de moderação da atividade doméstica, bem como a complexidade que ora envolve o ambiente internacional, o comitê entende que, neste momento, a implementação de ajustes das condições monetárias por um período suficientemente prolongado é a estratégia mais adequada para garantir a convergência da inflação para a meta em 2012".

Será que o Copom está batendo cabeça? Pelo comunicado o Banco Central reconhece o risco da inflação ao mesmo tempo em que a moderação da atividade doméstica é incerta, ressaltando ainda uma complexidade do ambiente internacional (que de complexo não tem nada, isso é apenas macroeconomia). Ora, então porque aumentar 0,25 p.p.? Se existe um risco considerável e o cenário é incerto porque vamos pagar pra ver?

Agora a sorte está lançada. É isso mesmo eu não escreví errado a estratégia de nossa política monetária é contar com a sorte, pois se a inflação não arrefecer neste segundo trimestre vamos ter problemas graves no final deste ano. Para a próxima reunião do Copom (dias 7 e 8 de junho) podemos ter um novo aumento de 0,25 p.p. devido a essa "prolongação" na estratégia de combater a inflação com a mão mais leve, sem impor rigorosidade.

Infelizmente o Banco Central está perdendo a sua credibilidade com o mercado e o Tombini aceitou de joelhos respeitar a política populista de nosso atual governo. O quadro inflacionário é bastante preocupante, no acumulado de 12 meses o IPCA está em quase 6% e o IGP-M perto dos 12% e a partir de agora só nos resta torcer.

12 comentários:

  1. Gostei e concordo integralmente com seu ponto de vista!

    Esse BACEN tá perdendo o jogo contra a inflação...literalmente vai pagar pra ver....

    A propósito, parabéns pelo blog! Um dos que têm o design mais bonito, fora o conteúdo, que é show de bola!



    É isso aí!
    Um grande abraço, e que Deus os abençoe!

    ResponderExcluir
  2. Olá, antes de aumentar os juros deveriam primeiro atacar esta farra de crédito, este é o ponto chave, e parar de dar dinheiro nos planos assistenciais, dinheiro este que alimenta muita coisa ruim, porque não um cartão que permita compra de generos alimentícios, é corrigir as besteiras que seu Lula aprontou;
    Por gentileza uma análise da Petr4 e Ggbr4, a petro consolidou importante suporte nos R$ 25,50, a Gerdau esta brigando para não perder a retração 61,8 fibo, o obv sinaliza força compradora, obrigado;
    Ivan

    ResponderExcluir
  3. O ruim disso tudo é o efeito sobre o crédito para as empresas. Sempre que o BACEN decide aumentar a selic, os Bancos encontram desculpas e pretextos para aumentar as taxas de juros dos financiamentos para a PJ. Será que não há como evitar que o controle inflacionário (que é urgente e prioritário) não iniba o crescimento industrial e a produção?
    Parabéns pelo artigo e pelo site. Ambos excelentes! :)

    ResponderExcluir
  4. Guilherme,

    Primeiramente obrigado!

    Parece que o Banco Central perdeu sua autonomia para combater a inflação. Na minha opinião não há lógica uma medida dessas neste atual cenário. 0,25% a mais na taxa selic não vai conseguir frear o avanço da inflação.

    Abcs,

    ResponderExcluir
  5. Ivan,

    Petro no curto prazo ainda pode dar espaço para mais repiques, no gráfico semanal ela deixou um doji dragon fly na base de uma LTA traçada no fundo dos 24,00. No médio prazo ela "azedou", voltou pra dentro de uma congestão perdendo a média de sustentação (20 períodos).

    Sobre GGBR4 a análise técnica dela está no "pedidos de análises".

    PS: não gosto muito do OBV, é um indicador traiçoeiro na minha opinião


    Abcs,

    ResponderExcluir
  6. Ricardo,

    Com certeza existe sim. Chama-se reforma tributária e ajuste fiscal.

    A carga tributária no Brasil é sufocante, simples assim esse é o problema, e a indústria é o segmento que mais sofre pois ele é o mais sensível à economia e altamente dependente de capital de giro.

    Outro ponto está nos gastos públicos. O governo tem que reduzir gastos desnecessários, principalmente na folha de pagamentos. Não adianta também cortar 50 bilhões do orçamento deste ano se os impostos continuam aumentando. Aumento do IOF para várias finalidades por exemplo "virou festa", desse jeito não vamos evoluir nunca.

    Abcs e obrigado!

    ResponderExcluir
  7. FI,

    Essas são as medidas macroprudenciais do governo.
    Minha visão é que com inflação não se brinca.

    Abraço!

    ResponderExcluir
  8. Jônatas,

    Exatamente! Não se brinca com uma coisa tão séria assim.

    Acho que deverá sair mais alguma medida macroprudencial porque o crédito continua farto, as medidas adotadas em dezembro não fizeram efeito.

    Abcs,

    ResponderExcluir