quarta-feira, 9 de novembro de 2011

Nível crítico

Os títulos da dívida italiana atingiram hoje um nível extremamente crítico e ultrapassaram a barreira psicológica dos 7%. O medo está gerando uma fuga de investidores sem precedentes e a Italía está sendo duramente penalizada pelo mercado, mesmo sendo a terceira maior economia da zona do euro. O pânico na verdade começou ontem, conforme relatamos no artigo "Mercado está nocauteando a Itália". Hoje assistimos a continuação deste drama para a dívida soberana italiana, contaminando as bolsas de valores em diversas praças mundiais.

O rendimento dos títulos de dívida pública da Itália simplesmente dispararam nesta quarta-feira, os títulos com vencimento em 10 anos subiram para 7,4%. Se observamos o bônus pago ontem pela Itália para emissão destes mesmos títulos de 10 anos (6,7%), a alta foi absurda. Já o bônus pago para emissão de dívida de curto prazo, a alta foi mais impressionante ainda. Subiu 1,04 pontos percentuais de ontem para hoje, atingindo os 6,14% para os títudos que vencem em 2 anos.

O custo para Itália se financiar no mercado atingiu um nível crítico, é insustentável rolar dívida na Europa à custos tão elevados. O BCE (Banco Central Europeu) está fazendo o que pode (reforçando compras de títulos italianos), mas não tem caixa para salvar a Itália sozinho. A dívida italiana é quase um quarto de toda a dívida pública da zona do euro, isto é, uma dívida grande demais para que o BCE possa salvar. Grandes bancos e empresas italianas se juntaram nesta quarta-feira para solicitar a criação imediata de um governo de emergência capaz de lidar com esta situação dramática.

E por falar em governos de emergência, o acordo firmado para a formação de um governo de coalizão na Grécia ainda não deu certo. O primeiro-ministro, George Papandreou, disse que estava entregando seu cargo a uma coalizão que não existe. Os políticos não conseguiram chegar a um acordo e a bagunça generalizada toma conta da Grécia neste momento.

O dia foi tenso nas bolsas mundiais. O índice Dow Jones fechou em forte baixa perdendo sua LTA de curto prazo e já iniciando o rompimento da linha central de bollinger. Ao que tudo indica poderemos ter mais um novo teste sobre a importante região de suporte nos 11.6k.


No Brasil, o índice Bovespa também fechou em baixa perdendo sua LTA de curto prazo e confirmando o spinning top de ontem. A linha dos 58.6k foi estourada rapidamente, chamando por mais operações vendedoras. A próxima parada está na linha central de bollinger e se a mesma for perdida o índice poderá cair até a importante região de suporte nos 55k.

6 comentários:

  1. Ansioso para assistir os próximos capítulos. O negócio ta degringolando, na Grécia já ninguém mais sabe o que fazer, uma hora vai ter plebiscito na outra já não mais; outra hora vai ter um tal governo e uma hora após não existe ninguém quem assuma.E eu achava que o Brasil que era desorganizado.ahhahaha

    E a Itália nem se fala!!!

    ResponderExcluir
  2. O que estamos assistindo principalmente na Grécia e na Itália é apenas um exemplo clássico da lei de ação e reação. O plantio é sempre livre mas a colheita obrigatória...

    ResponderExcluir
  3. FI,
    Que ano complicado para as bolsas de valores. Os trades devem estar contentes, mas para o holder tá um ano bem estranho.
    Quando se imagina que uma solução definitiva vai ser apresentada, acontece algo e volta-se novamente.
    O negócio é paciência, esperar a hora certa de comprar e não se apavorar.

    Abraço.

    ResponderExcluir
  4. Anônimo 1,

    Bagunça mesmo, falta de liderança política na Europa. Alguém que consiga se impor, ser respeitado, dar confiança aos mercados e tomar as medidas corretas independente se forem populares (visando reeleição) ou não.

    Abcs,

    ResponderExcluir
  5. Anônimo 2,

    Boa! Vamos ver se aprendem para o próximo plantio...


    Abcs,

    ResponderExcluir
  6. Jônatas,

    Até para o trader está difícil porque se estender muito a operação corre o risco de perder tudo que tirou do mercado. Não dá pra arriscar muito no curto prazo em um cenário volátil, pra isso tem que reduzir o spread e qualquer lucro tem de ser protegido ou liquidado. O difícil é fazer isso e passar por cima da ganância. Se fosse fácil não teria tantos analistas técnicos ("os famosos gurus") se matando de dar cursos por aí rs..

    Para o holder também não está fácil, porque a bolsa não engata. Mas é assim mesmo, uma hora vai deslanchar. Enquanto isso não acontece, se aparecer mais alguma promoção o holder tem de estar preparado para entrar ao som das trovoadas.

    Abcs,

    ResponderExcluir