quarta-feira, 7 de novembro de 2012

Wall Street queria Mitt Romney


Dados do Centro de Responsabilidade Política nos Estados Unidos ajudaram a explicar porque os mercados despencaram nesta quarta-feira com a reeleição do presidente Barack Obama. A entidade informou que a campanha de Mitt Romney recebeu cerca de 20 milhões de dólares entre banqueiros e firmas de investimento em Wall Street, enquanto o presidente Obama recebeu apenas 6 milhões de dólares de uma minoria em Wall Street que apoiava a sua reeleição (entre esta minoria estava o bilionário especulador George Soros).

Os grandes players de mercado apostaram pesado no Mitt Romney e perderam. Isso porque Obama pretende aumentar a regulamentação do setor financeiro norte-americano no seu segundo mandato, acabar com algumas regalias em Wall Street e aumentar a tributação (principalmente de investimentos no mercado financeiro) das famílias mais ricas dos Estados Unidos.

O retorno de Obama será marcado por uma dura tarefa a ser cumprida até o final de dezembro deste ano: evitar o abismo fiscal nos Estados Unidos conforme comentamos na análise de ontem. Esta tarefa seria mais fácil de ser concretizada caso o Partido Democrata conquistasse a maioria das cadeiras na Câmara, o que não aconteceu.

Os republicanos conseguiram novamente a maioria dos assentos na Câmara e podem dificultar um acordo com o governo para votar o adiamento ou substituição das medidas automáticas para os cortes nos gastos públicos e aumentos de impostos. Toda e qualquer iniciativa do governo neste campo precisará ser aprovada na Câmara.

Apesar do show de terror provocado pela mídia, é praticamente certo que o abismo fiscal será evitado nos Estados Unidos. Mesmo para a oposição, não faz sentido deixar o país entrar numa recessão econômica (caso o abismo fiscal não seja evitado) apenas por disputa política. O partido seria o grande culpado e perderia popularidade em um momento delicado para os Republicanos, que não conseguem vencer uma disputa eleitoral mesmo quando o seu rival apresenta uma mediana e apática administração em seu currículo.

Um ponto importante nesta questão é que o abismo fiscal pode ser evitado, mas a redução do déficit fiscal no longo prazo não. O governo americano precisa cortar custos gradativamente (reduzindo o poder do impacto na economia) e reformular o código tributário. Os efeitos destas medidas aumentariam, inclusive, a confiança dos consumidores e empresários, contribuindo para aceleração no crescimento econômico e redução na taxa de desemprego.

O índice Dow Jones despencou nesta quarta-feira. Candle de baixa expressiva mostrando força relevante no movimento de queda, inclusive contando com aumento considerável de volume financeiro. A região de suporte psicológico dos 13k e média móvel simples de 200 períodos diária não conseguiram segurar as vendas do mercado e um novo pivot de baixa foi acionando alimentando o sentimento bearish para Wall Street.


No Brasil o índice Bovespa também caiu, mas em menor intensidade. A queda de 1,58% pode ser um indicativo de topo de curto prazo (respeitando a resistência próxima da média móvel simples de 200 períodos diária), mas não comprometeu o fundo formado na região dos 56.6k. No curto prazo a situação do índice Dow Jones é bem pior.


O Ibovespa fechou colado na linha central de bollinger, responsável por segurar o movimento vendedor do mercado juntamente coma LTB rompida (pullback). Mas a tendência de baixa no curtíssimo prazo não concretizou sinal de fundo e a perda desta região poderá prejudicar a pernada de alta iniciada em 56.6k.

10 comentários:

  1. Por falta de notícias boas nos contentemos com a continuidade da alta do spread do IBOV perante DJI...

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Edward Firmo,

      Exatamente! Para nós, esta queda de 1,58% está de bom tamanho comparando com o desempenho de Wall Street. Mais um dia em que o spread ficou favorável a nós. Precisa sustentar esta tendência para aumentar a confiança.

      Abcs, bons negócios

      Excluir
  2. Olá Fi! Excelente análise!

    Esse indicativo de topo do Ibov necessita de confirmação né? Esse padrão gráfico possui algum nome específico? Em quantos pontos confirmaria o topo?

    Um abraço!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Olá Investidor Troll,

      Obrigado! Alguns casos eu prefiro trabalhar com a confirmação de reversão de tendência quando o padrão técnico me deixa indeciso. Neste caso a formação é de uma nuvem negra. Foi quase um engolfo de baixa. É praticamente mais um topo abaixo da média de 200 períodos diária. Como a formação está bem no limite da linha central de bollinger, pullback na LTB e ponto de pivot em 58.1k, podemos considerar topo com a perda destas regiões, ou mesmo perda da mínima registrada hoje no Ibovespa. Perdendo 58.1k confirma e pode atrair novas aberturas de operações vendedoras.

      Qualquer dúvida volte a perguntar.

      Abcs, bons investimentos

      Excluir
  3. FI,

    Viu o petróleo? Devolveu toda a alta.

    No blog do Nathal tem um gráfico dos treasures de 10 anos. Esses dispararam.

    Panico geral no mundo?

    http://nathalcandlesticks.blogspot.com.br/

    Abraços,
    Sir Income

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Sir Income, tudo bom?

      Sim, foi uma pancada feia no petróleo. Mercado vendeu ativos com reeleição de Obama, é o sentimento bearish. Mas isso está muito longe de ser um indício de pânico, acho que a especulação está aproveitando a onda pra shortear (vender) o abismo fiscal. Como disse é improvável que tal evento ocorra, mas pra aterrorizar os mercados e ganhar em cima disso é muito fácil (para os players).

      Acho normal esta fuga dos treasuries (provocando uma alta de curto prazo), é consequência do mercado shorteando o abismo fiscal. Mesmo assim os bonds precisariam subir muito para o governo dos Estados Unidos se preocupar com o custo da rolagem da dívida.

      Abcs, bons negócios

      Excluir
  4. FI, parabéns pelas análises!
    Qual sua opinião sobre o Peter Schiff e a sua previsão catastrófica sobre os EUA/dólar?

    Abs,

    RIad

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Olá Rlad,

      Obrigado! Como você mesmo disse, são catastróficas demais. Este tipo de análise não me atrai ou agrega pouca informação/conhecimento relevante pois tem uma tendência clara de imparcialidade. Ele disse ano passado que 2012 seria o ano do juízo final, e aconteceu o contrário, a economia norte-americana manteve o ritmo de expansão moderada, porém o mais importante, é a retomada recente do mercado imobiliário mostrando que desta vez, o QE3 pode estar funcionando (diferente das outras tentativas, QE1 e QE2, onde grande parte do fluxo de capital ficou empossado no sistema financeiro).

      Ele critica a atuação do FED com rodadas de estímulo monetário, mas o que o Banco Central e os governos deveriam fazer? Cruzar os braços e deixar o mundo entrar numa séria recessão (com possibilidades concretas de depressão, a partir do estouro em 2008). Caso isso acontecesse estaríamos aos frangalhos hoje, lutando pra comprar um pão na padaria. Isto sim é uma catástrofe.

      Quando a eficácia das medidas do FED, foram extremamente baixas (QE1 e QE2) devido à junção de vários fatores, entre eles a falta de regulação e liberdade do sistema financeiro no mercado. Algumas instituições financeiras tornaram-se tão grandes que nem mesmo a força política consegue domá-las. São praticamente "donos do mundo" e fazem o que querem com o dinheiro, inclusive aquele de origem pública. É neste ponto onde as críticas deveriam se concentrar, pois estas instituições conseguiram se fortalecer ainda mais com a crise financeira. Os banqueiros sabem que são grandes demais para quebrar, mas e se o governo forçar um desmembramento destas grandes instituições? O risco de uma quebra seria menor, bem como o efeito colateral e economia poderia absorver este impacto no curto prazo.

      Acho muito improvável acontecer qualquer tipo de evento do nível catastrófico envolvendo os títulos do tesouro americano, bem como na moeda (dólar). Os yields estão baixos demais, isto significa que os Estados Unidos estão rolando dívida "de graça". Os treasuries precisariam subir muito para gerar algum tipo de preocupação com a rolagem da dívida norte-americana. Além disso os Estados Unidos continuarão sendo o porto seguro do fluxo de capital que foge do risco no mercado, mesmo com uma redução na classificação de risco pela Fitch ou Moody's. Estão em posição privilegiada, possuem a maquininha do dólar que ninguém tem e dificilmente deixariam de honrar o pagamento da dívida.

      Ao contrário do que muitos imaginam, o dólar não está se desvalorizando perante a uma cesta de moedas. Basta observar o gráfico indexado, na verdade a cotação está subindo desde maio de 2011. No curto prazo a moeda também está subindo desde setembro de 2012 (após a queda no meio do ano), mesmo com a entrada do QE3.

      Por fim, Peter Schiff gosta de dizer que as pessoas precisam parar de consumir nos Estados Unidos para formar poupança e produzir. Tudo bem que a poupança e produção são pilares do crescimento sustentado, mas a economia norte-americana já superou este estágio que os emergentes estão vivendo hoje, os americanos continuam liderando vários segmentos manufatureiros e estão entre os maiores parques industriais do mundo e continuarão assim, pois o mercado interno é a chave que sustenta a força da economia norte-americana. Se ele está querendo ver uma catástrofe, basta dizer para as pessoas reduzirem drasticamente o consumo nos Estados Unidos e o país entra em bancarrota imediatamente. Consumo interno é extremamente importante, desde que o nível de endividamento das famílias não seja extrapolado, o que não é o caso atualmente. Em 2007 sim, este descontrole apareceu no mercado e aconteceu o inevitável.

      Sobre a possibilidade de correção no índice Dow Jones no médio prazo eu concordo. Mas por motivos, de certa forma, alheios à economia. Expliquei mais sobre este meu ponto de vista nos comentários deste post:

      http://www.financasinteligentes.com/2012/10/a-miopia-da-atividade-industrial.html


      Abcs, bons investimentos

      Excluir
  5. Para baixo, e avante!

    52K, te vejo em dezembro! T+.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Desta vez bastou se aproximar da média de 200 períodos que o mercado despencou. Nem chegou a tocar. Curtíssimo prazo bears ainda no comando, agora precisam derrubar os 56.6k/56.2k. Boa sorte aí!

      Abcs, bons trades

      Excluir