quinta-feira, 25 de julho de 2013

Bote armado para superar os 50k


O mercado brasileiro voltou a esboçar predomínio da força compradora no pregão desta quinta-feira. Descolado das demais praças financeiras mundiais, o índice Bovespa reverteu rapidamente o movimento de correção de curtíssimo prazo ao testar novamente a região de suporte dos 48.1k.

A bolsa subiu 1,43% e devolveu todas as perdas sofridas no pregão da última quarta-feira. Posições vendidas de curtíssimo prazo liquidadas na tarde desta quinta-feira ajudaram a impulsionar o movimento de alta. A reação do mercado, muito semelhante ao que aconteceu na tarde de ontem ao testar a região de suporte em 48.1k, reafirmou o piso de curtíssimo prazo na bolsa. Portanto, os operadores que estavam na ponta contrária remontaram suas posições, agora na ponta compradora.


O mercado montou fundo ascendente na mesma região do pivot de alta (48.1k), responsável por invalidar a tendência de baixa de curto prazo. O desenho gráfico mostra que o índice está bem armado para acionar um novo pivot de alta no rompimento dos 49.4k, fato que impulsionará o índice para se aproximar do patamar psicológico dos 50k e superá-lo nas próximas semanas. As zonas de resistências são enfraquecidas quando o mercado rompe a máxima anterior (num movimento de pivot) posicionada numa região levemente abaixo da zona de resistência em questão.

Curiosamente a retomada do índice Bovespa ocorre num momento de queda da popularidade da presidente Dilma Rousseff. A pesquisa do CNI em conjunto com o Ibope, divulgada hoje, mostra que a avaliação ruim e péssima da presidente Dilma Rousseff disparou para 31% em julho, empatada com o percentual dos que consideram a administração da presidente como ótima e boa.

Outra boa notícia aos investidores brasileiros foi divulgada hoje pelo diretor de renda variável da BM&F Bovespa, Julio Ziegelmann. ETFs de índices de ações do exterior devem ser oferecidos no mercado brasileiro até o fim do segundo semestre deste ano. A BM&F Bovespa também tem planos para oferecer ETFs de renda fixa a partir de 2014.

Nos Estados Unidos, as encomendas às indústrias avançaram 4,2% no mês de junho. O resultado superou significativamente as expectativas do mercado, que giravam em torno de 1,1%. O número de pedidos de auxílio-desemprego subiu para 343 mil solicitações, levemente acima das solicitações registradas na semana anterior (334 mil).


O índice Dow Jones fechou o pregão com uma pequena alta de 0,09%. O mercado esboçou reação após testar a LTA formada na região dos 14.5k na parte da manhã. Tendência de alta de curto, médio e longo prazo segue inalterada.

Na Europa, um relatório do FMI (Fundo Monetário Internacional) destacou a possibilidade do BCE (Banco Central Europeu) cortar as taxas de juros e iniciar uma nova rodada de afrouxamento monetário para impulsionar a economia da zona do euro.

A zona do euro deverá apresentar PIB negativo em 2013 (projeção de -0,5%), marcando o segundo ano consecutivo de leve recessão. A retomada do crescimento na zona do euro aparecerá com maior força em 2014, onde as projeções apontam para um crescimento de 1%.

Por fim, gostaria dar os parabéns ao glorioso Clube Atlético Mineiro pela belíssima campanha na Copa Libertadores. Título sofrido. Emocionante. Mas assim é bem melhor. O galo da massa conquistou o Brasil! Saudações alvinegras!

8 comentários:

  1. FI,

    Duas questões:

    1. Está entrando dinheiro estrangeiro na Bolsa ou essa possível recuperação é mais técnica?

    2. O Ibov, considerando o P/L médio das empresas, está com preços atrativos?

    Obrigado

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. André,

      1) Na verdade os estrangeiros estão saindo. Reduziram posição no mercado à vista e liquidaram posições vendidas no mercado futuro. É um movimento técnico, mas estrangeiro também opera curto prazo.

      2) Não tenho o P/L atualizado do momento, mas vamos ter esta informação em algumas semanas após o encerramento da temporada de balanços do 2 trimestre. Sei que o P/L do Ibov não estava tão alto (mostrando um mercado caro), mas também nem tão baixo (mostrando um mercado barato). Estamos no meio termo, com os preços dos ativos já precificando o cenário econômico ruim de baixo crescimento e inflação elevada. Comparando com as demais praças financeiras mundiais (incluindo emergentes), o Ibovespa está levemente descontado.

      Abcs, bons investimentos

      Excluir
  2. FI,

    Ainda estou muito receoso com o ambiente eleitoral de 2014. Mesmo com a Dilma em queda, acho difícil reverter uma possível vitória dela, por pior que isso seja para o Brasil.

    A boa notícia é que tenho sentido uma recuperação na renda fixa com aquela posição dos títulos de longo prazo. Talvez o auge da oferta de taxas maiores pelo tesouro já tenha passado, a tendência agora é recuperar. Vamos ver.

    Abs,

    Miguel

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Miguel,

      O problema é que a popularidade dela está baixa mesmo com a taxa de desemprego em 6%. Queda de popularidade com mercado de trabalho entrando em um processo de desaquecimento (taxa de desemprego pode subir ainda mais quando os aumentos da taxa Selic começarem a fazer efeito na economia), juntamente com inflação elevada e crescimento baixo podem acabar com os planos da presidente de reeleição.

      Quanto à renda fixa, sim. Já conseguimos superar a fase mais crítica do ciclo de aperto monetário. O mercado está corrigindo os excessos do mês passado. Tem espaço para o Yield cair mais um pouco, mas creio estar se aproximando de um piso.

      Abcs, bons negócios

      Excluir
    2. Às vezes o que importa não é o número na pesquisa e sim a tendência...

      Excluir
    3. Utilizando a linguagem da análise técnica, a Dilma está em plena tendência de baixa rs..

      Abcs, bons trades

      Excluir
  3. A relação do Mercado e da presidente talvez seja a questão dos juros.
    Baixar juros na canetada, o mercado não gostou.
    Subir os juros pra conter a inflação, aí o mercado gostou...
    Acho que o resto não importa, ao Sr. Mercado...
    O desmonte de operações vendidas está sendo no mercado futuro, principalmente.
    Parabéns aí, Galo!!!
    Carla

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Carla,

      Sim, o ressurgimento do Banco Central, mais comprometido com a política de metas de inflação, foi um fator decisivo que permitiu este repique na bolsa. Interessante notar que esta é mais uma demonstração de que aqui no Brasil não funciona aquela máxima de que bolsa e os juros devem andar em direções opostas. O universo de investidores ativos em renda variável é muito pequeno para fazer esta máxima funcionar. Nos Estados Unidos já é diferente.

      Obrigado! Eita sufoco rsrss.. Galo campeão!

      Abcs, bons trades

      Excluir