sexta-feira, 1 de março de 2013

A culpa é da crise


Hoje foi o dia oficial para um verdadeiro show de desculpas do governo. As mais diversas e controversas declarações das lideranças políticas tentaram explicar o vexame de 0,9% de crescimento do PIB em 2012. Infelizmente estas declarações estão completamente fora da realidade econômica brasileira, o que mostra a incapacidade do governo em reconhecer os próprios erros.

Mais uma vez a culpa pelo nosso fracasso caiu sobre a crise financeira mundial. O ministro Mantega afirmou que o crescimento do ano passado foi afetado pela crise, aquela mesma que aconteceu em 2009 quando o PIB retraiu 0,3%.

Se o nosso crescimento foi afetado por alguma crise, esta não é mundial e sim regional. Não há desculpa esfarrapada maior do que esta. O desempenho do Brasil foi, mais uma vez, o pior entre os BRICs (Brasil, Rússia, Índia, China). A China fechou 2012 com um PIB de 7,8%. A Índia expandiu 5%. Os russos cresceram 3,4%.

A expansão da economia brasileira é tão fraca que o mercado já começa a questionar a posição do Brasil entre os BRICs, que em tese deveria apresentar bons números de crescimento tal como os seus pares econômicos mundiais. A crise financeira mundial realmente existe, porém o seu impacto sobre economias emergentes é bastante limitado.

Outros países que não fazem parte dos BRICs também apresentaram bons números de crescimento em 2012. O PIB do México em 2012 foi de 3,9%. África do Sul fechou o ano passado com um crescimento de 2,5%. A Coreia do Sul cresceu 2,2%. O Japão, com todos os problemas de uma economia deflacionária, cresceu 1,9%. Os Estados Unidos, que passam por uma crise interna, cresceram 2,2%.

O Brasil também ficou muito abaixo da média do crescimento mundial de 2012 (3,2%). Que crise é essa que parece só atingir o Brasil? O nosso crescimento está nivelado com alguns países da zona do euro, que passam por uma dura política de austeridade fiscal.

Apesar de tudo, a vergonha de crescer 0,9% não supera a desonra do não reconhecimento das tremendas falhas da política econômica, da rejeição às reformas estruturais, da mão pesada intervencionista do Estado, da incapacidade de gestão e falta de planejamento, da falta de credibilidade, transparência e confiança, das mudanças constantes nas regras do jogo e da arrogância ao chamar de piada a projeção de crescimento de um banco feita em junho do ano passado. Uma piada que se tornou vexame.

No mercado de capitais o índice Bovespa fechou a semana com um candle de indecisão. Este é o primeiro sinal do gráfico semanal de formação de fundo ou interrupção temporária da tendência de queda do curto prazo. A principal linha de suporte continua sendo os 55.4k.

Bovespa

Nos Estados Unidos o índice Dow Jones fechou a semana em leve alta, espremido entre a região dos 13.7k e topo histórico. Tendência de alta no médio prazo segue válida, com o índice mostrando relutância em cair.

Bolsa dos Estados Unidos
  
No principal mercado europeu, o índice DAX (Alemanha) fechou a semana em leve alta, mostrando briga intensa entre a máxima registrada este ano e a linha de suporte em 7.6k. Esta indefinição criou uma zona de congestão de curto prazo, onde o seu rompimento indicará a próxima pernada do índice.

Bolsa de Frankfurt

Na China a bolsa de Xangai fechou a semana em alta, aliviando parte das perdas sofridas na última semana. Este movimento deu origem a formação de um fundo ascendente em 2.3k.

Índice da bolsa de xangai

Encerramos por aqui nossas atividades na semana. Bom descanso a todos e até segunda! Aquela grande novidade comentada no final da análise de sexta-feira da semana passada ainda está no forno, assando mais um pouquinho pra ficar melhor ainda. Se preparem pois semana que vem poderá sair coisa boa!

Forte abraço!

18 comentários:

  1. O Brasil é uma piada mesmo o mundo todo cresce é os governantes botam a culpa na crise, não investem não planejam e metem a mão em tudo que esta dando dinheiro. A iniciativa privada tem medo desse intervencionismo exagerado por parte do governo estamos mais para simpatizantes de Hugo chaves ou Cristina do que para um pais democrático liberal. O rumo de uma recessão. Acompanho suas postagens e aprendo muito.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. aprendiz,

      É ridículo isso. O governo está falando uma língua diferente, só não sei pra quem. O grande peso para o desempenho ruim foi a queda de 4% na formação bruta de capital fixo, o que em outras palavras confirma que não está havendo investimento. Legal, este é o objetivo do nosso blog, agregar conhecimento.

      Bom final de semana!

      Abcs,

      Excluir
  2. Enquanto esses socialistas que não entendem merda nenhuma de economia se manterem no poder,vai ser esse PIBinho ridículo e inflação crescente!

    Continuem votando nos Petralhas!!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Anônimo,

      Se continuar neste ritmo este ano vai ser outro vexame. Aliás, qualquer expansão abaixo de 4% para um país como o Brasil, com todo o potencial que existe, é considerado ruim, na minha opinião.

      Abcs, bom sábado!

      Excluir

  3. Bovespa lixo total saiu uma matéria no jornal valor é a pior bolsa do mundo.

    Gringos estão vendidos em índice futuro em 130.000 contratos.

    Mostram que não confiam e não esperam nenhuma recuperação do nosso mercado.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Anônimo,

      Sim, o índice Bovespa perdeu vários rallys mundiais desde a eleição da presidente Dilma. Por isso estamos na lanterninha. Com relação aos contratos futuros o volume está muito alto na venda, mas acredito que boa parte destes contratos são posições de hedge, pois os estrangeiros estão entupidos de ativos no mercado à vista também.

      Abcs, bom final de semana!

      Excluir
  4. Este Mantega esta completamente desmoralizado principalmente porque fala demais e não acerta uma. Pelo menos, poderia ser mais elegante e admitir que o erro pelo PIBinho é inteiramente de seu DESgoverno, ao invés de sair com esta desculpa ridícula para idiota ver. Caramba!!! como é que vamos fazer para tirar estes “caras” de lá meu Deus...

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Anônimo,

      Não tem jeito, pelo andar da carruagem vamos ter que aturar por mais 4 anos. Oposição no Brasil simplesmente não existe e a mídia parece não ter calibre pra cobrar ou criticar certas promessas/medidas do governo. Observe que as críticas mais pesadas sempre acontecem por meio da mídia internacional, como Financial Times, The Economist, etc.

      Abcs, bom sábado!

      Excluir
  5. Caro Finanças Inteligentes,


    Agora o governo está fazendo apresentações externas para captar investimentos para infra-estrutura. Pelas poucas informações que encontrei os questionamentos foram sobre a renovação do setor elétrico.

    É uma questão de credibilidade a interferência governamental na petrobrás, vale, setor elétrico, setor financeiro, setor ferroviário e agora nos portos afastou os investidores na bovespa, exceto os estrangeiros, e produziu resultados desfavoráveis em muitas empresas como estamos ainda acompanhando e agora os ministros fazem apresentações visando buscar mais de 200 bilhões de dólares para investimentos.

    Será que temos tamanha atratividade para o capital estrangeiro? Nossas fontes de recursos não seriam suficientes ?

    Anonimo investidor



    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Anônimo Investidor,

      Sim, já fizeram estas apresentações externas nos anos anteriores e estão fazendo novamente, pois está difícil convencer os investidores a colocaram dinheiro aqui. Atratividade nós temos sim, bastante. Principalmente em infra-estrutura. Mas o problema não é falta de atratividade e sim instabilidade e falta de confiança/credibilidade como você citou. Como existem outros países emergentes que também oferecem atratividade, além das boas condições do ambiente de negócio, acabamos perdendo boa parte deste fluxo. Não temos recursos suficiente, o governo gasta muito e gasta mau para manter a máquina pública funcionando a todo vapor.

      Abcs, bom sábado!

      Excluir
  6. Essa questão do crescimento realmente não está fácil de ser resolvida pelo governo. Creio que será preciso uma mudança de paradigma para tal. Estamos estagnados nos últimos dois anos e isso não é bom.

    Grande abraço FI!!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Pelicano,

      Sim, paramos no tempo, inclusive com relação às alianças internacionais. O Brasil é um dos países mais fechados do mundo, enquanto isso as demais potências estão avançando firmemente nos acordos comerciais. Ao invés de andarmos pra frente, estamos andando pra trás.

      Abcs, boa semana!

      Excluir
  7. boa noite, pelo que eu estou observando esse ano também vai ser mais um ano de pibinho porque não se vê nada de concreto e novo acontecendo, quero ver quando isso vai melhorar, esse papo que o Brasil crescia com a China parece lenda, porque o PIB da China foi quase 8% e aqui essa miséria.
    Ivan C.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Ivan C.,

      Acredito ser pelo mesmo motivo citado acima no comentário do amigo Pelicano. Acho que regredimos muito nos últimos anos com relação aos acordos comerciais. Enquanto o resto dos países estão fazendo exatamente o contrário, estão ampliando seus acordos comerciais.

      Abcs, boa semana!

      Excluir
  8. E no meio dessa crise vexame gostaria de saber a sua opiniao para investimento emm ouro?
    Com tanta incerteza no mercado nao seria um ativo interessante?

    Gostaria de saber tb a sua opiniao para investimentos em moedas como hedge?

    anonimo do Japao

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Anônimo do Japão,

      Não recomendo de forma alguma. Ouro não é um produto de investimento. Não é um ativo que gera lucro, paga dividendos, JCP, etc. Logo, não há como classificá-lo como investimento. Ouro é apenas um mecanismo de proteção contra crises/inflação. Ou seja, as pessoas compram ouro para evitar perder dinheiro no mercado financeiro. Mesmo com tanta incerteza no mercado nacional estamos longe de chegar neste ponto de buscar proteção em ouro. Mas caso isso aconteça, buscar proteção em fundos/contratos com objetivo de seguir a cotação do ouro (principalmente aqueles sem lastro) podem, também, não valer nada. Nos piores momentos das crises financeiras, alguns papéis viram pó, fundos podem falir, etc. Proteção mesmo para estes momentos delicados é comprar as barrinhas de ouro e não papel.

      Outro ponto importante a destacar é que ao comprar ouro, o investidor está automaticamente comprando dólar também. A referência para o preço do ouro são os contratos futuros do metal negociados em Nova York. Então, antes de comprar ouro, o investidor precisa fazer uma análise do nosso câmbio e da política monetária. O Banco Central repetiu inúmeras vezes que vai evitar a volatilidade do dólar aqui no Brasil, o que significa que não haverá valorização/desvalorização relevante este ano. O dólar passará a maior parte do tempo oscilando entre 1,90/1,95 a 2,05. Soma-se isso ao fato da cotação do ouro no mercado externo estar em pânico de baixa (já caiu quase 50% desde setembro de 2011), a compra do ouro torna-se desinteressante e pode acarretar em grandes perdas ao investidor.

      Hedge em moedas não garante proteção. A não ser que você seja uma empresa que trabalhe com importação/exportação. Mas partindo do princípio que você queira proteger suas posições compradas em ativos aqui no Brasil, o seu hedge será basicamente montar posição vendida em mini índice.

      Abcs, bons investimentos

      Excluir
  9. Olá FI, a Elpl4 chegando na região dos R$ 10 vç pretende começar encarteirar?? Sei não más ao meu ver vai afundar mais um pouco, tálvez na região dos R$ 7~8 o que dá uma queda de 80% do topo, algo bem similar as grandes quedas do passado, teve quedas de até 90% do Th da época nos R$ 10;
    Ivan

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Ivan,

      Pretendo sim. Promessa é dívida rsrss... Mas ainda está nos 11,xx. Precisa cair bem mais, caso contrário eu não aceito fazer negócio mesmo comprando pouco. É faca caindo, barco afundando. No momento não há nada que indique fim da tendência de queda, mesmo porque ainda há uma incerteza muito grande no mercado quanto ao futuro da empresa.

      Excluir