segunda-feira, 2 de abril de 2012

Chegou a hora da verdade

Amanhã será o grande dia para indústria brasileira. Após a enxurrada de dados negativos, desde o ano passado, o governo deverá anunciar novas medidas para tirar o setor da lama. Dentro do que podemos chamar de “pacote de benefícios”, para estimular o setor produtivo, espera-se que seja anunciado pelo menos a tão aguardada desoneração da folha de pagamento.

Esta expectativa impulsionou a alta das empresas que podem ser beneficiadas com este novo pacote de benefícios do governo, tal como o segmento de siderurgia (um dos piores setores industriais do momento) assim como a maioria das indústrias de transformação do país. Por este motivo o Ibovespa fechou em alta, com investidores apostando neste pacote do governo.

A mídia fez uma tremenda confusão para tentar justificar a alta do índice Bovespa ao abordar o PMI (índice de atividade manufatureira) da China. O índice PMI da Federação de Logística e Compras da China fechou o mês de março subindo para 53,1 pontos (indicando expansão da atividade). Já o índice PMI do HSBC em conjunto com o Instituto Markit, fechou o mês de março caindo para 48,3 pontos (indicando retração na atividade industrial).

Evidentemente o índice do HSBC com o Instituto Markit é o mais confiável. Além de serem imparciais, fazem leituras de PMIs em todos os mercados mundiais. Mas vamos supor que o mercado estivesse adotado o duvidoso PMI do governo chinês como leitura “oficial”, assim justificaria uma alta na bolsa devido à expansão na atividade manufatureira e a posição dos analistas na mídia estaria correta. Acontece que o PMI da China saiu na madrugada desta segunda-feira (domingo à noite para nós brasileiros), e os mercados abriram em baixa! Como pode o mercado gostar do PMI do governo chinês sendo que o mesmo abriu em baixa? Portanto, tese descartada.

A indústria é o assunto (negativo) do momento para o Brasil, mesmo quando comparado aos seus pares emergentes. O estudo recente da KPMG Internacional confirma este mau momento ao mostrar que o Brasil apresentou os custos empresariais menos competitivos entre os países emergentes. A sufocante carga tributária aliada aos custos salariais e trabalhistas (sem abordar os aspectos da falta de infra-estrutura, educação e burocracia exagerada) são desfavoráveis aos negócios, reduzindo  significativamente a atratividade do Brasil em relação aos seus pares mundiais.

No mercado de capitais o Ibovespa fechou em alta pelos motivos explicados nos parágrafos anteriores. Pelo lado técnico houve mais um reteste na forte região de suporte dos 64k, mantendo vivo o martelo de fundo deixado na quinta-feira da semana passada. Deve dar prosseguimento rumo aos 66k inicialmente, caso contrário, se ficar enrolando muito aí em baixo os bears aparecem novamente para decepar o principal suporte de curto prazo.

  
Nos Estados Unidos o índice Dow Jones fechou em leve alta respeitando a zona de resistência nos 13k. Está utilizando todo o espaço disponível entre a resistência e a linha de tendência de alta, mas esta semana terá de definir para onde será a próxima pernada, o espaço está acabando.


22 comentários:

  1. BOA NOITE FI.

    sera q tera uma alta essa semana até sexta?

    obrigado.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Anônimo,

      Até que os 64k reine como suporte sim, tende a manter repique de curto prazo.

      Abcs,

      Excluir
  2. Parece que o ibov tá querendo montar um belo OCO, o padr"ao se formará caso perca os 64K, bom quanto ao que o governo talvez anuncie amanhã espero muita marolinha, o que poderia fazer ressucitar a industria seria dificultar um pouco a entrada dos importados, más ai tem que ter coragem, o país está refém dos tigres asiáticos;
    FI 40% de participação gringa na bolsa!!! Só falta acender o paviu da bomba!!
    Ivan

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Ivan,

      Está vendo como tudo está girando nos 64k? Sobre as medidas não sei não heim... Fizeram muitas reuniões com os empresários em um período bem propício: pré-eleições. Como sabemos são eles que financiam as campanhas políticas. Então, sabe-se lá o que realmente foi tratado nessas reuniões de portas fechadas com pessoas fortes dentro do PT.

      Dificultar entrada de produtos importados pode ser um tiro no pé se não for bem feita. Pode ser um tremendo retrocesso e fechar nossas portas para o mundo. Na verdade somos reféns é de nós mesmos rsrs..

      Abcs,

      Excluir
    2. A Argentina que o diga...

      Abraços,
      TR

      Excluir
    3. Muito bem lembrado TR,

      Não queria estar na pele dos hermanos, a política lá chega a ser pior do que a nossa.

      Abcs,

      Excluir
  3. É também a hora da verdade para o governo Lula/Dilma, que até hoje fez NADA de investimentos de longo para o país. Fez apenas o que era fácil, melhorar o salário mínimo e incentivar o crédito e o consumo, o que sem cuidado gera inflação e inadimplência. Pode promover algum incentivo, mas pode ser apenas um voo de galinha...
    Arnaldo

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Arnaldo,

      Exatamente! Infelizmente não há planejamento de crescimento sustentado no governo, essas medidas ajudam no curto prazo mas não ataca o problema de frente. As reformas poderiam ser feitas no governo Dilma, a base aliada é muito forte, não teria maiores problemas. É só colocar "a mão na massa".

      Abcs,

      Excluir
  4. Eu acho o seguinte: um povo que espera pelo governo esta pera melhorear alguma coisa esta frito, nos países mais avançados a iniciativa privada sempre ficou a frente no desenvolvimento industrial, a unica coisa que os governos de la fizeram era não atrapalhar, coisa que este gover faz e muito, fora os impostos padrão suécia com retorno padrão nigeria. um abraço.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. É verdade. Lembro certa vez um industrial dizer que esperava do governo que "não o atrapalhasse".

      Excluir
    2. Lord Caçador,

      Boa frase "impostos padrão Suécia, retorno padrão Nigéria". Uma reforma tributária seria pelo menos meio caminho andado...

      Uma coisa que eu não gosto também é quando as entidades industriais começam a berrar demais, reclamar demais por estarem perdendo mercado, etc. Alguns setores precisam inovar também, existem industrias brasileiras que estão literalmente paradas no tempo. Querem competir com o mundo mas com uma estrutura arcaica e produtos ultrapassados. Aí não tem jeito, vão continuar no mesmo lugar mesmo com os benefícios do governo.

      Abcs,

      Excluir
  5. Eai FI!

    Pelo jeito que a coisa anda o djia quando bater nos 14k vai aparecer uma nova crise para dar essa realizada, ta dificil de romper esses TH's e ir para novos patamares os mercados...abraço!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Saimon_Rijo,

      O mundo inteiro subiu bem no primeiro trimestre deste ano, principalmente os emergentes. Aí fica aquela sensação de que para os próximos trimestres esta euforia poderá não se repetir, ou se os mercados subiram demais e haverá uma correção... Muita calma nessa hora rs

      Abcs,

      Excluir
  6. E o que "tá pegando" hoje parece que é Espanha e Itália. Nossa velha amiga crise das dívidas... Ações de bancos caindo bem.
    Arnaldo

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Arlando,

      Sim, e ainda com uma ajuda do nosso grande conhecido Sr. Mantega... Não sei se é pra rir ou pra chorar com as medidas que ele anunciou hoje rss

      Abcs,

      Excluir
    2. Desoneração da folha de pagamento parece interessante. O resto, disse a Miriam Leitão: "medidas da década de 70, como pequenos favores, aqui e ali".
      Arnaldo

      Excluir
    3. Exatamente Arnaldo,

      Pequenos valores. Substitui um imposto, cria-se outro. Está mais para uma manobra política e marketeira do que para incentivo real à indústria. Lamentável...

      Abcs,

      Excluir
  7. Fala irmão, anônimo do bc na área... rsrsrrs

    "Ao anunciar o pacote, o ministro da Fazenda, Guido Mantega, disse ainda que o governo está agindo no câmbio e na área de defesa comercial, mas não anunciou nada novo. Ele fez questão de citar operações de controle aduaneiro que já vinham sendo implementadas pela Receita Federal. E fez o mesmo na área cambial. Mais uma vez, o ministro tentou segurar a queda do dólar no discurso: — O importante não são as medidas já tomadas, mas as que vamos tomar."


    "MAS AS QUE VAMOS TOMAR".... sacou?

    Não dá pra ser mais explícito.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Opa!

      Vocês trabalharam bem no discurso do Mantega heim? Hehe... bom trabalho! Não tenha dúvida que o governo vai fazer de tudo pra manter o dólar minimamente acima dos 1,82 (piso 1,80 e se chegar nesse ponto vocês do BC irão fazer swaps até travar o sistema rsrsrs..) e quanto mais subir, melhor pra política do governo. Vale grito, vale IOF, vale espernear, vale intervenções, vale qualquer coisa pra manter o dólar subindo e evidentemente acima de 1,80.

      Abcs,

      Excluir
    2. hehe... ou o sr. anônimo tem "fé" no Mantega ou trabalha mesmo pra ele! =)
      Carla

      Excluir
    3. Não é por acaso que o apelido dele acabou sendo "Anônimo do BC".

      Toma café da manhã com Tombini, vai almoçar com Mantega e volta de carona com o Fernando Pimentel rsrsrss...

      Excluir
    4. E faz reunião com José Dirceu! ops, ops... (Carla)

      Excluir