terça-feira, 16 de abril de 2013

Copom vai apenas cumprir o protocolo


A definição da taxa básica de juros será divulgada oficialmente pelo Copom (Comitê de Política Monetária) nesta próxima quarta-feira, após o encerramento da reunião de dois dias entre os diretores do Comitê. No passado recente, estes dois dias de reuniões do Copom representavam pouco tempo para uma decisão de tamanha importância econômica. Hoje, estes dois dias são mais do que suficientes.

Parece que os diretores do Banco Central só terão o trabalho de preencher o seu voto num pedaço de papel. Aparentemente a decisão sobre a possível elevação (ou não) da taxa básica de juros foi tomada antes mesmo de se iniciar a reunião do Copom.

A presidente Dilma Rousseff disse hoje, em Belo Horizonte, que “nós (o governo) não negociaremos com a inflação, nós não teremos o menor problema em atacá-la sistematicamente. Queremos que esse país se mantenha estável”. Este discurso da presidente é completamente diferente daquele realizado no final do mês passado, disponível neste link.

“Nós jamais voltaremos a ter aqueles juros que em qualquer necessidade de mexida, elevava o juros para 15% porque estava em 12% a taxa de juros real. Hoje nós temos uma taxa de juros real bem baixa. Qualquer necessidade para combater a inflação, será possível fazer num patamar bem menor”. Completou a presidente.

Ao dizer que o governo não terá problema em atacar a inflação sistematicamente, a presidente Dilma simplesmente antecipou ao mercado que a taxa Selic vai subir amanhã. Mas como a presidente da república sabe que os juros irão subir, sendo que a decisão é, teoricamente, tomada pelos diretores do Copom?

O que está acontecendo na prática é bem diferente do que manda a teoria. A Dilma sabe que os juros irão subir, pois, ao que parece ser, ela é quem decide e não o Copom. Isso não causa espanto já que a administração de Alexandre Tombini no Banco Central está sendo marcada pela evidente perda de autonomia da autoridade monetária.

Supostamente a presidente também decide qual será o percentual de ajuste na taxa básica de juros. Para sabermos qual será o percentual de ajuste, basta analisarmos este trecho de seu discurso: “qualquer necessidade para combater a inflação, será possível fazer num patamar bem menor”. Portanto, ao que tudo indica, a taxa Selic subirá 0,25 p.p. amanhã.

O mais importante é que o governo está mostrando ao mercado quem é que “manda na economia”, caso contrário a presidente Dilma teria se calado hoje e o ministro Mantega não teria antecipado o que o presidente do Banco Central iria dizer na última sexta-feira. Isso causa certo espanto, pois o governo não está preocupado em esconder sua forte política intervencionista, o que em outras palavras representa o bull market político.

Portanto, amanhã será apenas um dia para cumprir o protocolo. Os diretores do BC, já treinados para fazerem uma expressão de exaustão após o encerramento da reunião, fingem que tomaram a decisão sobre os juros e nós fingimos que acreditamos.

No mercado de capitais, o dia foi marcado pela recuperação dos índices, impulsionados pelos bons resultados corporativos (principalmente da Coca-Cola e pela Johnson & Johnson) divulgados hoje.

O lucro líquido da Coca-Cola caiu para 1,75 bilhão de dólares no primeiro trimestre de 2013, contra 2,05 bilhões de dólares registrados no primeiro trimestre do ano passado. A Johnson & Johnson reportou lucro de 3,5 bilhões de dólares, também inferior aos 3,91 bilhões registrado no mesmo período em 2012.

Mas então porque as bolsas subiram, já que houve queda no lucro de dois grandes players corporativos mundiais? O inverso do que aconteceu ontem. Os números surpreenderam positivamente os analistas. Esperava-se uma queda maior.

A superação das expectativas foi o principal driver para provocar uma alta em Wall Street, que se espalhou para as demais praças. Com isso o índice Dow Jones conseguiu fechar o pregão desta terça-feira em alta de 1,08%. Apesar da recuperação, o movimento não foi suficiente para invalidar o topo de curtíssimo prazo formado ontem.



No Brasil o índice Bovespa também subiu, seguindo o movimento nos mercados externos. Foi confirmado fundo temporário na região dos 52.9k. Caso a LTB curta, formada a partir do topo descendente em 57k, seja rompida amanhã, o movimento de repique ganhará força. Apesar do repique de curtíssimo prazo, a tendência de baixa segue válida sem sinal de reversão.


19 comentários:

  1. Esse Tombini é um bundão e esse Manteiga um machinho incompetente keynesiano que adora sair dando de valentão pra cima do empresariado enquanto não faz nada contra burocracia, impostos, etc.

    Saudades do Meirelles e Fraga.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Estude AVATARES

      Excluir
    2. Respeito muito estes dois ex-presidentes do BC. O Armínio Fraga então, nem se fala. Quem dera se ele pudesse voltar algum dia pra consertar a casa.

      Abcs, bons negócios a todos

      Excluir
    3. Pobretão fake. Se manda.

      Excluir
    4. Aliás estou achando que o zé mobral é fake também. A conferir.

      Excluir
  2. Si liga na NATU3 nos próximos dias

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Qual a sua análise para ela? Observei no gráfico uma sinalização de fundo com boas chances de jogar o papel para testar a LTB formada a partir do topo em 58,60. Stop está meio longe, abaixo dos 46,60.

      Abcs, bons trades

      Excluir
  3. Anonimo ,

    O que vc viu na NATU3 COMPARTILHE COM A GENTE , já tenho na minha carteira excelente empresa

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Sobre a NATU3 ., êla ira vender além de perfumes ., joias .,

      http://www1.folha.uol.com.br/mercado/2013/04/1263785-natura-inclui-livros-joias-e-artigos-para-o-lar-entre-produtos-que-pode-vender.shtml

      Tai ., dei uma de FRAJOLETE agora

      Excluir
  4. para quemnão entende de política o tombini é um bundão, mas é ele que orienta a dilma e ela diz o que ele manda, pois ela é candidata a reeleiç~~ao e não ele, o problema é que as pessoas acham que sempre foi assim desde qe nasci e continuará sendo, se mudam a estratégia a cabeça da maioria embanana, lembro quando o tobini baixou juros sem sinalizar, a grita foi a mesma, não perceberam a mudança de estratégia, como não percebem agora.

    ResponderExcluir
  5. Cada pais rouba o que pode... Tadinho do Chipre que não tinha minérios...

    Lobão fala e assusta o mundo mineral

    http://www.tribunadaimprensa.com.br/?p=63619

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Muito perigoso isso aí. Por isso não entrei na Vale, mesmo com esta queda toda. Só mesmo pra especular e olhe lá. Não consigo me sentir seguro num investimento de médio/longo prazo com esta bazuca apontada na cabeça.

      Abcs, bons negócios

      Excluir
    2. O pior é o Governo ter a cara de pau de reclamar que a iniciativa privada não quer investir. Vai ter tanto óleo-de-peroba lá em Brasilia.

      Excluir
    3. É o discurso totalmente voltado para a massa (ou o povão), os únicos que o governo consegue enganar e conquistar os votos.

      Abcs,

      Excluir
  6. Olá, minha análise de botequim me diz que o Ibov está montando uma longa congestão em topo, a Vale5 tbm;
    Seguindo meu raciocínio em breve veremos a perda desta congestão, alvo por volta dos 42K para o Ibov e para Vale5 a região dos R$ 25~27, vamos ver!!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Estamos na torcida com a ajuda do Governo! rs

      Excluir
    2. 50k é a linha de base visual da zona de congestão e os 48k é a linha de suporte, ou última prega da congestão. Se perdermos esta região de congestão podemos entrar num pânico de baixa (deixaria os papéis baratos demais, atraindo o mercado de volta para as compras no segundo momento).

      Abcs a todos.

      Excluir
  7. Não acredito muito no tal "confisco", apesar de que com esse governo retrógado tudo é possível. Hoje fiz minha primeira entrada em VALE5, mesmo sabendo dos riscos. Doses homeopáticas, pois o terreno anda muito perigoso. Vamos ver. Se cair (despencar) mais, aumento a dosagem.
    Investidor Paciente

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Para a primeira compra está bom. Boa sorte na empreitada.

      Abcs, bons investimentos

      Excluir