quinta-feira, 7 de abril de 2011

Mantega anuncia mais um aumento de imposto

É tanto imposto que até o Sr. Guido Mantega, ministro da Fazenda, se confunde. Estamos passando por uma maratona irresponsável de aumento de impostos promovido pelo governo para sustentar a péssima gerência administrativa de nossas contas públicas. De nada adianta cortar o Orçamento da União em 50 bilhões se os impostos não param de subir. O ministro da Fazenda anunciou hoje que vai aumentar para 3% ao mês o IOF (Imposto sobre Operações Financeiras) que incide sobre todas as operações de crédito para pessoa física. Acontece que o ministro cometeu um erro grave ao falar que a taxa seria ao mês, sendo que na verdade a taxa é ao ano, imagine você pagar 3% a.m. só de IOF para operações de crédito em seu banco? Você quebra antes de terminar de pagar a dívida. Logo após o anúncio o Ministério da Fazenda corrigiu a informação dada inicialmente pelo ministro Guido Mantega, o IOF passará de 1,5% para 3% ao ano.

Segundo Mantega, a medida visa a reduzir o consumo e consequentemente a taxa de inflação. O ministro ressaltou que o novo imposto não incidirá sobre o crédito para empresas e investimentos. O crescimento do crédito continua alto no Brasil mesmo com as medidas macroprudenciais anunciadas pelo governo no final de 2010, tal como aumento do depósito compulsório. Na verdade se combate inflação com aumento da taxa básica de juro, a famosa selic, mas o governo "não pode" aumentar muito a selic pois vai gerar impactos significativos no crescimento econômico além de atrair ainda mais dólares para a renda fixa brasileira. Chega a ser repetitivo mas se o governo controlasse seus gastos, realizasse as reformas necessárias e investisse mais em infraestrutura e educação esses problemas não estariam fazendo parte de nosso cotidiano hoje em dia. O governo não faz a sua parte e além disso quem acaba pagando as contas somos nós mesmos, o IOF para as operações de crédito no banco vai dobrar a partir de amanhã.

O ministro também afirmou que o governo não vai perder o controle da inflação, vamos então avaliar se a inflação está sob controle? O acumulado do IGP-M nos últimos 12 meses já está nos 11%, já o IPCA dos últimos 12 meses está em 6,3%, isto é, totalmente fora do centro da meta de 4,5% e perto do limite máximo de 6,5%. A situação está ficando cada vez mais séria com aumentos abusivos de impostos e inflação acelerada saindo de controle.

No mercado de capitais o Ibovespa oscilou bastante no intraday mas conseguiu fechar acima dos 69k deixando um candle de indecisão que pode significar retomada da tendência de alta no curto prazo. Porém com essas constantes intervenções do governo na economia, e com o dólar caindo em rítimo acelerado fica difícil traçar um cenário mais objetivo para o curto prazo pois estamos no Brasil e aqui tudo pode acontecer da noite para o dia.


No cenário externo as bolsas operavam em alta devido as boas notícias do mercado de trabalho norte-americano e também repercutindo o pedido de socorro do governo português ao fundo da União Europeia anunciado na noite de ontem, mas o mercado virou a mão após anúncio de que um novo terremoto de magnitude 7,4 que atingiu o norte do Japão. Com isso Dow Jones fechou em leve baixa se mantendo acima da região dos 12.4k (último topo histórico deste ano).

Nenhum comentário:

Postar um comentário