segunda-feira, 9 de maio de 2011

Maioria dos brasileiros gasta mais do que recebe

De acordo com um estudo elaborado pela APAS (Associação Paulista de Supermercados) divulgado nesta segunda-feira, pela primeira vez desde 2005 os brasileiros estão gastando mais do que recebem. De acordo com o levantamento, em 2010 o rendimento médio das famílias foi de R$ 2.146,00 ao mês, enquanto o gasto médio mensal chegou a R$ 2.171,00. De 2009 para 2010, a renda do brasileiro cresceu 13%, enquanto os gastos subiram 16%. Este dado confirma um dos principais motivos por estarmos passando aperto com a inflação, o consumo segue forte amparado pela facilidade de crédito. Com isso, 53% das famílias brasileiras viram suas despesas ultrapassarem a renda.

Ao que tudo indica o consumo vai continuar forte este ano. As vendas do comércio brasileiro na semana do Dia das Mães por exemplo, cresceram 12,4% em relação ao mesmo período do ano passado (dados da Serasa Experian), são as maiores vendas nos últimos 9 anos. Além disso a diferença entre despesa e renda está pequena e esta deverá ser coberta com os reajustes salariais. Desemprego baixo e crédito farto continuam fazendo do varejo brasileiro a galinha dos ovos de ouro para qualquer investidor.

No cenário externo o dia foi de agenda fraca, as atenções se voltaram ao repique nas commodities (após o crash da semana passada) e também ao novo corte da dívida grega pela Standard & Poor's. Dow Jones fechou o dia em leve alta confirmando a formação de fundo ascendente sobre a linha central de bollinger, mas o MACD pede atenção quanto a abertura de novas posições compradas.


Na Bovespa o dia foi de giro fraco. O mercado seguiu mantendo o repique iniciado há dois pregões atrás e pode ser que a LTB mais rápida seja testada em breve, MACD confirma o movimento de repique. Ao final do dia tivemos uma notícia não muito boa, a UE (União Européia) vai eliminar os privilégios comerciais ao Brasil a partir de 2014. A Europa concede privilégio aos produtos de economias pobres que entram no continente, como o Brasil não é mais uma economia pobre, vamos perder este privilégio de exportar para a Europa com tarifas aduaneiras menores.

3 comentários:

  1. Olá, vç se refere ao crash na Usiminas quem entrou lá em cima??? Esta faixa de suporte que está testando seria uma boa opção para um horizonte maior???
    Ivan

    ResponderExcluir
  2. Ivan,

    Há um ano atrás Usiminas valia 30,00, hoje o papel vale 15,00, contabilizando uma perda de 50% do patrimônio do investidor que comprou Usiminas nesta faixa de preço. Pra voltar a 30,00 e zerar as perdas deste investidor o papel tem que subir 100%, que na atual conjuntura é uma coisa muito improvável de acontecer. Por isso considero um crash, pois quebrou a posição, destruiu o patrimônio muito rápido (1 ano).

    Usiminas pode até voltar a subir, mas não arriscaria abrir posição comprada por muito tempo. Vale uma especulação pra aproveitar os repiques, nada mais. Na minha opinião.

    Abcs,

    ResponderExcluir