terça-feira, 17 de setembro de 2013

Consequências de um estardalhaço ignorante


Cansada de fazer tanto estardalhaço e não ser ouvida pela comunidade internacional (com exceção dos companheiros bolivarianos), a presidente Dilma Rousseff decidiu adiar nesta terça-feira a visita de Estado que faria a Washington em outubro deste ano.

O Palácio do Planalto emitiu um comunicado explicando que o cancelamento da viagem é consequência da insatisfação do governo brasileiro diante da “ausência de tempestiva apuração do ocorrido, com as correspondentes explicações e o compromisso de cessar as atividades de interceptação".

A Casa Branca confirmou o cancelamento da visita dizendo que o governo norte-americano entende e lamenta as preocupações que supostas atividades de inteligência dos Estados Unidos geraram no Brasil.

A que ponto chegamos. Por que será que o governo brasileiro prefere acreditar num ex-agente terceirizado da NSA refugiado na Rússia, num jornalista notadamente antiamericano ou mesmo nas reportagens extremamente sensacionalistas da TV Globo do que na diplomacia entre os dois países?

Causa certo espanto observar tamanho estardalhaço feito pelo governo brasileiro. A prática de coleta e troca de informações é bastante comum, quase todos os países no mundo possuem serviços de inteligências a serviço do governo. O Brasil também possui a sua agência, chama-se ABIN (Agência Brasileira de Inteligência). Questionamentos entre governos com relação aos serviços de inteligência de outros países são relativamente comuns. Os Estados Unidos durante anos cobram posturas contra a espionagem chinesa, russa e até mesmo alemã, mas nem por isso as relações entre estes países foram afetadas.

Além disso, desde 1999 os agentes americanos têm autorização expressa do governo brasileiro para atuar sob cobertura diplomática contra ações do terrorismo internacional e do narcotráfico. E não são somente agentes da CIA, mas sim da NSA e também do FBI. Para completar, tanto a Polícia Federal do Brasil, como também a ABIN, recebem colaborações de inteligência por parte dos diversos órgãos de espionagem dos Estados Unidos.

Não faz o menor sentido a presidente Dilma criar todo este escarcéu diante das condicionantes relacionadas no parágrafo anterior. O Brasil é beneficiário da espionagem feita pelos americanos e há troca regular de informações. Ademais, considerando o fato dos problemas políticos nas fronteiras brasileiras, percepções que diversas células terroristas e do narcotráfico estejam localizadas nesta região, corrupção significativamente elevada e o estreitamento da relação com os governos bolivarianos, acabam tornando o Brasil um ambiente propício para o desenvolvimento da espionagem americana.

A lamentável postura do governo brasileiro levanta a hipótese de que os nossos políticos estão, mais uma vez, utilizando os acontecimentos para outras finalidades. Mas qual seria o motivo por trás do trabalho de desinformação contra a sociedade brasileira?

Os casos de espionagem do governo roubam a atenção do público num momento em que o processo do mensalão corre risco de virar pizza, a inflação volta a subir e a economia torna-se a retrair. Os casos de espionagem da Petrobras roubam a atenção do público num momento em que a companhia, “orgulho do povo brasileiro”, sofre com a política de preços dos combustíveis, endividamento elevado, dificuldade de caixa, além, é claro, das inúmeras suspeitas de corrupção.

Mais uma vez o povo brasileiro vai pagar um preço alto para o governo sustentar sua ideologia e permanecer no poder. Se não queremos visitar os Estados Unidos para tratar de negócios com a maior potência mundial, em pleno processo de retomada do crescimento, o problema é todo nosso. Existe uma fila de países mundo afora interessados em visitar os Estados Unidos e aproveitar este espaço criado na agenda de Obama.

Os Estados Unidos já demonstraram estarem abertos a novas parcerias comerciais. Há poucos meses atrás fecharam um acordo multilateral de extrema importância com os europeus. E nós? Perdemos mais uma oportunidade. Grande parte das potências mundiais e países emergentes avançaram em novos acordos comerciais nos últimos anos, enquanto isso o Brasil continua apenas trocando ninharias no enfraquecido, e quase esquecido, Mercosul.

No mercado de capitais o índice Bovespa fechou o pregão em alta de 0,84%, voltando a se aproximar da média móvel simples de 200 períodos diária.


Nos Estados Unidos o índice Dow Jones fechou em alta de 0,23%, também sem apresentar novidades. A decisão do FED (Federal Reserve – Banco Central dos Estados Unidos), a ser divulgada na tarde de amanhã, atuará como principal driver direcional dos mercados.


27 comentários:

  1. Boa noite FI.
    Eu imagino que quanto mais se esteja fazendo algo errado, maior a reação contra quem está erguendo os tapetes e abrindo as gavetas. Claro que ninguém gosta de ser bisbilhotado, mas convenhamos, rasgar um bilhete premiado é muita estupidez e é exatamente o que o sr. Lula mandou a Dilma fazer.
    Eles ainda acham que são gente grande, desde os ensinamentos à comunidade Europeia, até os puxões de orelha no presidente mais orelhudo que os EUA já tiveram rsrs. E o pior é que para satisfazer uma vaidade pessoal, só uma nação inteira paga o preço. Que beleza!
    Abraços.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Sábias palavras meu caro!

      Abcs, bons investimentos

      Excluir
  2. Esse país vai pegar fogo em 2014. Se essa mulher for reeleita não sei como serão os próximos 4 anos. Essa decisão de não ir aos EUA já deve ter sido tomada antes da reportagem do FANTASTICO ir ao ar, se é que me entende...

    Acho que se houver algum bull market na bovespa, vai ser mais por condições externas / preços das ações no Brasil mais depreciadas do que qualquer outra coisa. E, corrija-me se estiver errado, acho que as ações hoje não estão tão baratas assim.

    Abs,

    Miguel

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Sim, dá pra entender perfeitamente. Exato. No patamar atual, com os fundamentos atuais, a bolsa brasileira não está tão barata. Pelo contrário, começa a ficar cara perto dos 60k levando em consideração a permanência dos fundamentos atuais das empresas. A perspectiva é de leve melhora nestes fundamentos por conta da retomada do crescimento global e do cenário de cambial.

      Abcs, bons negócios

      Excluir
  3. sou a favor do cancelamento, se a espionagem excessiva fosse o contrário os states bombardeava o Brasil,
    se ela aceitasse também reclamariam, vcs devem sofrer da síndrome de vira latas.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. deixe sua opinião na boa, mas sem agressividade. Opiniões diferentes são ... opiniões diferentes, só isso.

      Excluir
    2. Partindo deste ponto de vista o mundo já teria acabado há muito tempo rss.. Os Estados Unidos é o país mais vigiado do mundo. Quem é que não vai querer saber o que se passa na maior economia mundial? Isso é normal, mas nem por isso o governo norte-americano fica fazendo este estardalhaço todo. Pelo contrário, há troca de informações entre governos aliados/parceiros comerciais.

      Abcs, bons negócios

      Excluir
  4. "Não faz o menor sentido a presidente Dilma criar todo este escarcéu diante das condicionantes relacionadas no parágrafo anterior."

    Desculpa, mas faz todo o sentido. O Brasil é, quer queiram quer não, o maior ou um dos Países mais corruptos do mundo.
    Imagina só, você, que está no seu canto desviando verbas de tudo quanto é lado e descobre que o seu vizinho do lado anda a te espionar....

    Você irá fazer uma tempestade num copo d'água tal e qual esse governo anda fazendo... Afinal, a grande dúvida, a meu ver, é: O que será que realmente o governo norte-americano já sabe sobre o governo brasileiro? Será que descobriram o suficiente para fazer algum tipo de chantagem em futuros "contratos"?


    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Devem ter o numero da conta dela na suiça já, junto com a do sapo barbudo!

      Excluir
    2. Exato. Bem observado. Apenas uma ressalta, essa frase foi colocada propositalmente. Não faz sentido fazer todo este escarcéu partindo do pressuposto que os agentes americanos têm autorização expressa do governo brasileiro e nós mesmos recebemos algumas informações coletadas pelos órgãos de espionagem dos Estados Unidos.

      Abcs, bons negócios a todos!

      Excluir
  5. FI,

    Mais um post excelente!

    Um ponto que causa estranheza é o fato de que se o governo brasileiro está realmente tão preocupado com a suposta espionagem, por que não intimou o tal repórter Glenn Greenwald a depor em Brasília e entregar toda a documentação restante? Na realidade, isso é tudo cortina de fumaça!

    Honestamente, os tais documentos apresentados nas reportagens eram tão mal feitos e não revelaram nada que me questiono se são reais!

    Abs.,

    Igor

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Boa pergunta Igor. Isso os repórteres não peguntam. Também reparei isso quando vi a reportagem. Imagens embaçadas e de baixa qualidade, é muito fácil forjar documentos assim. E o pior, partindo de uma fonte tendenciosa/duvidosa.

      Abcs, bons investimentos

      Excluir
  6. De certa forma achei coerente a atitude da presidente nessa situação, acho que o que pesou mais foram as evidências de espionagem na rede privada da Petrobras, o que poderia beneficiar empresas americanas e dar informações privilegiadas sobre os leilões dos blocos de exploração. O prejuízo político que ela iria sofrer indo até lá fazer cena com o Obama sem que os EUA fizessem qualquer tipo de retratação sobre o caso seria pior pra ela.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Petrobras é uma empresa de capital aberto listada em bolsa e, portanto, tem o dever de prestar informações ao mercado. As informações que os americanos tem da Petrobras é a mesma que você consegue na Bovespa, acessando o site da empresa ou lendo os balanços. Partindo deste ponto de vista, e levando em consideração que a reportagem não mostrou ou provou nada que esteja relacionado à informações restritas/segredos da empresa, todos que leram os balanços da empresa, acompanham notícias e fatos relevantes divulgados ao mercado são considerados espiões também rss. O que a mídia fez é simplesmente ridículo.

      Outro ponto interessante a ser observado é que as empresas não guardam os seus segredos ou informações relevantes em rede. Este tipo de informação é armazenada num ambiente protegido e extremamente seguro (pense num cofre), completamente desconectado de qualquer rede, onde a informação só pode ser acessada fisicamente.

      Abcs, bons investimentos

      Excluir
    2. Mas acho que o que mais pesou foi que o Obama não fez nenhuma declaração oficial pra apaziguar a situação. Se ele tivesse se pronunciado e dado algum tipo de retratação o cenário para a viagem seria mais favorável politicamente.

      Excluir
    3. No meu ponto de vista o posicionamento do Obama está correto. Não desmente os fatos (assumindo a espionagem, de forma geral) e ao mesmo tempo evita estender demais no assunto, minimizando a polêmica. Esse tipo de atividade é bastante comum. Criou toda esta polêmica aqui pois as reportagens na TV foram muito bem trabalhadas para causar exatamente este efeito. A verdade é que não existe um País relevante no mundo que não possua um serviço de inteligência.

      Abcs,

      Excluir
  7. NÃO MUDA EM NADA A VISITA OU NÃO, POR FAVOR EXEMPLIFIQUE QUAIS ACORDOS SERIAM FEITOS, É OBVIO QUE EUA SE APROXIMARÁ DA EUROPA OCIDENTAL PORQUE O ALVO É O ORIENTE MEDIO, PETROLEO DA PETROBRAS ??? OBAMA ESTÁ DANDO RISADA DA CARA DA DILMA, E QUANDO ELE QUISER, BRAZIL ESTARÁ SEMPRE AQUI DE PORTAS ABERTAS A PREÇO DE BANANA, NÃO DEVIDO AOS POLITICOS E À CORUPÇÃO PORQUE ISSO É UMA REDUNDANCIA, MAS DEVIDO AO MERCADO AMIGOS.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Está escrito no próprio comunicado do Planalto:

      "[...] cooperação em áreas tão diversas como ciência e tecnologia, educação, energia, comércio e finanças, envolvendo governos, empresas e cidadãos dos dois países."

      Abcs,

      Excluir
  8. "Por que será que o governo brasileiro prefere acreditar num ex-agente da CIA "

    O Snowden era terceirizado da NSA e não ex-agente da CIA.

    Um dos raros posts em que discordo da sua analise FI. O problema todo é que os dados vazados estão sendo liberados aos poucos em conta gotas. Ninguém sabe o que ainda vai ser revelado e, ao contrário do que foi dito aqui, os documentos parecem verdadeiros e sequer tiveram sua autenticidade questionada pelos EUA. Na posição da Dilma (que está tendo um desempenho pífio como presidente diga-se de passagem) também cancelaria a viagem, não por retaliação, mas para se evitar o risco de um constrangimento ainda maior caso alguma verdade cabeluda apareça durante sua visita ao Obama.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Exato. Vou fazer a correção. Obrigado! Não vejo constrangimento muito grande pois as informações disponibilizadas até agora não revelam o que, especificamente, foi levantado pela NSA. Se divulgarem uma conversa telefônica da presidente, neste caso sim a situação seria outra. O adiamento desta visita prejudicou um trabalho de quase 3 anos no processo de reaproximação do Brasil com os Estados Unidos. Nem o Lula, em seus 8 anos de governo, conseguiu (ou não teve interesse) agendar uma visita deste tipo (mais conhecida como vista de Estado) nos Estados Unidos.

      Abcs, bons investimentos

      Excluir
  9. E por que a mídia, pró-embargos infringentes, quereria mudar o foco, senhor? Alguma coisa não fecha, pois a corrente hegemônica que define o que é certo e errado neste país está empenhada em enfocar exatamente o STF, encurralando o Ministro que ainda votará.

    Os argumentos de ambas as correntes são extremamente defensáveis.

    A devassa dos dados e informações, quando ultrapassa os termos de acordos bi ou multilaterais, afronta a soberania dos países. Esses países possuem uma Constituição, que não pode ser derrogada por conveniência de qualquer político, tampouco permitir que nações poderosas ajam de seu próprio talante para invadir sigilo de comunicações. Os brasileiros ainda não se perceberam da transcendência desse valores constitucionais.

    Os que denunciaram os excessos dos norte-americanos acreditavam exatamente na força coercitiva de princípios constitucionais positivados que caracterizam a democracia. Ela não pode ser relativizada nos outros países sempre que os interesses americanos desejam ser garantidos e expandidos.

    Ela tem de ser respeitada em sua inteireza, pois assim iguala países na medida de suas desigualdades.

    Os EUA sempre intervieram para - com pretexto de melhorar a qualidade de vida do mundo e de fortalecer o que eles passaram a definir como democracia - estabelecer as bases sobre as quais esse mundo deve viver, sob pena de sofrer retaliação militar ou ter sua soberania cada vez mais enfraquecida.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Você levantou uma questão importante. Até que ponto os serviços de inteligência podem avançar, sob a justificativa da segurança e combate ao terrorismo/narcotráfico/contrabando/entre outros, que não seja considerado uma violação de soberania dos países? Ou mesmo o que pode ser considerado um excesso dos norte-americanos se não temos o conhecimento do tipo de informação levantada? E por fim, será que o Brasil possui um sistema eficiente de contra-espionagem? Proibir a prática de espionagem é uma utopia. Tanto governos considerados "vilões", quanto governos considerados "mocinhos" praticam espionagem. Se o nosso sistema é falho/vulnerável temos um grande problema em nossas mãos para ser resolvido o mais rápido possível. Não adianta reclamar para que ninguém mais venha nos "bisbilhotar". Se alguém conseguiu acessar nossas informações, outros também conseguirão.

      Abcs, bons negócios

      Excluir
  10. Discordo dessa sua análise, FI.
    Salvo engano, os agentes tiveram acesso aos estudos realizados pela Petrobrás sobre a capacidade dos poços, por exemplo.
    Eles teriam, então, acesso a lista dos campos mais produtivos, por exemplo. Isso dá uma vantagem mto grande em uma licitação.
    A própria carta do embaixador, divulgada pelos antiamericanos, denota que os caras entraram em uma reunião devidamente preparados com as respostas para as questões brasileiras.
    É como se eles jogassem poker sabendo as cartas dos adversários.
    Claro que se as informações buscadas fossem as mesmas divulgadas pelas empresas listadas em bolsa, não seria necessária a criação de todo o aparato dessa agência deles, né?
    Portanto, nada mais natural o governo repudiar tal situação.
    E, por mais que eu seja contrário à política econômica atual, não creio que o cancelamento da viagem altere alguma coisa...afinal, na agenda da presidente não tinha nenhuma previsão de acerto comercial com os yankes.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Veja esta notícia saiu hoje:

      CEO da Petrobras diz que só ela e diretor conhecem estratégia para Libra
      http://br.reuters.com/article/topNews/idBRSPE98H02K20130918


      Agora esta notícia que saiu ontem:

      Dados da ANP sobre áreas de petróleo não são acessados na internet, diz Magda
      http://br.reuters.com/article/topNews/idBRSPE98G03P20130917


      Com relação ao adiamento infelizmente seremos prejudicados sim. Visita de Estado é bem diferente de qualquer outro tipo de visita governamental. Demanda uma equipe muito grande entre os dois governos para planejamento dos assuntos a serem discutidos, há envolvimento maciço de entidades empresariais, etc. É o tipo visita que você faz para selar acordos, anunciar novas parcerias, investimentos em vários setores, entre outros. O próprio comunicado do Planalto ressaltou isso. Para se ter uma ideia, os Estados Unidos só abrem espaço para dois tipos de visita deste porte (visita de Estado) por ano.

      Abcs, bons negócios

      Excluir
  11. Parabens pelas brilhantes análises, tanto do mercado nacional como o mundial.

    Acompanho sempre o blog e aprecio muito suas análises. Elas mostram com clareza e isenção quais são as pespectivas para o investidor, tanto da renda fixa como da renda variável.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Obrigado zeziton! Faço o possível para ajudar com um pouco do que sei sobre os mercados.

      Abcs, bons negócios

      Excluir
  12. Agradeço a participação de todos nos comentários, especialmente aos amigos que apresentaram opiniões divergentes, enriquecendo ainda mais o debate. Creio que todos nós acabamos aprendendo alguma coisa com tudo isso.

    Parabéns a todos vocês!

    ResponderExcluir