terça-feira, 23 de julho de 2013

Bovespa perde fôlego


O principal índice da bolsa de valores de São Paulo perdeu fôlego nesta terça-feira ao se aproximar do patamar psicológico na região dos 50k. O mercado abriu em forte alta refletindo a notícia de que a China vai aprofundar as reformas para impulsionar o desenvolvimento sustentável da economia.

O PIB (Produto Interno Bruto) da China desacelerou em nove dos últimos 10 trimestres. No segundo trimestre deste ano o crescimento atingiu 7,5%. Mas o foco do presidente Xi Jinping está em transformar a expansão econômica, atualmente impulsionada pelas exportações e investimentos estatais elevados, para um crescimento puxado pela demanda doméstica. O governo está disposto a tolerar um crescimento mais baixo/lento, realizando as reformas necessárias, a fim de garantir a sustentabilidade de médio e longo prazo da economia.

As declarações de Peter Praet, membro do Conselho Diretor do BCE (Banco Central Europeu), também ajudaram a impulsionar as bolsas na parte da manhã, apesar de não ter apresentado nenhuma novidade. “Nossas taxas de juros básicas podem se reduzidas ainda mais, como foi esclarecido por nossa mensagem de orientação futura. Além disso, como uma medida não padrão, nós continuamos oferecendo aos bancos liquidez ilimitada”, disse Praet.

O índice Bovespa subiu forte nos primeiros minutos de pregão e conseguiu atingir rapidamente a região dos 49.4k. A valorização rápida das ações estimulou um movimento de realização de lucros nas operações compradas de curtíssimo prazo. Com o giro baixo, a bolsa continuou cedendo ao longo do pregão na medida em que os operadores embolsavam os ganhos dos últimos dias.


Este movimento provocou a sinalização de topo na região dos 49.4k. O candle de fechamento é uma estrela cadente e sugere que o índice poderá retornar ao patamar dos 48.1k. Apesar da sinalização de topo, a tendência de alta de curto prazo permanece inalterada. No curtíssimo prazo o índice poderá manter a correção.

Nos Estados Unidos o índice Dow Jones fechou o pregão em leve alta, conseguindo superar levemente a máxima história na região dos 15.5k.
  

O pregão desta quarta-feira será marcado pela divulgação das prévias dos indicadores de atividade industrial das principais economias mundiais. São números importantes e poderão indicar o rumo dos negócios amanhã.

6 comentários:

  1. FI,

    Vamos ver se essa tendência de curto prazo se consolida.

    É difícil de imaginar essa tendência se inverta para uma de longo prazo, haja vista que nos próximos anos o fluxo de capital deve migrar para os EUA.

    Abs,

    Miguel

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Exato. Na verdade esta migração já está ocorrendo. Uma quantidade considerável de fundos hedge espalhados pelo mundo inteiro estão posicionados em ativos na bolsa de Nova York. No médio e longo prazo a tendência de baixa segue prevalecendo.

      Abcs, bons negócios

      Excluir
  2. Creio que ainda podemos ter um verão mto quente nos mercados.Se amanha os americanos nao subir,vamos ter correçao forte.Tambem so um louco compraria indices americanos agora rsrsrsrs...

    batistuta

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Wall Street está mais cara do que a Bovespa. As perspectivas lá são melhores, mas acho que há espaço para o Ibovespa reduzir o spread negativo, em movimentos de curto prazo, com relação ao índice Dow Jones e também com o MSCI (mercados emergentes).

      Abcs, bons negócios

      Excluir
  3. Quem tem grana tem que continuar investindo na RV. Daqui um tempo teremos novo ciclo pra cima e aí que dá pra ficar rico (sim rico).

    Baseio minha expectativa de acordo com o histórico do passado 2002 a 2007 e 2008 a 2010.

    Mas vai ter que amargurar perdas ou estagnação por um tempo.

    ResponderExcluir
  4. E vale a velha máxima de incrementar a posição aos poucos.

    ResponderExcluir