sexta-feira, 9 de setembro de 2011

Agora é cada um por si?

A renúncia inesperada do economista-chefe do BCE (Banco Central Europeu) nesta sexta-feira, o alemão Jürgen Stark, marcou o epicentro de uma enorme divergência dentro da própria autoridade monetária. A saída de Stark está relacionada à compra de títulos públicos feitas pela autoridade monetária, que vem ajudando Itália e Espanha desde o mês passado. A compra de títulos pelo BCE é uma forma de facilitar com que estes países consigam rolar suas dívidas, já que o mercado não está interessado em comprar dívida destes países, a não ser que o prêmio (o bônus) seja alto para compensar o risco elevado da operação. Outro alemão, Axel Weber, (que por sinal é presidente do banco central alemão), já havia saído do BCE em fevereiro deste ano pelos mesmos motivos.

A oposição da Alemanha quanto ao programa de compra de bônus é justificável em até certo ponto. Ao comprar os bônus soberanos destes países problemáticos (incluindo Itália e Espanha), o Banco Central Europeu está encorajando os governos a diminuírem os esforços para sanear as contas públicas, já que existe um comprador fiel para suas dívidas.

A Finlândia recentemente declarou abertamente sua oposição quanto ao novo plano de resgate à Grécia, exigindo garantias para liberar sua parcela de contribuição. A Grécia se mostrou incapaz de oferecer qualquer tipo de garantia à Finlândia e as negociações estão paralisadas. A França também tem suas divergências dentro do bloco, se preocupando em defender a grande exposição de bancos franceses quanto à dívida soberana grega.

Ao final de contas, todos os governantes europeus estão cientes de que a dívida da Grécia é impagável e o contágio pelo sistema financeiro torna-se cada vez mais explícito pela queda abrupta das ações de bancos europeus nos últimos meses. Quando há muitos problemas (ou um grande problema) para poucas soluções (ou nenhuma solução a não ser um doloroso default) as políticas protecionistas começam a aparecer. E é neste ponto em que a crise pode estourar de vez.

A Alemanha pode estar sendo o primeiro país da zona do euro a se blindar contra um eventual calote da Grécia. O governo alemão planeja tomar medidas para ajudar bancos e seguradoras que enfrentarem uma perda de até 50% em seus títulos da dívida grega. O ministro das Finanças da Alemanha disse que se a Grécia não seguir os termos que haviam sido acordados para receber ajuda, “caberá à Grécia avaliar como ela vai se financiar sem ajuda da zona do euro”. Em outras palavras, se vire porque agora é cada um por sí.

O euro sentiu o baque esta semana e despencou. Logo abaixo podemos observar o gráfico do euro x dólar onde mostra a perda da LTA (linha de tendência de alta) com um candle de forte expressão. Este movimento confirma a alteração da tendência, agregada pelo pivot de baixa armado e perda da média móvel simples de 20 períodos.


Na bolsa de Frankfurt, Alemanha, o índice DAX fechou a semana em forte baixa detonando mais um pivot de baixa em um movimento de queda em linha reta, típico de crash. Apesar do nível alto de sobrevenda é um mercado que foi totalmente dominado pelas operações vendedoras (respaldadas pelos acontecimentos macroeconômicos).


Em Paris, na França, o índice CAC também fechou a semana em forte baixa, em um movimento de crash idêntico ao DAX.


No geral houve uma queda acentuada nas bolsas europeias puxada pelas ações do setor financeiro. Os bancos europeus perderam cerca de um terço de seu valor de mercado somente neste ano, com a preocupação de que a crise da dívida soberana da zona do euro possa arrastar os bancos, muitos dos quais detêm títulos de dívida pública. Além disso, o seguro contra concordata dos bancos europeus subiu para níveis históricos, refletindo todo esse pessimismo na Europa.

No mercado interbancário europeu também há problemas graves, os bancos estão cada vez mais temerosos de emprestar uns aos outros. Os depósitos de um dia dos bancos da zona do euro com o banco central subiram na quinta-feira ao nível mais alto deste ano, alcançando 172,8 bilhões de euros. Os bancos europeus estão preferindo deixar o dinheiro "parado" com rendimento praticamente nulo dentro do banco central ao emprestar para os demais bancos do sistema financeiro, comprometendo assim com a liquidez do mercado interbancário.

Nesta balada de "cada um protege o seu", a confiança do mercado vai por água abaixo afetando diretamente a economia. As empresas a cortam investimentos e contratam menos. Os consumidores cortam gastos prevendo o pior e a economia da zona do euro começa a desaquecer com riscos de retornar à recessão se a confiança continuar abalada.

Em Wall Street, a queda está menos intensa. Mesmo porque a gravidade da crise é maior na Europa do que nos Estados Unidos. O índice Dow Jones está lateralizando entre a resistência dos 11.6k e média móvel simples de 200 períodos do gráfico semanal. O problema desta pequena congestão de curto prazo no Dow Jones é que pode estar sendo formada uma bandeira de baixa que se concretizada jogará o índice para abaixo da média móvel simples de 200 períodos, onde o mercado é predominantemente vendedor.


Na China, a bolsa de Xangai fechou a semana com um spinning top colado na banda inferior. Pode garantir um repique de curto prazo para a próxima semana mas a tendência de baixa no médio e longo prazo segue intacta.


Finalizando com a Bovespa, o fechamento desta semana não foi muito bom para os comprados. A resistência dos 58k foi testada e respeitada pela segunda semana consecutiva, só que desta vez o candle de fechamento é um spinning top, que pode indicar topo descendente dentro da tendência de baixa maior no médio prazo. Ainda há espaço para um teste na LTB intermediária e linha central de bollinger, mas o mercado demonstrou fraqueza esta semana, portanto todo cuidado é pouco. A perda dos 55k poderá jogar o mercado para testar o suporte dos 52k, onde estaria finalizando este repique de alta.


Retrospectiva da semana:

Segunda-feira: A Europa que mal consegue respirar
Terça-feira: Boato vaza das corretoras e Bovespa dispara
Quarta-feira: Expectativa quanto ao discurso de Obama
Quinta-feira: Adeus meta de inflação

Bom final de semana!

10 comentários:

  1. FI, tudo bem?

    Alguns analistas disseram que o mercado apostou no "default" da Grécia ainda nesse final de semana. Se for o caso, segunda-feira vai ser um dia MUITO difícil. Isso pode acontecer. O que também pode acontecer é a Grécia NÃO dar um default e a Europa fazer de conta que a metástase não está acontecendo.

    Você poderia ajudar a entender qual seria a repercussão de cada um desses cenários para a Bovespa?

    Obrigado,
    TR

    PS: estava on-line no site esperando pelo post de hoje, hahahahahaha. Parabéns pelas análises!

    ResponderExcluir
  2. Prezados,
    Acredito que a falta de bom senso ou nexo, ou por fim combinação estejam também presentes no discurso do Obama! Ontem geraçao de empregos e corte impostos, hj Bank of AMERICA anuncia 40 mil demissões! No minimo esquisito!
    Abs
    Samuel

    ResponderExcluir
  3. TR,

    Boa noite! Bom, que a Grécia vai declarar default isto é praticamente certo. Mas quando isso irá acontecer é que não há como prever. Pode ser esse final de semana, ou mês que vem, ou ano que vem...

    O problema todo nem é o default em sí da Grécia, mas sim o sistema financeiro europeu, bancos com alta exposição em títulos da dívida grega poderão ficar insolventes(principalmente os franceses), isso sim poderá afetar os mercados no mundo inteiro e jogar as bolsas fortemente para baixo.

    As autoridades europeias não conseguem definir um objetivo, ou assumem logo o estrago para reestruturar o bloco ou continuam nesta de tampar o sol com a peneira até o momento em que não der mais. Esta falta de coordenação está derrubanco a confiança do mercado.

    Vamos monitorando, mas a coisa não está nada boa para os europeus.

    Abcs,

    ResponderExcluir
  4. Samuel,

    Concordo. Pra mim foi um discruso totalmente político (redução de impostos = busca de votos), não foi anunciado nenhuma parceria com empresas grandes para se instalarem nos EUA, acordos comerciais que aumentassem as exportações, etc. Além do mais, as empresas estão montadas em cima do dinheiro, não investem e não contratam porque não estão confiantes com o sistema.

    Abcs,

    ResponderExcluir
  5. FT ,

    Análise interessantes , você poderia informar quais são as fontes que ajuda vc a escrever essas análise tão importante pra qualquer pessoa que está no mercado financeiro .


    ass:lluner

    ResponderExcluir
  6. Olá, já já vai começar demissões por aqui tbm, a alta da inflação está reduzindo o consumo de supérfluos, pátios de lojas e fábricas automotivas lotadas, é a conta do Lula que tá chegando, o projeto é esse, a Dilma será a culpada de tudo e depois o salvador volta, isso é Brasil, povo de mente curta!!!
    Vimos Obama num discurso que me lembrou o filme Pear Habor. Em resumo acabou a munição, cada um por sí, exelente post!!!
    Ivan
    Ivan

    ResponderExcluir
  7. lluner,

    Na verdade eu não tenho fonte definida, é porque leio muita coisa sobre mercado financeiro mesmo (nuita coisa mesmo, mídia em geral), a partir daí utilizo um filtro pra separar o que é baboseira e o que é importante. Outras coisas eu faço por análise própria. Mas se quizer indicação de um portal muito bom, leia Reuters.

    Abcs,

    ResponderExcluir
  8. Ivan,

    Se tem um setor "esperto" na economia brasileira (com excessão dos bancos que praticam juros absurdos), este setor é o automobilístico. As montadoras não tem do que reclamar, nunca venderam tantos carros, praticam preços absurdos porque a demanda brasileira é alta, estão com caixa de sobra para segurar uma redução nas vendas mais do que normal. O Brasil é assim mesmo, não tem planejamento de praticamente nada.

    Vamos acompanhando o desenrolar dos fatos, por aqui a inflação continua incomodando e muito o bolso de todos nós.

    Abcs,

    ResponderExcluir
  9. Parabéns pelo blog! Leio todo dia de manha antes da abertura do mercado. Estou posicionado na queda e cheguei até a me assustar no início da semana passada.

    Continue assim.

    Obs1: Sou o bancário que postou sobre o microcrédito outro dia.
    Obs2: Se possível, siga meu blog. Sei que o assunto não é o mesmo mas ajudaria bastante.

    Continue assim.
    Abraços!

    ResponderExcluir
  10. Beto Rodrigues,

    Obrigado! Pô, que bacana, você também curte f1. Monza foi show! Eu assisto todos os grandes prêmios, sempre que possível, e sou fanático pelas mclarens!

    PS: eu sou daqueles que pula no sofá com as ultrapassagens, principalmente quando tem disputa de freiada!

    Abcs,

    ResponderExcluir