sexta-feira, 20 de setembro de 2013

Mercado sinaliza reversão


Num dia marcado pela agenda macroeconômica vazia, as declarações de dois diretores regionais do FED (Federal Reserve – Banco Central dos Estados Unidos) acabaram ganhando grande repercussão nos mercados.

O presidente do FED de St. Louis, James Bullard, afirmou em entrevista à Bloomberg que uma redução, a partir de outubro, no volume do programa de estímulo monetário do Banco Central norte-americano é perfeitamente possível, desde que os resultados de novos dados econômicos surpreendam positivamente.

As declarações de Bullard voltaram alimentar novas especulações com relação à próxima reunião de Comitê do FED, a ser realizada nos dias 29 e 30 de outubro. A forma como notícia foi divulgada induziu os investidores a apostarem na possibilidade dos estímulos monetários serem reduzidos no mês de outubro, destoando-se, mais uma vez, da comunicação oficial da autoridade monetária. A parte mais relevante, de que este fato está condicionado à melhora, acima do esperado pelas projeções do FED, nos indicadores econômicos, não foi digerida pelo mercado. Portanto, há uma grande possibilidade de que o programa de estímulo monetário será mantido no mês de outubro.

Já a presidente do FED de Kansas City, Esther George, afirmou, novamente, que vê progressos substanciais no mercado de trabalho e que a decisão do FED, em manter o atual ritmo das medidas de estímulo, criou confusão e desconexão. Apesar de auferir grande repercussão na mídia, Esther George carrega uma postura radicalista, ideológica e solitária entre os membros com poder de voto dentro do Comitê. A presidente do FED de Kansas City sempre votou contra a política monetária dos Estados Unidos neste ano. Os demais nove membros do Comitê possuem uma postura contrária e pensam de forma bem diferente.

Mas o fato é que os mercados fecharam a semana sinalizando reversão técnica. Nos Estados Unidos o índice Dow Jones soltou uma estrela cadente colada na máxima histórica, sugerindo novas quedas para as próximas semanas. A força vendedora poderá aumentar ainda mais com a perda dos 15.3k.


Na Alemanha o índice DAX fechou a semana em alta, rompendo a máxima histórica. O movimento de reversão atingiu as praças europeias em menor intensidade, devido ao descolamento de horário com Wall Street.


A bolsa do México também fechou a semana mostrando uma estrela cadente de pavio longo superior relevante. A sinalização sugere que novas quedas poderão aparecer nas próximas semanas.


Na Índia a bolsa de Bombay fechou a semana em alta, colada aos 20.2k. A sinalização do pavio longo superior do candle mostra contra ataque da força vendedora sobre a tentativa de rompimento da linha de resistência em 20.2k.
  
  
Na China a bolsa de Xangai fechou a semana em baixa, marcando topo em 2.273 pontos, sinalizando que o índice poderá retornar para a linha central de bollinger.


No Brasil o índice Bovespa fechou a semana com uma estrela cadente indicando topo na região dos 56k. Mercado trabalha em tendência de baixa de curtíssimo prazo e poderá retornar ao suporte dos 52.9k. Apesar da formação de reversão de curtíssimo prazo, a tendência de alta de curto e médio prazo permanece inalterada.


Desejo a todos vocês um ótimo final de semana!

13 comentários:

  1. FI,

    Que novela essa, e o desfeche fica para os comentários da Miriam Leitão na globo!

    Enquanto isso, os yields dos titulos continuam oscilando. Vamos ver se na próxima reunião do Copom já vem alguma sinalização do fim do ciclo de alta para dar alguma estabilidade no tesouro nacional.

    Abs.

    Miguel

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. * correção, desfecho.

      Abs.

      Excluir
    2. Sim, tão importante quanto a próxima reunião do Copom vai ser a divulgação do Relatório de Inflação do Banco Central no final deste mês. Vamos acompanhando.

      Abcs, bom sábado!

      Excluir
  2. Grande FI! Como vai?

    Eu vendi WINV13 a 54.800, no topo de um canal de alta do diário, com stop gain na região dos 52.000 e loss em 55.700. Também acredito em uma realização próxima. Mas como estou começando, foi só 1 contrato para efeito de aprendizado. Como avalia a operação?

    Um abraço e sucesso!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Tudo bom Troll?

      Boa venda. Sim, o índice já está trabalhando uma correção (curtíssimo prazo). Mas achei o seu target muito longo para uma operação curta, levando em consideração que o posicionamento no trade é contrário à tendência principal (curto e médio prazo). Pra chegar nos 52k o índice vai ter que romper duas zonas de suportes relevantes (52.9k e 52.4k).

      Abcs, bons trades

      Excluir
    2. Bom, mas estou com um stop de 900 pts. Se eu for reduzir o target, então seria o cado de também ter um stop mais curto? Estou achando o win muito volátil para trabalhar com stops mais curtos. O que acha?

      Excluir
    3. Exatamente. Na verdade pra especular contra tendência acho mais viável operar com tragets bem curtos, consequentemente o stop acaba sendo curto também, caso contrário a operação torna-se inviável (risco x retorno). São normalmente operações de lucro pequeno mesmo. Já para especular a favor da tendência principal o mercado já permite trabalharmos com tragets e stops mais longos. Sim, a volatilidade é muito alta. É por isso que eu não utilizo futuros. Prefiro especular no índice operando BOVA11.

      Abcs,

      Excluir
  3. Fazendo Hedge é Troll?
    Aprendeu com o RW né, kkkkkkkk

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Boa sacada, mas não se trata de hedge não... rs

      Excluir
  4. FI, você não acha que o cenário americano ainda é irrelevante para a SELIC? Pra mim a SELIC continua tendente a 9,75% aa, pois era esta a tendência antes da bagunça com o dólar.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. No que se refere ao curto prazo, sim. A política monetária brasileira está tentando eliminar/suavizar os impactos causados pela situação do nosso cenário doméstico. O mercado futuro reage de forma exagerada em alguns momentos, mas isso é perfeitamente natural. Mas no que se refere ao médio prazo, não. O FED deverá subir a taxa básica de juros a partir de meados de 2015, reagindo ao processo de retomada da inflação global (consequência da retomada econômica). Bancos Centrais dos demais países, inclusive o nosso, também deverão adotar uma postura semelhante, o que no nosso caso significa que deveremos passar por um novo ciclo de aperto monetário em 2015/2016.

      Abcs, bons investimentos

      Excluir
  5. Bom dia!

    James Bullard faz parte da cupula ou é só mais um do contra?

    Abração
    Ricardo

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Boa tarde Ricardo,

      É membro do Comitê e tem poder de voto. Ele disse isso por conta da pergunta que fizeram. Possibilidade de redução existe. Mas desde que os resultados de novos dados econômicos surpreendam positivamente o FED, o que provavelmente não deverá acontecer até outubro.

      Abcs, boa semana

      Excluir