domingo, 29 de maio de 2011

Aplicando Renko no Ibovespa

O renko é uma das técnicas japonesas de candlestick mais antigas e eficientes na análise técnica. Um gráfico renko é constituído através de tijolos (vermelhos de baixa e brancos de alta) que sinalizam claramente qual é a tendência do ativo estudado. O renko despreza o volume e o tempo, se preocupando apenas com a oscilação dos preços, o que no final das contas acaba eliminando os ruídos de curto prazo do mercado. O término de uma tendência é caracterizado quando aparece um novo bloco na direção oposta desta tendência. Se o preço superar a parte superior do tijolo anterior cria-se um novo tijolo de alta alimentando a tendência altista, se o preço superar a parte inferior do tijolo anterior cria-se a seguir um tijolo de baixa dando sinais de esgotamento da tendência de alta inciando uma tendência de baixa.


O gráfico acima representa a técnica do renko aplicada à oscilação semanal dos preços no Ibovespa nos últimos 3 anos. Reparem como o renko sinalizou com bastante eficácia o início da tendência de baixa durante o crash em 2008 assim como a recuperação dos mercados em 2009. Os ruídos de curto prazo ao longo da tendência não aparecem no gráfico e os tijolos não emitiram nenhum sinal contraditório antes do término destas tendências.

A conclusão que podemos tirar desta análise do renko no Ibovespa semanal é que não há tendência definida no mercado nacional, se você costuma ler o Finanças Inteligentes já deve estar cansado de saber. Mesmo que a bolsa esteja em uma tendência de baixa desde novembro/2010, no longo prazo ainda estamos dentro de uma grande congestão. Por isso mesmo não temos sinal definido de compra para operações de longo prazo, este é o motivo por recomendar sempre operações mais curtas na bolsa.

Mas existe um problema, até o presente momento o mercado permanece vendedor, em uma tendência de médio prazo que pode se estender para o longo prazo se a congestão for rompida para baixo. Mesmo com o repique de alta da última semana o renko não alterou sua tendência e permanece com tijolos de baixa. O Three Line Break e o Kagi, que são outras duas técnicas japonesas bem eficientes, também estão vendidas. Mesmo que o repique de alta na Bovespa continue por mais alguns dias/semanas estas técnicas orientais devem permanecer vendidas no médio/longo prazo.

4 comentários:

  1. FI,

    O gráfico mostra bem o momento de incerteza atual.
    Só acredito em retomada da subida do índice quando controlarmos a inflação. 2012 talvez.

    Abraço!

    ResponderExcluir
  2. Olá, uma característica vista em 2008 foi o fato de praticamente todos os ativos cairem por igual, os gráficos eram idênticos, agora estamos vendo várias ações em crash e outras testando topos hist. rompidos, na minha opinião o mercado ficará em lateral por mais um tempo balanceando os preços, já está acontecendo, e depois se resolve pra baixo, rumo aos 48K no médio prazo, 61,8 fibo de toda perna altista desde os 30K;
    Por emquanto estou olhando para este repique em curso para pular fora deste titanic!!!
    Ivan

    ResponderExcluir
  3. Jônatas,

    Faz sentido a bolsa voltar a subir somente quando a inflação estiver sob controle dentro do centro da meta. Selic e Bovespa normalmente andam em trajetórias distintas, enquanto uma sobe a outra cai.

    Vamos torcer para que em 2012 o BC cumpra com o prometido, mas sinceramente já começo a desconfiar se fecha 2012 dentro da meta dos 4,5%. As projeções para o cenário não são nada boas.

    Abcs,

    ResponderExcluir
  4. Ivan,

    Exatamente. Por isso fiz aquele artigo sobre "o pior tipo de queda". Pois estão fazendo um rodízio no índice para disfarçar esse crash concentrado em alguns papéis.

    Mercado está muito mais malandro do que aquele de 2008 e hoje ainda temos que nos sujeitar a negociar com robôs que joga um peso técnico ainda maior no mercado. Por isso, quando menor a duração do trade melhor, 100% técnica, 0% emoção. As operações de alta frequência já estão entre 20% a 30% do total negociado na Bovespa. O mercado está mudando, temos que nos adaptar,

    Abcs,

    ResponderExcluir