sexta-feira, 9 de dezembro de 2011

Como a Alemanha queria

Os mercados amanheceram animados nesta sexta-feira com os líderes da União Europeia concordando em buscar uma integração maior e regras orçamentárias mais duras para a zona do euro. O acordo obrigará os países membros adotar uma regra em que se comprometam a manter seus orçamentos em equilíbrio. Não será aceito um déficit estrutural de mais de 0,5% do PIB (Produto Interno Bruto).

O Mecanismo Europeu de Estabilidade (ESM em inglês) terá uma capacidade efetiva de financiamentos de 500 bilhões de euros (valor bem inferior ao que se esperava), e não será autorizado a atuar como um banco, conforme se especulava no mercado. A cúpula também acertou que os países do bloco forneçam até 200 bilhões de euros em empréstimos ao FMI (Fundo Monetário Internacional) para ajudá-lo a combater a crise, deste total 150 bilhões serão vindos de países da zona do euro.

Todas essas medidas eram de pleno interesse da Alemanha e sem dúvida alguma irão manter e elevar ainda mais supremacia alemã dentro da zona do euro. Se antes os países deficitários não conseguiam concorrer com os produtos alemães mesmo com uma política de afrouxamento fiscal, agora é que não irão conseguir competir mesmo com esta nova proposta de rigidez fiscal e orçamentária. "Nós vamos alcançar a nova união fiscal. Teremos o euro dentro de uma união estável", palavras de Angela Merkel.

Percebendo este avanço na supremacia alemã dentro da zona do euro, a Grã-Bretanha (que nunca foi de cair no “conto dos alemães”) sabiamente formalizou sua oposição e não aceitou as medidas propostas na cúpula. Os ingleses quererem garantias que proteja sua indústria de serviços financeiros, e no final das contas, sua própria economia. Os governos da Bulgária, República Tcheca, Dinamarca, Hungria, Letônia, Lituânia, Polônia, Romênia e Suécia não vetaram o acordo mas irão consultar primeiramente seus respectivos parlamentos.

Os mercados na Europa fecharam a sexta-feira em forte alta, mas não foi o suficiente para reduzir a totalidade das perdas da semana. Na Alemanha, a recuperação do principal índice acionário (DAX) se deu a partir da linha central de bollinger que foi testada e respeitada, jogando o índice para cima novamente proporcionando também a recuperação da média móvel simples de 200 períodos. Houve rompimento da LTB mas com um candle de baixa e portanto não passa segurança no movimento.


Para efeito comparativo entre mercados da zona do euro e mercados da União Européia fora da zona do euro, vamos observar o desempenho da bolsa de Londres, na Inglaterra. Reparem que a queda foi bem menos intensa, mostrando uma certa independência e melhores fundamentos em comparação com as demais bolsas italianas, francesas e alemãs.


Nos Estados Unidos o índice Dow Jones fechou a semana em leve alta. O índice está com a faca e o queijo na mão para romper último topo ascendente e acionar pivot de alta, o que confirmaria rompimento de um OCOi. Seria uma boa aposta bull para os próximos meses.


Na China a bolsa de Xangai fechou mais uma semana em baixa e voltou a testar a linha de suporte em 2.3k, só que desta vez sem demonstrar reação da força compradora no suporte e sem sinal de fundo. Mercado chinês parece micado, está caindo há 5 semanas seguidas.


No Brasil a alta de sexta-feira na Bovespa impediu a formação de uma estrela cadente no semanal. A gravidade do candle foi reduzida passando a ser um spinning top que indica indecisão, justamente abaixo de importantes linhas de resistências (o que também não é bom).


Para semana que vem vai ser jogo aberto devido à reação da força compradora nesta sexta-feira, porém faltou volume no pregão para dar mais confiança no movimento. No médio prazo segue dentro de um canal de alta inalterado.

Bundesbank em festa. Bom final de semana a todos!

Posts da semana:

11 comentários:

  1. Parece que os ursos aproveitam a indecisão da semana passada para entrar socando.

    Vamos ver se aguentam a semana toda.

    ResponderExcluir
  2. Boa tarde,

    Se for pensar bem já são mais de 7 semanas que chegamos nos 60k/médias de 200 e não conseguimos romper. Destas 7 semanas, 6 foram de testes sem sucesso marcando domínio da força vendedora nessa linha importante.

    Ping-pong 55k a 60k

    ResponderExcluir
  3. E se o ibov for seguir o movimento das blue chips, irá perder os 55k...

    ResponderExcluir
  4. Será que terá forças de romper os 60k/mm200 só pelo Natal/fim-de-ano? E se romper, bate na LTB/65k e volta a cair perdendo a mm200? Situação interessante... Mas a queda de hoje tá boa. Semana passada foi um porre... =)
    Carla

    ResponderExcluir
  5. Carla,

    Pra mim será mais difícil romper 60k/mms200 do que a LTB (65k) de longo prazo. Porque muito provavelmente se chegarmos até lá, vamos ter mais topos e fundos ascendentes e suportes/médias importantes para pullbacks, reforçando a tendência de alta.

    Mercado em congestão é um porre. Fazer o que né, haja pipoca rsrs...

    Abcs,

    ResponderExcluir
  6. Mercado é Fogo...

    Seguraram BVMF3 até o final para fazer nova mínima...rs

    ResponderExcluir
  7. Mas é comum os mercados "esquecerem" os problemas nesses meses de Dezembro e Janeiro. Acho possível passar 60/61k ainda. E lá por Fevereiro/Março o nervosismo/realidade voltar. Vamos ver... é só um chute... Outro fato interessante é os EUA com alguns bons dados econômicos, e a eleição por lá. Enfim, vamos acompanhando.
    Carla

    ResponderExcluir
  8. Desaceleração do PIB em 2011 foi programada, diz BC

    http://www.dgabc.com.br/News/5931509/desaceleracao-do-pib-em-2011-foi-programada-diz-bc.aspx

    Isso foi no Brasil mesmo? rs

    ResponderExcluir
  9. Anônimo,

    Cheiro de tuba na BM&F tirando um spreadzinho no daytrade

    Abcs,

    ResponderExcluir
  10. Carla,

    Bem lembrado. Essas elições de 2012 nos EUA serão mais um tempero pra jogar no caldeirão do ano que vem. Por enquanto vou mantendo a mesma estratégia adotada em 2011 pro ano que vem.

    Abcs,

    ResponderExcluir
  11. Anônimo,

    kkkkkkkkkk.... pergunta pra ele então porque essa "previsão espetacular" não estava nos relatórios ao final de 2010 e início de 2011 onde muita gente do governo estava prevendo um crescimento de 5, 5,5% pra esse ano.

    Fala sério...rsrs

    Abcs,

    ResponderExcluir