terça-feira, 15 de janeiro de 2013

A nova novela americana


A mídia não parece estar satisfeita com o sensacionalismo desnecessário criado ano passado em torno do abismo fiscal nos Estados Unidos. Não se comenta mais sobre as previsões catastróficas, das mais ridículas possíveis, do que poderia acontecer com os Estados Unidos caso o país entrasse num abismo fiscal.

Criou-se novamente a novela de elevação do teto da dívida do governo norte-americano, e mais uma vez, estes mesmos profissionais continuam fazendo as mesmas previsões catastróficas. Desde quando um país como os Estados Unidos, o maior captador de dinheiro barato do mundo, deixará de honrar sua dívida por falta de dinheiro em caixa? Quem é mesmo o único felizardo no mundo que possui a impressora do dólar?

Então meus amigos, risquem esta possibilidade. Os Estados Unidos continuarão honrando sua dívida como sempre aconteceu no passado e o limite de endividamento do país será elevado, sempre que necessário, como sempre aconteceu no passado.

O resto é disputa política e vocês sabem muito bem que o presidente Obama está bem mais agressivo neste segundo mandato, comparando com o primeiro. Portanto, é de se esperar uma postura firme da Casa Branca nas negociações com os Republicanos. Estes, por sinal, perderam feio na disputa sobre o abismo fiscal.

A batata quente está ficando nas mãos dos Republicanos e os efeitos políticos desta postura partidária podem enfraquecer a força do partido no Congresso (atualmente possui maioria) nas próximas eleições.

Obama já avisou que não tem um plano B. Isto é, se o Congresso não aprovar a elevação do limite de endividamento, os Estados Unidos atrasarão o pagamento de milhões de dólares para funcionários, beneficiários da previdência social, prestadores de serviço, etc. E de quem será a culpa? Dos Republicanos, que não aprovaram o limite de endividamento. Medida altamente antipopular com efeitos catastróficos para imagem do partido. São mínimas as possibilidades de que isso realmente aconteça.

Os Republicanos querem aumentar o limite de endividamento dos Estados Unidos desde que ocorram cortes de gastos públicos em valor equivalente. O que no final das contas seria como trocar 6 por meia dúzia. Não faz sentido algum. Os Republicanos estão pressionados pelos Democratas, a responsabilidade está nas mãos do Congresso e o capítulo final desta novela está para acontecer entre os dias 15 de fevereiro e primeiro de março (período em que o Tesouro americano ficará sem reservas). Apesar de ser uma novela americana, se parece muito com a mexicana, pois já sabemos o que irá acontecer no final.

O índice Dow Jones abriu o pregão desta terça-feira em baixa, mas conseguiu se recuperar ao final do pregão fechando no terreno positivo. A próxima resistência forte está posicionada na região dos 13.6k, porém o índice já começou a soltar sinais de esgotamento da pernada de alta com os dois candles pequenos de sexta-feira passada e segunda-feira desta semana, reforçado pelo enforcado de hoje.


O principal indicador macroeconômico do dia foi o PIB do quarto trimestre alemão de 2012, que encolheu 0,5%. Com isso a economia alemã fechou o ano passado com uma leve expansão de 0,7%. Para este ano o crescimento da Alemanha poderá ficar entre 0,5% a 1,0%. Apesar da retração do quarto trimestre, o setor privado alemão conseguiu expandir-se pela primeira vez nos últimos oito meses. A confiança dos empresários está no maior nível dos últimos cinco meses. Portanto, espera-se uma retomada do crescimento nos próximos trimestres.

No Brasil o índice Bovespa fechou o pregão em leve baixa, devolvendo boa parte da alta de ontem. A LTA mais inclinada de curto prazo foi perdida, retestada e respeitada, indicando fraqueza do mercado para voltar a atacar os 63.4k no curtíssimo prazo (topo duplo).

  

Até o momento esta correção de curtíssimo prazo é saudável para tendência de alta. A situação só ficaria complicada para força compradora com a perda da região de suporte em 61k, pois detonaria um pivot de baixa rumo aos 60.4k.


É isso aí pessoal. Estamos de volta! Abraços a todos e bons negócios em 2013!

16 comentários:

  1. Oi, FI.

    Td blz?

    O que acha desse movimento alemão:

    Germany looks to repatriate gold; less trust in Fed?

    www .marketwatch.com/story/germany-may-repatriate-gold-less-trust-in-fed-2013-01-15?dist=countdown

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Tudo bom Sir Income, e com você?

      Pelo que entendi do texto, com meu inglês de índio, em se tratando de Bundesbank, acho normal rsrs... Os alemães são bem resilientes quanto à flexibilização monetária. Traumas gerados pelo período duro que passaram de hiperinflação. Então é normal desconfiarem do FED, BoJ, BoE e até mesmo do BCE. Se não me engano, as maiores reservas de ouro físico estão nos cofres dos maiores banqueiros centrais mundiais. Faz parte do jogo.

      Abcs, bons negócios

      Excluir
  2. Seja bem vindo a labuta, FI! Já estava ficando perdido sem os seus comentários.
    ;-)

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Grande Eike Rico!

      Estamos aí! Precisando é só gritar rsrs...

      Abcs, bons trades

      Excluir
  3. É muito bom tê-lo de volta, grande WT! Eu comungo do seu entendimento. Porém, gostaria que fosse para a bancada republicana colocar água no chopp do Obama e fazer como se as consequências do arroxo parecessem incapacidade da administração dele. Não tenho nada contra o Obama, inclusive preferiria ter tanto o Obama quanto o Romney como presidente do que 12 anos de Lula/Dilma, mas isso é outra história... o que me preocupa é a política expansiva americana que vem se desenvolvendo desde a década de 1980. Não acho que será nos próximos anos que essa questão de aumentar continuamente o teto da dívida terá que ser revista, mas sei que uma hora isso terá que ser modificado. Entretanto, com a queda dos juros sendo bandeira do FED desde 1981, não há como pensar que após 30 anos essa política econômica não tenha afetado os fundamentos da economia real como um todo. Eu sinceramente não sei qual seria a minha resposta como investidor se o governo americano fosse obrigado a encarar o problema em definitivo de uma vez por todas. A esperança é que como essa expansão esteve associada a queda de juros, o governo tem conseguido vantagens em administrar o custo dessa dívida. Hoje resta pouco espaço para manobras como essa, mas apenas o fato dos EUA conseguirem captar dinheiro com essa taxa de juros já é um fator um tanto positivo, mas não podermos esquecer do déficit comercial que vem se agravando desde final da década de 1990. Como não gosto de postergar problemas, gostaria que essa bomba explodisse em fevereiro, mas acho quase impossível.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Neomalthusiano,

      É sempre bom ler seus comentários aqui na nossa casa! Realmente é quase impossível ver esta bomba explodindo em fevereiro. Infelizmente, em se tratando de política, a postergação é rei. O ideal seria Obama encarar logo este problema antes do FED interromper este ciclo de afrouxamento monetário agressivo. Por enquanto, medidas concretas neste sentido, são os cortes graduais (ou seja, a redução do aumento no endividamento será bastante lenta) no orçamento do governo norte-americano. Acho que o grande problema dos próximos dois ou três anos será a inflação. Os bancos centrais não poderão errar na dosagem do afrouxamento monetário e este ano podemos ter alguma indicação de até quando estas políticas agressivas dos FED, BoJ, ou mesmo BoE e BCE irão durar.

      Abcs, bons investimentos

      Excluir
  4. No mais, WT, escrevi alguns novos comentários na sua análise do dia 20 de dezembro "Fechamento das bolsas" abordando em parte esse tema, e algumas consequências que eu vejo no Brasil. Depois confere lá e coloque a sua opinião caso você discorde de alguma coisa que eu escrevi. Um grande abraço.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Opa! Vou lá dar uma olhada. Obrigado por avisar!

      Abcs,

      Excluir
  5. welcome back dude

    ja percebi, ah tempos, que a impressa eh minha amiga... esperando de boca aberta o vix aumentar por causa desse besterol

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Obrigado Clerton!

      De fato, não podemos ir contra o FED. É isso aí, de olho nas oportunidades!

      Abcs, bons investimentos

      Excluir
  6. FI, que bom que iniciou os trabalhos, feliz 2.013 a todos.

    O mercado sempre foi assim, e sempre será!
    Urso querendo comer touro, e touro....

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Pois é, já estava sentindo falta de escrever no blog rsrs...

      Hoje continua dando urso, mas agora chegamos num ponto importante que é a linha dos 61k. Principal suporte de curtíssimo prazo.

      Abcs, bons trades

      Excluir
  7. Estou pensando em investir pesado nas ações referente a hotelaria, mais especificamente na HOOT4, você acredita que a empresa tem fortes indícios de lucro devido aos grandes eventos que aqui aconteceram?
    Gto.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Felipe,

      Vou te falar o que eu já vi com os meus próprios olhos fora da bolsa. Hotelaria é furada. Estão levantando vários hotéis nas cidades que terão os jogos da copa para atender a demanda de turistas, mas e depois? Algumas cidades estavam realmente com falta de oferta e muita demanda, mas creio que isso irá se inverter, teremos muita oferta para uma demanda estável/ligeiramente aquecida após a copa.

      Porque será que a grande maioria dos empreendimentos hoteleiros foram realizados a partir de cotas associativas (pool)? Para socializar os lucros com os inúmeros pequenos novos sócios do hotel? Não. O pool, na verdade, é a lucratividade de quem lançou o empreendimento. Não estão preocupados com a taxa de ocupação do hotel após a copa (tanto é que não prometem esta taxa de ocupação/retorno do investimento no contrato), querem apenas aproveitar a demanda de investidores empolgados com a copa para fazer um dinheiro. Um hotel que custaria X reais para ser construído foi vendido, em inúmeras partes pelo sistema de pool, totalizando no final 2X reais. Este é o objetivo dos empreendimentos hoteleiros, vender cotas e embolsar o lucro. Se o hotel será sustentável, ou não, depois da copa, problema é de quem comprou.

      Em se tratando de HOOT4 não investiria nem 1 centavo. Empresa horrorosa, endividada, mal administrada, não dá lucro, péssimos fundamentos e altamente especulativa. Nada garante que o papel poderá subir ou cair, mas investir em HOOT4 é a mesma coisa que apostar num "cavalo manco" no jockey club. Pode ganhar a corrida, mas as chances são mínimas.

      Cuide bem do seu dinheiro. Não faça apostas altas e arriscadas. Vou deixar o meu e-mail: financasinteligentes@gmail.com , caso necessite de auxílio

      Abcs, bons investimentos

      Excluir