segunda-feira, 12 de agosto de 2013

Banco Central coloca ordem na casa


O diretor de Política Econômica do Banco Central, Carlos Hamilton, colocou a presidente Dilma Rousseff e o ministro Guido Mantega em seus devidos lugares nesta segunda-feira. A dupla sertaneja havia feito bastante barulho nos últimos dias em declarações infundadas relacionadas ao cenário econômico e, principalmente, inflacionário no Brasil.

Até então os diretores do Banco Central estavam calados enquanto ouviam o refrão da música mais tocada pela rádio de Brasília nos últimos dias “a inflação sempre esteve sob controle”. Jingle feito exclusivamente para comemoração do IPCA de 0,03% do mês de julho.

Mas a festa do Planalto passou demais da conta e o Banco Central teve que aparecer para colocar ordem na casa. Nesta segunda-feira, o diretor de Política Econômica do Banco Central esclareceu que a inflação registrada no mês passado foi uma exceção e deve ter sido a menor taxa mensal de 2013.

Carlos Hamilton disse ainda que uma inflação muito baixa, como a de julho, por exemplo, representa um ponto fora da curva. O Banco Central espera que o IPCA dos próximos meses volte a subir, fechando 2013 ligeiramente abaixo do nível registrado em 2012 (5,84%), porém marcando mais um ano de inflação elevada e longe do centro da meta (4,5%).

Deve-se ressaltar que a inflação de 12 meses tende a recuar ligeiramente neste segundo semestre refletindo os primeiros sinais dos agentes de mercado quanto à postura mais firme do Banco Central no que se refere ao combate da inflação.

Hamilton reforçou os sinais de manutenção no ritmo do ciclo de aperto monetário ao destacar suas preocupações relacionadas ao mercado de câmbio, tema que foi, inclusive, destaque da última ata de reunião do Copom. “A condução adequada da política monetária diminui o risco inflacionário decorrente da desvalorização do real”, disse Hamilton. Esta mesma frase está sendo frequentemente repetida pelos demais diretores do Banco Central.

Além disso, Hamilton voltou a demonstrar que a autoridade monetária está empenhada em reduzir a indexação na economia. Não somente a de curto prazo, mas, principalmente, a de médio e longo prazo. Segundo o diretor do Banco Central, a desindexação dos contratos ocorre de forma natural após um período de inflação predominantemente baixa.

A tradução, em números, para uma inflação predominantemente baixa deve ser algo que esteja, no mínimo, abaixo da meta de inflação. IPCA em torno de 3% ou 4% ao ano (números que representam uma inflação baixa) está longe de ser uma realidade no Brasil, mas como o diretor do Banco Central apontou para esta possibilidade no futuro (desindexação provocada pela inflação baixa), pode-se esperar que a taxa básica de juros dificilmente volte a ficar abaixo de dois dígitos novamente por um longo período de tempo.

No mercado de capitais o índice Bovespa subiu pelo o terceiro pregão consecutivo, porém, desta vez, houve sinalização de topo pelo gráfico diário. O mercado subiu muito rápido, acionou pivot de alta e atropelou zonas importantes de resistência. Apesar de ser uma demonstração relevante de força desta perna de alta iniciada na região dos 44.1k, pode-se esperar manutenção da correção de curtíssimo prazo no próximo pregão, jogando o índice de encontro ao suporte dos 49.7k.


Inicialmente, a sinalização de topo pelo candle desta segunda-feira (estrela cadente) não deve invalidar a tendência de alta de curto prazo do índice Bovespa. As condições técnicas para manutenção desta referida tendência são excelentes e podem, inclusive, estendê-la para o médio prazo.

Nos Estados Unidos o índice Dow Jones fechou o pregão com um doji de indecisão acima da linha de suporte dos 15.3k. A sinalização é favorável para retomada do índice, mantendo a tendência de alta de curto, médio e longo prazo.


13 comentários:

  1. Ótimo texto. Apenas uma pergunta : o que pensa que deverá ser feito na reunião do copom do final do mês?

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Esta eu respondo: 0,5% de alta na selic.

      Excluir
    2. Exato. É a minha expectativa também. E 9,50% para o encerramento de 2013.

      Abcs a todos e bons negócios

      Excluir
  2. Guardião, o FI já publicou sua expectativa na coluna da esquerda do seu blog. OLha lá... alta de 0,5 p.p. OK?

    ResponderExcluir
  3. Ridículo a Dilma e o Mantega alardearem essa inflação de julho como uma vitória... nossa política econômica está sucateada mesmo.

    Parabéns pelo site, suas análises diárias excelentes como sempre! Abraço!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. É, desta vez a dupla sertaneja pegou pesado demais. Estão precisando mudar de compositor rsrs. Obrigado Nerd Investidor!

      Abcs, bons negócios

      Excluir
  4. Hoje as ações começou a subir a galope de manhã.

    Eu estou na duvida se a tendência agora é alta, o problema é que os movimentos estão bruscos demais.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Disparou sem parar desde os 47.1k. Subiu rápido demais. Mas isso é um sinal de força da tendência, mostrou superioridade avassaladora da força compradora nos últimos dias. Provavelmente impulsionada pelos estrangeiros. No curtíssimo prazo podemos ter continuação do movimento corretivo, mas no curto prazo a tendência de alta segue válida. Tem espaço suficiente para uma correção saudável, só não pode perder os 47k.

      Abcs, bons trades

      Excluir
  5. FI,

    Tem alguma notícia se houve algo hoje de raro no mercado de renda fixa? Os yields deram uma meia disparada, será que foi a declaração do diretor do BC?

    Abs,

    Miguel

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Sim, foi por conta das declarações do diretor do BC. Muitos estão (ou estavam até semana passada) acreditando que o ciclo de aperto monetário será finalizado com a taxa Selic em 9,25%. Com esta indicação reforçada (na verdade está mantendo a mesma linha/indicação desde o Relatório de Inflação) do Hamilton, alguns passaram a acreditar que a taxa Selic ficará mesmo em 9,50% e com isso os juros futuros reagiram pra cima.

      Abcs, bons investimentos

      Excluir
  6. Olá Fi, vc menciona condições técnicas para continuar esta perna de alta, por outro lado os fundamentos são mínimos ao meu ver, estas subidas rápidas pegam muitos vendidos e novatos de surpresa dai a correria para fechar posições e a sardinhada imaginando fundo do poço quando na realidade grandes players aguardam o momento de agir;
    Bom, tecnicamente o Ibov pode chegar até os 52K e testar a Ltb principal, caso não consiga esta proeza teremos um claro sinal da forte tendência de baixa estabelecida;
    Ivan

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Exato. Não há respaldo/segurança dos fundamentos para manutenção de posições compradas. Mas as condições técnicas estão ótimas e não dá pra desperdiçar uma oportunidade dessas. Na minha opinião estamos no melhor ciclo para position desde o topo histórico. O mercado já subiu 15% desde os 44.1k e não está emitindo sinais de que esta alta chegou ao fim. Quando o mercado resolver reverter nós mudamos de lado novamente. Mas acho (chute) que isso ainda vai demorar.

      Abcs, bons trades

      Excluir