segunda-feira, 25 de março de 2013

O roubo do que já foi roubado


Após o fracasso das negociações com os russos, o presidente do Chipre, Nicos Anastasiades, viajou neste final de semana para Bruxelas, pronto para o receber o abate da troika (grupo formado por líderes da União Europeia, FMI e Banco Central Europeu). Anastasiades aceitaria qualquer acordo sobre a mesa para impedir o colapso econômico e financeiro do Chipre.

A proposta da troika foi um duro golpe para os cipriotas, mas a mira estava apontando claramente para a Rússia. O segundo maior banco do Chipre (Banco Popular do Chipre) foi pelos ares. Quebrou da noite para o dia. Os correntistas deste banco que possuíam valores acima 100 mil euros (que não são garantidos pela lei da União Europeia) terão os seus recursos congelados e usados para solucionar as dívidas do banco em questão, além de recapitalizar o Banco do Chipre. As demais contas, com valor inferior a 100 mil euros, serão transferidas para o Banco do Chipre.

O Banco do Chipre é a maior instituição financeira do país. Os depósitos acima de 100 mil euros neste banco também serão congelados com o mesmo objetivo citado no parágrafo anterior.

Com isso o governo cipriota conseguirá levantar os recursos necessários para receber o empréstimo de 10 bilhões de euros. Este acordo é bem pior do que o anterior, pois os correntistas com saldo acima de 100 mil euros nos dois maiores bancos do país perderão tudo (provavelmente).

Boa parte destes correntistas são estrangeiros (principalmente russos) que utilizavam o sistema financeiro do Chipre como paraíso fiscal e lavagem de dinheiro. Portanto, no final das contas, o dinheiro oriundo de práticas ilegais acabou sendo abocanhado pela própria troika. O primeiro-ministro russo, Dmitry Medvedev, disse, indignado, uma frase que resume o que foi este acordo: "O roubo do que já foi roubado continua".

Os alemães ganharam a disputa de xadrez. Reduziram a influência dos russos, diminuíram o tamanho do sistema financeiro do Chipre e, aparentemente, conseguirão evitar o contágio (fuga de capital, em decorrência do aumento das incertezas com relação aos bancos) para outras instituições financeiras na periferia da zona do euro. Além disso a estabilidade da união monetária ficará garantida com a permanência do Chipre dentro da zona do euro.

A dívida do Banco Popular do Chipre (9 bilhões de euros) será transferida para o Banco do Chipre. Todos os bancos do país, com exceção destes dois bancos citados no início deste parágrafo, estão programados para reabrirem amanhã. São bancos pequenos, onde a fuga de capital não provocará um impacto relevante no sistema.

O problema maior ficará por conta da reabertura do Banco do Chipre (programado para a próxima quinta-feira). O confisco das contas com saldo superior a 100 mil euros provocará uma fuga de capital dos demais correntistas deste banco. Com uma dívida nova de 9 bilhões de euros nas costas e reabertura das atividades sem restrições de saques e transferências, o Banco do Chipre estará com os dias contatos a caminho da falência.

O mercado não reagiu bem ao confisco no Chipre. As bolsas na Europa fecharam em queda. Nos Estados Unidos o índice Dow Jones fechou em baixa de 0,44%, colado nos 14.4k (base da zona de congestão de curtíssimo prazo). O rompimento desta congestão definirá a direção da próxima pernada do índice.

Índice Dow Jones
  
No Brasil o índice Bovespa também fechou em baixa, perdendo a importante região de suporte dos 55.1k (enfraquecida pela perda dos 55.4k). Foi acionado pivot de baixa no gráfico intraday, diário e semanal. Isto significa que poderemos visitar a região dos 52.5k, com repiques temporários no meio do caminho, já que estamos caindo praticamente em linha reta desde os 59.5k.

Índice Bovespa

9 comentários:

  1. A Islândia passou por quebra e desquebrou, tb é um paízico que nem chipe, rsrsr, quem sabe Chipre não desquebra também kkkkk. =D

    Abraço.


    http://defendaseudinheiro.com.br/andre-esteves-e-o-salvador-de-eike-batista/

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. E o nosso cara de pau continua usando o espaço cedido para comentários honestos, para falar qualquer coisa e postar seu blog.

      Excluir
  2. Embora a gente tenda a desprezar a dimensão da crise cipriota pela sua pouca importância política e econômica no contexto europeu e global, nunca é demais lembrar que o farfalhar das asas de uma borboleta pode provocar um furacão, segundo a Teoria do Caos.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Anônimo,

      Sim, no mercado tudo é possível. Não podemos desconsiderar nenhuma possibilidade. Este assunto ainda vai se prolongar por mais alguns dias, até definirem o que irão fazer para impedir uma fuga de capital do Banco do Chipre (outro que está insolvente).

      Abcs, bons negócios

      Excluir
  3. FI, Achei muito oportuno o comentário anônimo sobre o “farfalhar de asas”. Concordo integralmente. Com relação ao pivot de baixa do Ibovespa, não podemos também esquecer que os estrangeiros que anteriormente estavam comprando no mercado a vista e vendendo no futuro, (hedge), passaram deste 15/março, a também a vender no mercado a vista juntando assim “a fome com a vontade de comer”. E isto depois de terem subido quase verticalmente nas compras nos quatro últimos meses formando uma perfeita simetria de baixa. É bom prestarmos a atenção nestes sinais...

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Anônimo,

      Além disso os estrangeiros aumentaram ainda mais a posição vendida no mercado futuro. Nunca venderam tantos contratos de índice futuro. O mais provável é que o mercado continue caindo, pois a aposta dos estrangeiros na queda do índice, com exceção do hedge, está muito alta. Isso pesa bastante. Apesar de terem o mercado na mão, é uma situação que considero delicada. Quanto maior a aposta, maior a pressão psicológica sobre o operador. Nosso mercado não oferece liquidez para um desmonte de posições tão volumosas, então qualquer invertida de mão de uma ou meia dúzia de players estrangeiros (ou seja, apostando numa alta), poderá provocar um rally de alta na bolsa com a correria dos demais investidores para desmontar suas posições. Se não me engano os estrangeiros estão socando venda no índice futuro há quase três meses. Lucro excelente. Eu numa situação dessas já estaria bem menos exposto, com a maior parte do capital fora do mercado aguardando novas oportunidades.

      Abcs, bons trades

      Excluir
  4. Hm, estão provocando os Russos. Não me parece muito esperto isso.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Anônimo,

      Nessa deu Alemanha, jogaram muito bem. Golpearam os russos, reduziram o tamanho do sistema financeiro (consequentemente fechando as portas também do paraíso fiscal). E ainda deixaram o Chipre sem escolha, o país será presenteado com uma bela recessão, mas daqui algum tempo aparecerão os alemães para explorar o gás natural do país, onde as condições de negócio provavelmente serão extremamente vantajosas aos alemães.

      Abcs, bons negócios

      Excluir
    2. Exato. Não quero ver o troco como vai ser.

      Excluir