terça-feira, 27 de agosto de 2013

Mercado busca proteção na iminência de um ataque às forças Sírias


O clima de aversão ao risco tomou conta das principais praças financeiras mundiais nesta terça-feira. A possibilidade de uma ação militar dos Estados Unidos contra a Síria aumentou significativamente após as declarações de John Kerry, secretário de Estado norte-americano.

Kerry disse que “a evidência de um imenso ataque químico mortal na semana passada é inegável e acusou o governo da Síria de tentar ocultá-lo”. Estima-se que um ataque das forças ocidentais pode acontecer ainda esta semana, limitada a bombardeios em alvos estratégicos.

A iminência de um ataque às forças Sírias levou investidores a fugirem de aplicações mais arriscadas no mercado financeiro (aversão ao risco) e, consequentemente, os índices acionários cederem de forma generalizada no mundo inteiro. Como de costume, em momentos de tensões geopolíticas, o mercado normalmente busca proteção em Treausires (títulos públicos do Tesouro norte-americanos), metais (principalmente ouro e prata) e no dólar.

A forte procura por Treasuries provocou uma redução nos Yields (taxas de juros) dos títulos norte-americanos nesta terça-feira. Este movimento, benéfico para o governo, não atingiu os Yields dos títulos de países emergentes, pois o mercado está buscando proteção e segurança, o que não é o caso dos títulos de baixo rating (ou de risco elevado, comparando-se com os Treasuries ou títulos AAA) ofertados pelos países emergentes.

É, também,  por este motivo que as ações negociadas em mercados emergentes acabam sofrendo mais do que as ações negociadas em mercados desenvolvidos.

O clima de aversão ao risco contribuiu para aumentar a força do movimento de correção iniciado no dia anterior, provocando uma queda de 2,60% no índice Bovespa somente nesta terça-feira.

O mercado retornou rapidamente para a linha de suporte na região dos 50k. O segundo marubozu de baixa consecutivo sugere que esta referida zona de suporte dificilmente conseguirá segurar a pressão vendedora nos próximos pregões. Isso significa que o índice Bovespa poderá testar novamente a LTA formada na região dos 44.1k.


A tendência de alta de curto prazo estará ameaçada, ou poderá ser finalizada, caso a pressão vendedora consiga jogar o Ibovespa para abaixo da região de suporte dos 47.2k, com a formação de um pivot de baixa.

Nos Estados Unidos o índice Dow Jones cedeu 1,14%. A fraca linha de suporte dos 14.9k não conseguiu segurar a pressão vendedora. Um novo pivot de baixa foi acionado com um candle de força relevante, sugerindo que o mercado poderá retornar aos 14.5k.
  

Os mercados também cederam na Europa. A bolsa de Milão (Itália) perdeu 2,34%. Na Espanha, a bolsa de Madri caiu 2,96%. Na França, a bolsa de Paris recuou 2,42%. Na Alemanha, a bolsa de Frankfurt cedeu 2,28%. Na Inglaterra, o principal índice da bolsa de Londres caiu 0,79%.

Além da fuga para ativos seguros, os investidores aproveitaram para comprar contratos futuros do barril de petróleo. Normalmente o preço da commodity sobe quando o clima de tensão aumenta no oriente médio e recua algumas semanas/meses depois, após a poeira ter abaixado. Na Inglaterra o barril do Brent subiu 3,2%. Nos Estados Unidos o barril do Light avançou 2,91%, aproximando-se da máxima de 2012.

Deve-se ressaltar que o impacto de uma ação militar na Síria é relativamente pequeno, devido à irrelevância econômica, já que o País está praticamente devastado pela guerra civil dos últimos anos, além das sanções impostas pelos países ocidentais, bem como da Liga Árabe.

A principal preocupação neste conflito com a Síria está relacionada à deterioração das relações entre os países ocidentais e da Liga Árabe com o Irã, o que por sua vez realimenta o cenário de incerteza e imprevisibilidade geopolítica na região.

6 comentários:

  1. Agora essa guerra para criar mais confa...

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Sim, mas é uma "guerra" (entre aspas mesmo), pois na verdade o que deverá acontecer é apenas uma ação militar curta e rápida. Algo que poderia ser entendido como "tiro de advertência" ou "punição" pelo uso de armas químicas.

      Abcs, bons negócios

      Excluir
  2. É sempre bom ter em mente uma coisa: Quem manda no sistema é o fluxo do dinheiro. Por mais medidas que o governo adote, o dinheiro sempre irá correr para o lugar onde há mais lucros ou mais seguro. Abrs FI.

    Z

    ResponderExcluir
  3. FI e quanto ao limite da divida americana que seria alcançada em setembro esse assunto ja foi resolvido? porque na midia nao tem nenhuma informaçao. abraços

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Ainda não foi resolvido. A projeção do Tesouro era de alcançar o limite de endividamento já neste mês de setembro, mas a retomada do crescimento nos Estados Unidos elevou as receitas tributárias, dando mais tempo ao governo. A nova projeção do Tesouro aponta que o limite de endividamento será alcançado em meados do mês de outubro.

      Abcs, bons negócios

      Excluir