terça-feira, 28 de maio de 2013

A muralha dos 57k


A importante linha de resistência nos 57k tem se mostrado como uma verdadeira muralha a ser superada pelo índice Bovespa. A linha se fortificou naturalmente por ser um divisor de águas para definição da tendência de médio prazo na bolsa brasileira.

O seu rompimento confirmaria o fim da tendência de baixa de médio prazo, prolongando a tendência de alta, já existente no curto prazo, para os próximos meses. Por outro lado, o fato do mercado não conseguir superar os 57k é um sinal de que a força vendedora ainda é superior, principalmente em pontos estratégicos e decisivos.

A manutenção do domínio da força vendedora nos próximos dias poderá provocar a saída de investidores posicionados na ponta compradora. A decepção com o desempenho do índice (para os comprados) impulsionaria a liquidação de posições compradas recentemente, aumentando a força do lado contrário, podendo provocar, inclusive, o retorno do índice para a mínima do ano.

Este é o motivo pelo qual o mercado está encontrando dificuldades para superar o patamar dos 57k. A sobrevivência das operações vendedoras depende da manutenção desta linha de resistência. O desenho gráfico mostra nitidamente o posicionamento dos ursos no mercado.

Gráfico de ações

O candle de hoje é o segundo, dos últimos cinco pregões, que mostra pavio superior relevante na referida linha de resistência. A formação sugere retorno à linha central de bollinger e muito possivelmente reteste sobre a LTA dos 52.5k. A tendência de alta de curto prazo será invalidada somente com a perda dos 54.1k. Porém, sem o patamar de sustentação da LTA, a linha de suporte citada acima ficará fragilizada e perderá força de sustentação.

Apesar do descolamento com os mercados externos, a configuração técnica de curtíssimo prazo do Ibovespa é semelhante aos principais índices mundiais. Nos Estados Unidos o índice Dow Jones fechou o pregão em alta de 0,69%.

ADRs

Apesar do movimento de alta, o principal índice da bolsa de Nova York também mostrou pavio superior relevante abaixo de sua principal linha de resistência. Esta também é a segunda sinalização semelhante (candles) dos últimos quatro pregões. O desenho gráfico confirma posicionamento da força vendedora na região dos 15.5k, configurando uma região de topo duplo.

O mercado abriu eufórico na parte da manhã devido aos excelentes indicadores da economia norte-americana. No mês de março, os preços dos imóveis avançaram 10,3% em 10 cidades e 10,9% em 20 cidades. Este é o melhor desempenho no acumulado dos últimos doze meses desde abril de 2006.

O indicador confirma o sucesso do QE3 (quantitative easing 3), que consiste basicamente na compra de 40 bilhões de dólares por mês em dívida hipotecária. A estratégia do FED (Federal Reserve – banco central norte-americano) funcionou muito bem nesta terceira tentativa (QE3) e o mercado imobiliário conseguiu se reerguer do choque sofrido em 2008, confirmando as nossas expectativas expressadas na análise do dia 17/10/2012 ("Na terceira tentativa pode funcionar").

A confiança do consumidor norte-americano disparou para 76,2 pontos, superando os 69 pontos registrados em abril. Este é o nível mais elevado desde fevereiro de 2008. O consumo interno, juntamente com o setor de construção civil, são as principais vigas de sustentação do crescimento econômico do país.

A sequencia de indicadores positivos pode provocar a queda na taxa de desemprego e assim, permitir que o FED tire o pé do acelerador, reduzindo o seu programa de estímulos monetários no segundo semestre deste ano. Neste caso, o mercado de ações seria inevitavelmente afetado no curto prazo.

6 comentários:

  1. FI,

    qual sua expectativa para o IBOV neste ano?
    Juros subirão para conter o dragão da inflação... Os EUA subirão os juros também...

    Na minha opinião ficaremos nesta lateralização com viés negativo. Perderemos da inflação.

    Zé.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Acho que em algum momento até o final deste ano o índice conseguirá superar os 60k, mas temporariamente, já que estamos trabalhando dentro de uma zona de congestão de longo prazo e não acho que ela será superada este ano ainda (apesar de já estarmos na fase final do movimento corretivo de longo prazo). Para mim o mais importante é tentar aproveitar esses movimentos do índice, evitando ao máximo esticar demais a posição. A bolsa perde feio pra inflação, se indexarmos o IPCA no Ibov o topo histórico supera os 100k.

      Abcs, bons negócios

      Excluir
  2. Não podemos esquecer que no meio de junho tem vencimento de índice futuro, e os donos do $ (gringos) estão bem vendidos ainda!

    Não me surpreenderei se voltarmos aos 52k até la, ainda mais com DJ fazendo topo duplo e estando esticado...

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Correto. Os investidores estrangeiros nunca venderam tantos contratos de índice futuro. Mas grande parte desta posição vendida nos futuros é hedge das posições compradas no mercado a vista, que também atingiu nível recorde. Estão bem amarrados justamente porque não estão tão confiantes com o nosso mercado. Estão evitando apostar numa direção do mercado.

      Abcs, bons trades

      Excluir
  3. FI faz logo o post sobre o PIB que saiu pra gente meter o pau no PT e a "presidenta mulher" incompetente.

    ResponderExcluir
  4. Vocês tem que por essa Sª Dilma para correr.Ou me desculpem,sera melhor chamar pelo Mario Draghi.


    batistuta007

    ResponderExcluir