quinta-feira, 27 de setembro de 2012

Descolamento vira pra baixo novamente


O desempenho do mercado nacional voltou a decepcionar os investidores que acreditam no potencial de valorização dos ativos brasileiros. Recentemente (últimos dois meses) o índice Bovespa começou a diminuir esta grande diferença de desempenho em comparação com a matriz Dow Jones. Porém, nesta semana, o spread voltou a ficar negativo de novo (para nós) mostrando queda no desempenho do Ibovespa.

Spread entre Ibovespa e Dow Jones

O gráfico acima mostra o saldo desta diferença entre Ibovespa e o índice Dow Jones. Quando a pontuação cai, significa que Dow Jones está subindo mais (em variação percentual) do que nós ou caindo menos do que nós. Quando a pontuação sobe, significa que nós estamos subindo mais do que Dow Jones, ou caindo menos.

A queda no spread mostra, na maioria das vezes, fatores internos prejudicando o desempenho do índice Bovespa. Os últimos dois anos vergonhosos dispensam comentários entre tantas idas e vindas de IOFs para os estrangeiros, mudanças e intervenções no câmbio, na política econômica, “sucateamento” do setor produtivo e por aí vai.

Mas o que aconteceu, nos últimos dias ou semanas, para fazer o spread ficar negativo novamente? Primeiro o ministro da Fazenda consegue a proeza de atacar os Estados Unidos, chamando-os de protecionistas, sendo que este país é um dos principais compradores de produtos brasileiros no mundo. O motivo dos ataques, embasado no quantitative easing 3, não faz muito sentido pois qualquer reaquecimento no maior mercado consumidor do mundo vai gerar impacto nas nossas exportações (irão aumentar) e consequentemente seremos beneficiados.

Entrando no mérito da questão cambial, que pode sim fortalecer o real, o senhor ministro não esperou sequer uma reação negativa do câmbio (talvez abaixo de R$ 2,00) para ameaçar retornar com as “medidas drásticas”, entre elas o famoso IOF sob aplicações estrangeiras. Talvez não havia necessidade de avisar o mercado que o nosso terreno não deixou de ser um campo minado para o fluxo de capital estrangeiro, já que o Banco Central está conseguindo segurar o dólar acima de R$ 2,00 e caso aumente o clima de aversão ao risco no cenário externo, o dólar tende a subir, pressionando uma desvalorização do real.

O Relatório Trimestral de Inflação do Banco Central divulgado hoje também não veio muito bom. A autoridade monetária está admitindo formalmente que a inflação deverá fechar 2012 em 5,2%, portanto fora do centro da meta de 4,5%. Além disso o Banco Central reduziu a previsão de crescimento para este ano de 2,5% para 1,6%. Cenário de aceleração na inflação e desaceleração no crescimento desagrada sensivelmente os investidores.

Sob estas condições o índice Bovespa fechou o pregão desta quinta-feira em baixa de 0,39% deixando um spinning top que significa indecisão. A região de fundo em 59.7k continua sendo respeitada juntamente com a linha central de bollinger e média móvel simples de 200 períodos. Amanhã será um dia decisivo para definição de posição no fechamento mensal (atentar para média móvel simples de 20 períodos).

Desempenho gráfico da bolsa de valores

Nos Estados Unidos o dia foi de notícias extremamente negativas, mas nem por isso os índices em Wall Street caíram. O PIB (Produto Interno Bruto) expandiu a uma taxa anualizada de 1,3%, ritmo mais lento desde o terceiro trimestre de 2011 e abaixo da previsão do mês passado de 1,7%. Além disso, as novas encomendas de bens duráveis despencaram 13,2% no mês de agosto (a maior queda em três anos e meio), indicando sinais de uma forte desaceleração da atividade industrial.
 
Desempenho gráfico da bolsa de Nova York

A “lógica burra” de Wall Street, onde notícia ruim para economia é boa para o movimento especulativo, pois reforça a possibilidade de uma maior injeção de capital por parte do FED (Federal Reserve), sustentou a alta de hoje. Dow Jones fechou o pregão marcando fundo levemente acima da linha central de bollinger e região de suporte em 13.3k.

32 comentários:

  1. É FI, as coisas não estão nada boas... kkkkk

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. É meu caro, está difícil reduzir este spread negativo com tantas "barreiras inteiras"

      Abcs, bons trades

      Excluir
  2. o Brasil esta a beira de uma recessão não é atoa que fomos aos 50k precisamos ficar atentos

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Anônimo,

      Estamos com uma taxa de crescimento vergonhosa, mas por enquanto sem risco de recessão. A tendência é melhorar neste semestre, mesmo assim ainda está bem abaixo da capacidade de expansão.

      Abcs, bons investimentos

      Excluir
  3. Contas do governo têm pior agosto em dez anos, mostra Tesouro
    Piora ocorreu apesar do recebimento de R$ 5,8 bilhões em dividendos.
    Superávit primário do Governo Central somou R$ 1,58 bilhão em agosto.

    http://g1.globo.com/economia/noticia/2012/09/mesmo-com-dividendos-contas-do-governo-tem-pior-agosto-em-10-anos.html

    Juros aqui só cai na canetada mesmo. Gasta de mais e mal gasto. País não cresce. Inflação acima da média. Estou pessimista demais? rs

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. muito bem observado maquiam a economiam na base da caneta quero só ver quando acabar a tinta da caneta

      Excluir
    2. Despesa aumentou 12,2% de janeiro a agosto deste ano, totalizando no total 518 bilhões de reais. E o investimento de janeiro a agosto deste ano? 42,9 bilhões de reais. Que discrepância. Gasta tanto e investe pouco.

      Abcs,

      Excluir
  4. Vamos de mal a pior, no final das contas num gráfico semanal sempre te mostra a verdade de uma economia, e a nossa está estagnada desde a crise de 2008.
    Ivan C.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Isso nunca me enganei, sempre disse aqui que o PT tem projeto de poder e não de governo, o negócio é dar dinheiro, ou melhor comprar votos e se perpetuar no trono, não se enganem que vamos ficar velhos e o Pt no poder, lascou!!!
      Viram que os players deram vários empurrões e cade os seguidores, dai perde o gás e os comprados saem em retirada.
      Ivngomes

      Excluir
    2. Ivan C,

      Não diria que a economia está estagnada desde 2008 pois houve crescimento, ascensão das classes sociais, aumento de emprego e renda, aumento do mercado consumidor, etc. Mas a base produtiva praticamente não cresceu nos últimos anos. Este é o problema, não é um crescimento basicamente sustentado.

      Abcs, bons negócios

      Excluir
    3. Ivngomes,

      Parece que espantamos os estrangeiros mais uma vez. O fluxo na Bovespa está registrando forte saída nos últimos dias. Mas também depois destas últimas declarações do governo, tem que encorpar o espírito aventureiro pra operar no Brasil com tanta instabilidade.

      Abcs, bons trades

      Excluir
  5. FI, tudo bem a economia não está estagnada (foi um exagero da minha parte) mas convenhamos que com esse PIB ridículo não dá pra dizer que estamos bem. E bem lembrado por voce, a economia cresceu por gastos internos, o brasileiro se encheu de divida pra saciar o governo, a grande sorte é que realmente não temos grande preocupação agora com a taxa de desemprego senão iria virar uma bola de neve de tanta dívida.
    Ivan C.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Ivan C.

      Exatamente! PIB ridículo, muito abaixo do nosso potencial. Crescimento a base de consumo é bom, desde que o processo produtivo acompanhe. Mas infelizmente não foi isso que aconteceu e chegamos num ponto onde o governo teve que reagir as pressas para evitar um desmonte em cadeia das indústrias de base que operam no país. Na situação atual de crédito, dívida e inadimplência das famílias, não podemos deixar a taxa de desemprego aumentar de forma alguma.

      Abcs, bons negócios

      Excluir
  6. paulo baptista

    Li isto e vou enviar pra vcs,e opiniem...

    Eu estava acreditar numa paragem nas MM 200,mas agora estou baralhado


    Final da bonança veraneia nos mercados?

    O Verão foi marcado por uma acalmia geral nos mercados, ao contrário do que muito era veiculado na imprensa, ainda com reminiscências do que fora um Verão conturbado, em 2011.

    Com uma volatilidade bem abaixo da média histórica, a maioria dos índices accionistas apresentou performances bastante positivas e até o nosso PSI-20 conseguiu dar um ar da sua graça, com um retorno de mais de 20%, desde os seus mínimos.
    Contudo, com o fim do Verão no passado dia 21 de Setembro, também as tréguas que as menos-valias têm dado aos investidores, nos últimos meses, podem ter visto o seu fim, em particular no continente europeu.
    No início do ano, fiz referência ao facto de a Europa estar a entrar novamente em recessão, na altura com particular destaque para o Reino Unido. Os últimos dados reportados, durante o Verão, comprovam de facto que a economia europeia está novamente em recessão, com os vários indicadores macroeconómicos, com destaque para os vários PMIs dos países europeus a apresentarem valores negativos. Se a Europa estiver a contar com o crescimento do resto do mundo, pode sair com as suas expectativas defraudadas. A economia americana, segundo o ECRI, a autoridade líder no que toca aos ciclos económicos, encontra-se igualmente já em recessão e a economia chinesa continua a apresentar fortes sinais de abrandamento. Aliás, quem observe a performance do mercado accionista chinês pode apanhar uma surpresa, dado que o índice de referência encontra-se aos mesmos níveis do pânico das bolsas mundiais, em 2008. Ao contrário dos restantes principais mercados mundiais, a sua performance tem sido bastante negativa nos últimos anos. Tal diferença poderá ter explicação nas intervenções constantes por parte dos bancos centrais, com destaque para a Reserva Federal Americana, que se coloca na posição de comprador de última instância, acabando por impulsionar o valor dos activos. Tem sido esse, aliás, um dos objectivos da FED, invocando o 'wealth effect' do aumento do valor dos activos para tentar que exista uma recuperação económica mais forte. Tal medida, a meu ver, acabará em esforços infrutíferos, sobretudo quando a maior zona económica em termos de PIB, a União Europeia, continua a braços com uma crise severa, que aparenta não ter fim.
    Quem tenha sintonizado os canais e programas noticiosos durante esta última semana observa a contestação pública crescente ao Governo espanhol perante mais medidas de austeridade. A contestação chega ao ponto região mais rica do país, a Catalunha,representando cerca de 20% do PIB, colocar a hipótese de finalmente a Catalunha se desmembrar do país vizinho. Se tal é possível ou não, é uma incógnita, mas demonstra claramente o forte sentimento negativo que reina entre os cidadãos.
    O resgate a Espanha deverá, portanto, estar iminente. As yields indicativas das obrigações espanholas, depois da forte queda, fruto do anúncio do programa OMT por parte do BCE, encontram-se novamente acima dos 6%, e com uma pressão acrescida, dado que existe o vencimento de mais de 20 mil milhões de euros de dívida em Outubro que necessita de ser rolada. Coloca-se a questão, perante um resgate de grandes dimensões, quem se chegará à frente para providenciar ainda mais capital ao Mecanismo de Estabilidade Europeu? Note-se que o peso de Espanha no mecanismo é de 12%, e que um resgate a esta consumiria grande parte dos actuais recursos do mecanismo. A ideia recente de aumentar a capacidade para os 2 biliões de euros, parece não ter capacidade de avançar, dado o pouco interesse de privados para participarem no mecanismo, assim como a Alemanha não pretender aumentar a sua participação a montantes superiores aos actuais 190 mil milhões.
    Concluindo, as próximas semanas, em resultado dos desenvolvimentos que tenderão a surgir, e cada vez mais o tempo urge, deverão colocar os mercados sob pressão.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Paulo Baptista,

      Concordo sob a pressão nos mercados, principalmente os europeus. É muito difícil observar um rally de alta nos índices ao mesmo tempo em que o cenário político, econômico e financeiro emite sinais de deterioração. A Europa passando por sua pior crise desde a criação do euro e os mercados engataram um rally, onde alguns índices se aproximaram do topo histórico. Há um excesso no movimento especulativo que está sendo corrigido e acho que deverá continuar por mais algum tempo. Sobre a questão da solução dos problemas na Europa, achei o artigo muito pessimista. A situação é complicada, mas sempre quando aperta os políticos agem na base da pressão. Quanto à desaceleração na economia, em alguns países europeus mostrando recessão, concordo totalmente. Difícil até pensar neste momento sobre quando será a retomada no crescimento. Sobre a capacidade do Mecanismo Europeu de Estabilidade, acho que o poder de fogo poderá aumentar para os 2 trilhões, mesmo com limite máximo de contribuição dos alemães em 190 bilhões. Há sim a possibilidade para Alemanha aumentar o seu poder de fogo, mas o Parlamento precisa aprovar. Acho que não haverá impedimento, pois até o presente momento o Parlamento alemão não barrou nenhuma medida importante/crucial para solvência do euro.

      Os mercados emergentes ainda oferecem uma certa resistência à crise, porém significativamente inferior há 4 anos atrás. Para o Brasil, que infelizmente não soube aproveitar o boom das commodities que durou quase uma década, a situação é um pouco mais complicada pois as condições de negócios aqui pioraram bastante e uma desaceleração maior da economia mundial afetaria em cheio o nosso crescimento que já está muito baixo. Os ativos em bolsa oferecem um certo desconto em relação aos ativos europeus e norte-americanos, porém o nosso governo insiste em espantar os investidores estrangeiros daqui. Terreno instável não é bom para investimento e péssimo para o "smart money", ou capital especulativo, este é o fluxo que faz levantar a bolsa. Nessas condições fica difícil para os índices acionários manterem um bom desempenho. É o que está acontecendo conosco recentemente nos últimos dias, semanas e acontece neste exato momento. As condições técnicas para manter a tendência de alta no médio prazo são boas, mas o governo "joga contra".

      Este post que eu fiz no mês de maio deste ano explica alguma coisa:

      Brasil é um bull market.... político
      http://www.financasinteligentes.com/2012/05/brasil-e-um-bull-market-politico_10.html

      Abcs, bons negócios!

      Excluir
    2. Sim tambem achei logo demasiado péssimista,atê porque se fala o que mercados querem é espanha peça logo resgate total,e tambem a alemanha é propria a dizer"se espanha precisa,entao que peça..."

      Vou ver esse post obrigado

      Excluir
    3. Sim, pois um resgate da Espanha praticamente obriga o país implementar duras medidas de austeridade fiscal. É isso que os alemães querem, que os países periféricos acertem as contas públicas e trabalhem para redução da dívida em relação ao PIB. Mas o efeito colateral no curto prazo é inevitável: desaceleração no crescimento, ou em alguns casos recessão.

      Abcs,

      Excluir
  7. Mercado ta bom hoje! Rompendo Média dos 200, linha central de bollinger e possivemente suporte nos 59.4k

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Angelo Manosso,

      Coloca bom nisso, pregão pegando fogo! Pancada forte, bem no dia do fechamento mensal. Debandada dos investidores estrangeiros, mas também depois dos últimos acontecimentos rsrs...

      Abcs, bons trades

      Excluir
    2. Este comentário foi removido pelo autor.

      Excluir
  8. Parece que teve gente grande pulando fora do Banco do Brasil, governo interferiu de novo. Desta vez, para o banco reduzir o quadro de tarifas.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Esse GAP me fez lembrar da OGPX3. Uma empresa pré-operacional despencar é uma coisa, outra coisa é o maior banco do Brasil. O que a política não faz?

      Excluir
    2. Bovespa parece uma roleta russa, cada hora é um ativo que leva pancada rsrs... Eu não pago esse preço no BB (risco), mas acho que pode estar abrindo uma margem pra fazer uns trocados antes da divulgação dos resultados do 4TRI2012 e 1TRI2013 em diante, onde começará aparecer queda no lucro líquido refletindo todas estas medidas.

      Abcs,

      Excluir
    3. Mas neste ponto eu concordo com o governo. As tarifas subiram muito a partir de janeiro deste ano (aumento médio de 191% nas tarifas máximas). Setor financeiro está entre os segmentos de maior lucratividade no Brasil, poderia chutar que nenhum banco no mundo consegue operar com uma margem de lucro tão elevada quanto à nossa. Spreads altíssimos injustificados e algumas tarifas que não fazem o menor sentido. Só falta cobrarem pedágio pra você entrar na agência rsrs..

      Abcs,

      Excluir
    4. Realmente, as tarifas cobradas são abusivas. Na conta PJ da empresa que trabalho o Banco Bradesco cobra tarifa de 1,50 por cada recebimento em conta além da franquia de 10 recebimentos... Isso é absurdo.

      Excluir
    5. Com certeza, nas contas PJ o abuso é maior. Neste caso o custo para o banco é praticamente nulo e não haveria necessidade de cobrança nesta tarifa. São vários os exemplos onde as tarifas cobradas não representam necessariamente custo para o banco e mesmo assim há cobrança.

      Abcs,

      Excluir
  9. "Esta é a hora ideal para voltar a comprar ações", avalia o Citi

    http://www.infomoney.com.br/mercados/acoes-e-indices/noticia/2571748/Esta-hora-ideal-para-voltar-comprar-acoes-avalia-Citi

    Saiu no infomoney! Agora vai aos 40k... rs

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Se agora é a hora, porque quando estava em 52.5k não era também? rsrs...

      Mas acho que pode estar abrindo uma oportunidade pra quem ainda não se posicionou na renda variável ou não deseja operar curto prazo, devido à falta de opções no mercado financeiro. O mercado paga hoje uma rentabilidade superior a 10% (índice) se chegar nos 65k. Não há produto na renda fixa que pague (ou poderá pagar) este bônus em menos de 12 meses. Portanto acho viável começar apostar algumas fichas no desempenho do índice visando superar renda fixa em 12 meses. Se a queda prolongar, melhor ainda para o investidor. Adotar estratégia de aportes escalonados. Esta é uma opção pra quem não gosta de especular, porque o ideal mesmo é manter o foco nas operações de curto prazo.

      Abcs, bons investimentos

      Excluir
  10. Quase 37 mil pequenos negócios fecharam as portas em Minas Gerais
    O número representou um aumento de 25% nos pedidos de encerramento das atividades, segundo aponta uma pesquisa feita pelo Sebrae-MG

    http://www.infomoney.com.br/negocios/noticia/2571353/Quase-mil-pequenos-negocios-fecharam-portas-Minas-Gerais

    Montar negócio também não está fácil!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. A matéria só deixou de explicar os motivos que levaram estas empresas a encerrar atividade. Micro e pequenas empresas são as mais impactadas porque as pessoas não tem uma noção mínima de gestão. Não sabem calcular a margem de lucro líquida, misturam caixa da empresa com caixa pessoal, não sabem procurar e negociar uma linha de capital de giro e talvez o principal: não sabem calcular a viabilidade do negócio antes da implantação.

      É muito difícil uma empresa quebrar quando há viabilidade no projeto e gestão razoavelmente competente. É por este motivo que as franquias, onde há este acompanhamento e aprovação da viabilidade do negócio, dificilmente quebram. Cerca de 85% das empresas no formato de franquia sobrevivem aos primeiros 5 anos de vida.

      Outro ponto que merece destaque está no custo de locação do imóvel, que segue muito elevado, tornando muitas vezes o empreendimento inviável.

      Abcs,

      Excluir
  11. ibov será que vai virar de novo pro lado dos ursos? na minha análise já perdeu a tendência de alta, estamos em posição indefinida.
    Ivan C.

    ResponderExcluir
  12. Tendência de curto prazo segue de baixa, com agravante no aumento da força ocasionando perda de linhas importantes, o que reforça o sentimento bear. Mas no médio prazo continua bullish, chutaria que a tendência não será invalidada. Complicaria mesmo se perder a média de 20 semanal e formar um pivot de baixa abaixo da média de 200, o que jogaria o índice pra atacar com mais força suportes abaixo dos 55k.

    Abcs, bons trades

    ResponderExcluir