quarta-feira, 3 de agosto de 2011

A balança que pesa para os dois lados

De um lado os Estados Unidos, do outro a Europa e no meio a pior bolsa do mundo (no ano). O anúncio de bear market estampado na página inicial da bloomberg semana passada já está fazendo efeito na bolsa de valores de São Paulo. Notícia ruim aqui vale o dobro, justamente por sermos um bear market "novinho em folha", que atrai a atenção de especuladores mundo afora especialistas em operações vendedoras. Quando os Estados Unidos dão uma folga para respirar aparece a Europa com novos temores sobre a crise fiscal no continente e lá se vai o Ibovespa mergulhar ladeira abaixo novamente.

Hoje foi a vez da Europa exercer o peso sob o seu lado da balança. O ministro da Fazenda da Alemanha, disse ontem numa carta aos políticos de seu partido que a crise da dívida soberana da zona do euro não terminou e que é preciso mais disciplina. Ele disse também que a Alemanha não vai emitir "cheques em branco" para o Fundo Europeu de Estabilidade Financeira. Essa declaração pode ser uma nova afirmação  de oposição da Alemanha aos pedidos para aumentar a capacidade de financiamento do fundo para assegurar aos mercados de que o risco de moratória entre os países da União Europeia está sendo reduzido.

Com esta sinalização de que a Alemanha não está disposta a financiar a Europa inteira, os títulos da dívida pública espanhois e italianos dispararam mais uma vez nos mercados. Os bônus do governo italiano atingiram o maior nível desde a implantação do euro. A Itália é a terceira maior economia do bloco e se a crise da dívida soberana européia atingir este país o mercado europeu será duramente atingido podendo jogar o euro para uma situação delicada de sobrevivência futura.

Para completar o show de aversão a risco na Europa, o governo da Hungria pediu moratória de 1 ano nesta quarta-feira para pagar uma dívida de 600 bilhões de froints (cerca de 3,16 bilhões de dólares), emitida em franco suíço. Com isso os mercados europeus desabaram e o Ibovespa foi atrás. A bolsa brasileira fechou em baixa de 2,25% mostrando que a força vendedora continua avassaladora, já que esta região é propícia para repiques de alta.


Por outro lado, após cair por 8 pregões consecutivos, Dow Jones deixou um belo martelo totalmente fora da banda inferior, chamando compradores para especular no repique de alta que já se iniciou pelo intraday de hoje.

9 comentários:

  1. Análise da BVMF3 já está disponível no campo "Pedidos de Análises".

    ResponderExcluir
  2. FI,

    A crise agora é com os espanhois e italianos. O problema é que o rombo, em termos da ajuda necessária, nestes países é maior.

    Abraço.

    ResponderExcluir
  3. FI,

    Obrigado pela análise da BVMF3.

    Você viu a fala do Ministro Mantega. Li no blog da Miriam Leitão.

    Mantega disse: “o mercado brasileiro deve ser usufruído pela indústria brasileira e não por aventureiros que vêm de fora.”

    Isso afugenta investidor estrangeiro ou não?

    Estamos mal na área econômica. O bom é que o PT da dando munição para o PSDB.

    Abcs,
    Marcos

    ResponderExcluir
  4. Dá uma leve sensação, que vc está com posição comprada a muito tempo, seus posts, geralmente são tendenciosos para o lado bull, sempre com um posicionamento meio que "chorão" quando a bolsa despenca, fica indignado com isso, como se fosse a coisa mais anormal do mundo.

    Lembrando que a nossa bolsa, foi tbm a que mais subiu do fundo dos 30K de 2008, deu mais de 140%, essas quedas, só está precificando um futuro desaquecimento da China, de onde o Brasil é totalmente dependente.

    ResponderExcluir
  5. Jônatas,

    Exatamente, o buraco é muito mais embaixo para Espanha e Itália. Apesar de que ainda acho a situação da Itália reversível, já para a Espanha não estou muito otimista.

    Abcs,

    ResponderExcluir
  6. Marcos,

    E como! Não só isso como também as medidas de intervenção no câmbio, além das desencontradas políticas econômicas.

    Quando o Mantega fala chega a doer os ouvidos, hoje ele disse que o Brasil precisa de um cordão de isolamento para se prevenir das crises no cenário externo. Como se nós fossemos uma ilha isolada no mundo e os mercados não fossem interligados.

    Um Ministro da Fazenda falar isso, tem que rir pra não chorar. rs

    Abcs,

    ResponderExcluir
  7. Carlos Souza,

    As análises são críticas quando devem ser em relação a macroeconomia e conjuntura política-econômica.

    Eu não gosto de ficar falando sobre a minha posição em bolsa pois isso não interfere nas análises. Mas já que você questionou eu não tenho posição comprada há muito tempo. Na verdade eu liquidei a maioria das minhas posições entre final de 2009 e início de 2010. Depois disso passei a trabalhar com menor exposição em renda variável e desde o final do ano passado só opero curto prazo.

    Abcs,

    ResponderExcluir
  8. Concordo com um dos comentários sobre a queda da BOVESPA. Acredito que uma análise sobre o fundo de 2008 e o nível de hoje é mais realista. Como comentou com propriedade um dos leitores, a BOVESPA ser a maior queda do mundo pode significar que ela subiu muito após a crise. Solicito a gentileza de postar um gráfico comparando a BOVESPA com as demais bolsas em relacao ao fundo de 2008. Um abraço e mais uma vez, parabéns pelas excelentes análises.

    ResponderExcluir
  9. Olá Anônimo.

    Você está certo, pois a Bovespa foi a bolsa que mais subiu no mundo inteiro em 2009, esse foi um dos motivos que me fizeram encerrar posição de hold. Eu faço uma análise semanal (todas as sextas) das principais bolsas mundiais, dá pra ver pelos gráficos que mesmo com essa queda ainda estamos bem acima de uma Xangai, Bombay, etc...

    Amanhã irei postar algumas destas bolsas, qualquer coisa se não for suficiente é só avisar que abro mais o leque de índices mundiais.

    Abcs e obrigado!

    ResponderExcluir