sexta-feira, 5 de julho de 2013

A contradição do circo brasiliense


A política econômica baseada no incentivo desenfreado ao consumo transmitiu a sensação de que tudo estava indo muito bem. Parecia uma grande balela aquela velha história de respeitar os pilares de sustentação da economia. O governo abriu mão de manter um bom gerenciamento do gasto público, do superávit primário, do câmbio, da taxa básica de juros e da formação de uma poupança interna (principal base dos futuros investimentos na economia).

Criou-se, ainda, uma condição forçada de barateamento do crédito para que as famílias pudessem, também, participar da festa: gastar mais e, se faltar dinheiro, pegar emprestado. Geladeira nova, sofá novo, fogão novo, carro novo, casa nova. Vida nova. Um verdadeiro milagre. Parecia que tudo estava caindo do céu.

Mas não estava. Era bom demais pra ser verdade. A sensação era de que o brasileiro progrediu na vida. Mas esta evolução não passou do portão de sua casa. Do lado de fora nada mudou. Tudo continua o mesmo. A rua está mais esburacada. O posto de saúde continua caindo aos pedaços. Aquele prédio velho com alguns drogados na porta continua sendo chamado de escola. A segurança piorou. A qualidade do transporte público continua ruim. E para piorar, aumentaram as folhas daquele carnê do carro novo. Algo estava errado. A carga tributária não aumentou? A arrecadação do governo não bateu recorde? Então porque as coisas só melhoraram da cozinha até o portão da minha casa se eu estou pagando mais impostos? Demorou, mas a população acordou.

A situação já era complicada com um crescimento ridiculamente baixo e uma inflação persistentemente elevada. O governo estava percebendo que cometeu um erro grave ao desrespeitar os pilares da economia. O plano A não deu certo e desregulou o sistema. Ok, vamos ao plano B. Opa! Não tem plano B? Complicou. Vamos consultar alguns amigos economistas. Mas não deu tempo nem de ouvir o que eles disseram. As manifestações em massa já tomavam conta das ruas nas principais cidades do País. O governo ficou mais perdido do que nunca e começou a cair em contradição.

O governo não sabe se conserta as mazelas do passado ou se agrada a população, ao menos para sustentar a reeleição. Na dúvida, ou no desespero, está tentando fazer os dois. Pouco menos de um mês após o anúncio de um pacote para injetar cerca de 18,7 bilhões de reais na economia via crédito de alto risco aos beneficiários do programa Minha Casa Minha Vida (para compra de móveis e eletrodomésticos), o ministro da Fazenda, Guido Mantega, anuncia na televisão que está trabalhando para fazer um corte de até 15 bilhões de reais no orçamento do governo.

Enquanto o Banco Central trabalha para reduzir o crédito na economia, subindo a taxa básica de juros, o BNDES (Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social) faz o contrário e coloca mais dinheiro na economia a juros subsidiados (5% ao ano). O volume de empréstimos do BNDES aumentou 59% entre janeiro e abril de 2013, atingindo a incrível marca de R$ 54,4 bilhões de reais, mostrando que os desembolsos do banco estatal crescem quase cinco vezes mais rápido do que os empréstimos de todo o sistema financeiro brasileiro.

E já que está difícil alcançar o superávit primário, mesmo “que seja de mentirinha”, com os truques de mágica, porque não arrombar um pouco mais o caixa da Petrobras, a grande salvadora dos tempos difíceis do governo? Se a empresa é utilizada para administrar os índices de preço (não repassar o aumento dos preços da gasolina, a nova ferramenta de “política monetária” do governo) ela também pode ser utilizada para colaborar com a meta do superávit primário.

Para isso, o CNPE (Conselho Nacional de Política Energética) fixou em 15 bilhões de reais o lance mínimo a ser pago por empresas para explorar o prospecto de Libra (Bacia de Santos). O valor é significativamente superior às estimativas do mercado (10 bilhões de reais). A própria ANP (Agência Nacional do Petróleo, Gás Natural e Biocombustíveis) defendia um preço bem mais baixo, como forma de estimular a concorrência.

Por lei a Petrobras precisa comprar no mínimo 30% da área a ser ofertada. Então, para garantir a meta do superávit primário, basta fazer a Petrobras gastar mais no leilão, aumentando em 5 bilhões o valor do lance mínimo. É mais dinheiro para entrar no caixa do governo, bancado pelos acionistas da Petrobras.

O índice Bovespa caiu 1,21% nesta sexta-feira, pressionado, principalmente, pelas ações da Petro. No acumulado da semana a queda foi de quase 5%. O candle da semana anterior, que indicava possibilidade de manutenção do movimento de repique, foi anulado com a formação de um novo candle de baixa expressivo.


A LTA de 2002 não conseguiu suportar a pressão vendedora. A confirmação do rompimento, talvez na próxima semana, desta importante linha de tendência de longo prazo deixará o mercado com um buraco enorme, sem regiões de suportes até a linha (fraca) dos 35k. Índice segue mantendo a tendência de baixa de curto, médio e longo prazo.

Nos Estados Unidos o índice Dow Jones fechou a semana em alta, a segunda consecutiva após o teste sobre a linha central de bollinger. O relatório de emprego divulgado nesta sexta-feira, pelo Departamento de Trabalho, mostrou que foram criadas 195 mil vagas em junho. Número superior às estimativas do mercado, que giravam em torno de 160 mil postos.


Dados positivos, e melhores do que os esperados, do mercado de trabalho sugerem que o FED (Federal Reserve – Banco Central dos Estados Unidos) possa manter as perspectivas para o cronograma de redução dos estímulos monetários anunciado na última reunião do Fomc (Comitê Federal de Mercado Aberto).

Na Alemanha o índice DAX fechou a semana em forte baixa refletindo as preocupações com a crise política em Portugal. Houve tentativa de retomada da linha central de bollinger, rechaçada fortemente pela força vendedora. Com esta nova sinalização o índice poderá retornar para a região de suporte na casa dos 7.5k.
  

Na Índia a bolsa de Bombay fechou a semana em leve alta, mantendo o movimento de recuperação, embora em menor ritmo, iniciado na semana anterior. O índice conseguiu se manter acima da linha central de bollinger e tem caminho livre para testar, novamente, a resistência em 20.2k.


Na China a bolsa de Xangai também fechou a semana em leve alta, conseguindo se manter (respirar) acima da importante linha de suporte em 1.9k. Apesar do alívio, segue dentro da tendência de baixa de curto e médio prazo.


Desejo a todos vocês um ótimo final de semana! Até segunda!

25 comentários:

  1. Nossa não tem uma trégua de notícia ruim nessa bolsa. PQP. Todo santo dia o governo faz alguma merda. É inacreditável, um erro atrás do outro sem parar durante tantos meses. Agora o espertão do Mantega anuncia que vai diminuir o protecionismo pra insumos já que o dólar disparou e a indústria definhou do mesmo jeito. Gênio.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Mantega não acerta uma rs.. É impressionante. Vamos ver se ele consegue se manter até 2014 ou deixa o cargo antes. Os rumores com relação à sua saída estão aumentando.

      Abcs, boa semana!

      Excluir
  2. FI, como sempre obrigado por tirar a venda de nossos olhos.
    Conhecereis a verdade e ela vos libertará.
    Estou tão chocada com tudo que está saindo do tapete.
    Fico imaginando como todo mundo aonde é que vamos parar.
    FI, você acha que se continuar assim provavelmente pode baixar o preço dos imóveis, é que estou com umas economias pensando em comprar um no rj mais os preços estão muito inflacionados.
    Desde já obrigado
    .

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Anonimo,

      Iniciamos uma época em que "cash is king"; Os imóveis devem estacionar os preços para que estes sofram a corrosão da inflação ou eventualmente sentir quedas, de novo, amplificadas em termos reais pelo poder corrosivo da inflação.

      Assim, em ambos casos, parece mais sensato manter seus recursos rendendo SELIC, acima da inflação, enquanto os imóveis vazios vão perdendo valor.

      Excluir
    2. Minha opinião é semelhante à do Paulo.

      Acrescentaria que os efeitos ocasionados pelo processo de aperto monetário do Banco Central começarão a gerar reflexos na economia a partir do primeiro trimestre de 2014. O arrefecimento da demanda (provocado pela elevação da taxa Selic), juntamente com o eventual excesso de oferta em alguns bairros (provocado pelo boom das construções) oferecerão condições ideais para uma correção sustentada nos preços.

      Qualquer dúvida volte a perguntar.

      Abcs, boa semana a todos!

      Excluir
  3. Excelente post FI!

    Apesar de entender pouco de economia, já estava MUITO desconfiado deste "crescimento" do povinho brasileiro. Muito fácil gastar grana que nem existe e ainda vem fácil para o cartão! Concordo com o Paulo: liquidez vai valer OURO a partir de agora!

    ResponderExcluir
  4. A situação financeira da Petrobras está cada vez mais dramática, desse jeito vai ficar insustentável! Cada vez mais o Estado repassa as responsabilidades econômicas Governo para a empresa, com o nível de endividamento atual e o lucro cedendo ( por questões politicas) está ficando difícil fechar a conta!
    Julio

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Sim, extremamente delicada. Os advogados da Petro chegaram ao ponto de alegar indisponibilidade de caixa para não pagar aquela dívida com a União de 7,3 bilhões de reais e manter a certidão de débitos.

      Abcs, bom início de semana!

      Excluir
  5. FI você acha que o Banco do Brasil pode virar objeto de manobra como a Petro?

    E acabar com a cotação do BB, como aconteceu com Petr4?

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Na verdade o BB já está sendo utilizado como objeto de manobra (como por exemplo a intervenção do governo no mercado para forçar a queda do spread bancário no ano passado), porém em menor grau. Este é um dos motivos responsáveis pelo desconto atual, e quase que rotineiro, das ações do BB.

      Abcs, boa semana!

      Excluir
  6. O que eu mais temia tá rolando, que é a Argentinização do país. Vão usar de todos artifícios pra segurar e congelar preços, destruindo estatais.

    Isso é o que dá colocar mulher no governo. Gleise Hoffman, Dilma, presidenta da Petrobrás, entre outras estão destruindo o pais.

    Lembrando que 15 BI é pouco segundo a impresa conservadora.

    O Alckmin fez bem mais no governo de SP.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Infelizmente estamos seguindo um caminho parecido. Mas aqui ainda tem volta, apesar de já estarmos pagando um preço alto por isso.

      Abcs, boa semana!

      Excluir
    2. E o Lula é mulher também? Se inteligência dependesse de gênero, seria bem mais fácil fazer escolhas. Péssimo argumento.

      Excluir
    3. Ele é homem e não cagou tanto o pau como ela.

      Excluir
    4. seu machista descarado....
      O Lula cagou em casa limpa!
      Quando ela entrou, a sugeira ja esta por toda a casa.
      Ela so nao conseguiu limpar a casa, como a maioria dos machistas como vc sujam!!

      Excluir
    5. Margaret Thatcher, Angela Merkell...

      Excluir
    6. Duro ver alguém defender o Lula de alguma forma! O cara ainda deu a maior sorte de pegar a onda das commodities. Queria ver se ainda fosse ele no Governo... Mas esse espero que não volte nunca mais! Aliás, ninguém do PT.

      Excluir
  7. FI,

    Acredito que com essa perda de suporte, em termos gráficos, o índice tenderá a cair bastante até os trinta mil pontos e alguma coisa. Ladeira abaixo agora. Vamos ver como vai ficar...

    Bom post.

    Abs,

    Miguel

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Sim, o índice está caindo sem chão. Apesar de que o mercado pode surpreender/reverter a qualquer momento, por enquanto não há nenhuma indicação de reversão na tendência de baixa de médio e longo prazo.

      Abcs, bom início de semana!

      Excluir
  8. Boa noite FI!
    Estou com cerca de 25% em ações, com perda média de 20% desse valor. Fui comprando conforme foi baixando... ao nível atual, com as preocupações quanto à confiabilidade do país e das empresas, acha dá pra continuar comprando conforme vai caindo ou 25% já seria bastante? Para ter uma ideia, estou pensando em aumentar participações em BBAS3, VALE5, ITSA4 e ELPL4 (ação com maior prejuízo, PM de 8,13).
    Muito obrigado desde já. Abraço!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Boa noite Hoffnung!

      25% da carteira em renda variável está ótimo. É o balanceamento atual para o momento. Lembrando que são posições para o médio/longo prazo, certo? Caso o índice continue caindo mantenha a estratégia e continue aumentando gradualmente sua exposição em renda variável. Reserve a maior parte do capital para os crashs de mercado. São empresas boas, não tenho nenhuma objeção. A ELPL4 é a mais complicada no curto prazo, mas pode-se esperar que o papel volte a subir dentro de 2 anos, pelo menos.

      Abcs, boa semana!

      Excluir
    2. Obrigado FI,
      é sempre muito bom ler seus artigos diários e acompanhar os diálogos.
      Abraço!

      Excluir
  9. Olá Fi, vejo grande probabilidade de várias ações voltarem perto de preços vistos em 2003, ao meu ver estamos vivenciando desde 2008 uma correção primária do sonho de verão que o Pt colocou na cabeça de milhões de Brasileiros infelizmente. Bom quanto ao Ibovespa tem sua Lta primária que passa em torno dos 24~26K atualmente, no andar da carruagem até o momento é este meu alvo.
    Quando se olha um gráfico é bom olhar a "floresta" e não apenas regiões!
    Ivan

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Isso é fantástico porque no próximo repique seremos os próximos milionários.

      De 2003 a 2008 vários milionários apareceram pois investiam na bolsa.

      Nós temos nossa chance agora. Basta aguentar alguns anos de patrimônio baixo e porradas.

      Excluir