segunda-feira, 11 de março de 2013

Virada na média de 200


As bolsas de valores abriram pressionadas nesta segunda-feira repercutindo os indicadores macroeconômicos divulgados recentemente na China. Os números mostraram um crescimento econômico mais moderado, pois a produção industrial e vendas no varejo do primeiro bimestre/2013 subiram menos do que o previsto pelo mercado.

Apesar do pessimismo vindo da Ásia, o movimento de correção foi finalizado ao tocar a média móvel simples de 200 períodos diária, formando, desta forma, um novo fundo ascendente no gráfico do Ibovespa, alimentando a tendência de alta no curto prazo.

Gráfico Bovespa
  
O pavio longo inferior no candle de hoje mostra reaparecimento da força compradora durante o pregão. Mesmo com a forte queda ocasionada pelas ações da OGX, motivada por mais uma decepção do mercado com relação aos números da empresa (será que alguém, realmente, ficou surpreso?), o índice Bovespa conseguiu subir impulsionado pela Vale e Petro.

A Vale anunciou nesta segunda-feira que vai sair de uma tremenda roubada, que é investir num país como a Argentina. A suspensão do projeto de potássio Rio Colorado agradou o mercado. Os motivos são mais do que evidentes: preocupação com a inflação descontrolada, alta carga tributária, precária infraestrutura e desastrosa política cambial. Esta decisão segue a nova estratégia da companhia em reduzir investimentos e sair de projetos que não lhe dão retorno.

Além da boa notícia da Vale, os investidores repercutiram a desoneração dos produtos da cesta básica, anunciada pela presidente Dilma na última sexta-feira. Evidentemente a medida do governo é positiva às empresas (e por consequência aos acionistas), porém de baixa eficácia econômica.

Observa-se claramente uma tentativa de contenção dos preços no curto prazo, além é claro, do viés eleitoral. Para a economia esta será apenas uma nova medida de baixa eficácia, como de costume, pois a inflação é ocasionada pelo descontrole entre oferta x demanda. Arrefecer os preços não vai reduzir a pressão na ponta da demanda, pelo contrário, provocará um aumento ainda maior (mais dinheiro para gastar), motivando os empresários (aproveitando-se da demanda aquecida) a subirem os preços novamente no médio prazo.

É praticamente certo que os preços serão reduzidos no curto prazo, talvez por algumas semanas. Mesmo porque o ministro Mantega pediu para que o benefício fiscal seja repassado ao consumidor (queda nos preços), para que seja captado no curto prazo pelos índices de inflação.

Mas os próprios empresários não deram garantias formais ao governo de redução nos preços. Não existe empresário bonzinho, em nenhum lugar do Planeta, que não queira se aproveitar da demanda aquecida pelos seus produtos.

Nos Estados Unidos o índice Dow Jones segue mantendo a tendência de alta de curto, médio e longo prazo sem apresentar novidades. Não há resistências pela frente. Mercado sustentando pelo retorno do fluxo de investidores pessoas físicas.

Índice Wall Street

8 comentários:

  1. Só não entendi o que impulsionou a forte virada das ações da Petrobrás no final do pregão... Não acompanhei durante o dia... houve a entrada de algum grande fundo investidor?

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Investidor de Risco,

      Na minha opinião o movimento da Petro foi influenciado pela Vale. Como há uma posição muito grande vendida em contratos futuros do índice, qualquer espirro no mercado a vista assusta o operador com posições vendida (não há liquidez para todos liquidarem posição). Então uma disparada na Vale pode influenciar a Petro, e vice-versa. Ao observar os vendidos liquidando posições de curtíssimo prazo na Vale, os operadores vendidos em Petro sentiram-se tentados a fazerem o mesmo antecipando o que seria uma "saída desastrosa" da posição. Este fator é consequência também daquela disparada da semana passada, quando o papel abriu com um enorme GAP de alta. Este movimento gerou impacto psicológico relevante, o que reduz a confiança (aumenta o medo) dos investidores em posições vendidas.

      Abcs, bons trades

      Excluir
    2. FI, minha opinião foi a inversão do petróleo, que estava em baixa e fechou em alta ontem. O que acha?

      Abraços, Fernando

      Excluir
    3. Olá Fernando,

      Sim, você está certo. Não podemos desconsiderar a influência do movimento no barril de petróleo também. Mas o grau de relevância, na minha opinião, é menor. PETR4 não só recuperou, como disparou. Acho que está mais relacionado ao psicológico dos operadores (além da elevada aposta na queda do índice futuro,) aquele GAP da semana passada foi histórico, o impacto foi muito forte e não permitiu saída da posição vendida com prejuízo pequeno, consequentemente aumentou o medo para novas operações vendedoras. Por isso considero que qualquer espirro pode levantar o papel.

      Abcs, bons trades

      Excluir
    4. Obrigado. Aguardamos mais espirros por aí... :D

      Excluir
    5. Só não pode pegar um resfriado né? rsrs...

      Abcs,

      Excluir
  2. Tem a certeza que quer dizer "tendencia de baixa", no último parágrafo ?

    "Nos Estados Unidos o índice Dow Jones segue mantendo a tendência de baixa de curto, médio e longo prazo sem apresentar novidades."

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Olá Anônimo,

      Obrigado pelo apontamento, pois realmente está errado. A frase correta é:
      "Nos Estados Unidos o índice Dow Jones segue mantendo a tendência de alta de curto, médio e longo prazo sem apresentar novidades."

      Já corrigi no artigo!

      Abcs, bons investimentos

      Excluir