terça-feira, 24 de setembro de 2013

Sinal amarelo no BNDES


Os investidores estrangeiros ainda demonstram certa preocupação com o mercado brasileiro. Um dos (novos) motivos está relacionado à carteira de crédito do BNDES (Banco Nacional do Desenvolvimento Econômico e Social) que tem aumentado de forma expressiva nos últimos anos em meio ao cenário de baixo desempenho da economia. Somente na gestão de Luciano Coutinho, atual presidente da instituição, o volume de empréstimos concedidos pelo banco estatal mais do que triplicou.

Como parte da estratégia de política econômica do governo federal, os bancos estatais estão emprestando seis vezes mais do que os bancos privados. Com o desequilíbrio de crescimento da carteira de crédito entre bancos públicos e privados, subentende-se que partes dos financiamentos concedidos pelos bancos estatais estejam caindo em setores improdutivos ou negócios de baixa lucratividade, onde costumam ser rejeitados pelas mesas de operações dos bancos privados.

Este cenário não é dos melhores, pois além de estimular setores/empresas improdutivos (as) na economia, o BNDES acaba anulando, parcialmente, o efeito contracionista causado pelo ciclo de aperto monetário do Banco Central (que atua na outra ponta, na tentativa de restringir o crédito na economia) e pior, com recursos do Tesouro Nacional, provocando aumento na dívida bruta do Brasil.

Na tentativa de colaborar para suprir parte desta grande necessidade de caixa, o BNDES decidiu fazer uma captação no exterior (a última operação deste tipo foi realizada em 2009) e levou um baita revés do mercado. O banco estatal pagou um prêmio de 3 pontos percentuais acima dos Treasuries de 10 anos (títulos do Tesouro norte-americano) para captar apenas 1,25 bilhão de dólares.

O prêmio (taxa) é cerca de 0,50 pontos percentuais maiores do que os investidores pedem por títulos corporativos de mercados emergentes com rating BBB. Para efeito comparativo, a Petrobras, com um nível de endividamento elevado, captou 3,5 bilhões de dólares em 13 de maio deste ano pagando um prêmio 2,6 pontos percentuais acima dos Treasuries.

O governo nem se deu ao trabalho de comentar/justificar ao mercado o prêmio mais elevado pago pelo banco estatal para conseguir captar pouco mais de um bilhão de dólares no exterior. Mas a verdade é que o BNDES recebeu um sinal amarelo do mercado. Este prêmio revela o descontentamento dos investidores com relação à condução da política econômica brasileira, baixa credibilidade do governo, endividamento elevado do próprio banco e, por fim, na impossibilidade de confiança na política fiscal.

No mercado de capitais o pregão desta terça-feira foi marcado por mais um dia de volume fraco nas principais bolsas de valores mundiais. Não houve alteração de cenário.

O índice Dow Jones continua corrigindo no curtíssimo prazo ainda sem apresentar sinalização de fundo ou reversão.


No Brasil o índice Bovespa cedeu 0,31%, mas ainda assim conseguiu se manter acima do piso formado na região dos 54k. A média móvel simples de 200 períodos diária perdeu relevância, já que os preços estão congestionados nesta região. O patamar dos 54k continua atuando como divisor de águas de curtíssimo prazo.


21 comentários:

  1. Show de bola o Post ! Nem perco mais meu tempo, Lendo notícias por aí rsrsrs

    Z

    ResponderExcluir
  2. FI,

    Excelente post! Muito informativo!

    Obrigado,

    Igor

    ResponderExcluir
  3. ENTÃO ERA ISSO QUE ESTAVA NOS BASTIDORES DAQUELE DISCURSO LINDO DA DILMA SOBRE A SOBERANIA ! BRASILEIRA

    ResponderExcluir
  4. FI

    Sou leitor assíduo do blog, gosto bastante da sua exposição e linguagem fácil.

    Sei da correria do dia a dia de todos nós, mas seria interessante fazer um vídeo de 3 ou 5 minutos no máximo, pra abrir a semana com suas análises e perspectivas...fica a dica.

    Forte abraço
    AgroInvestidor

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Obrigado AgroInvestidor,

      Sua ideia é boa, só falta tempo mesmo rsrs.. Mas está anotado.

      Abcs, bons investimentos

      Excluir
  5. Você não acha que estamos vivendo uma bolha de crédito? Se esse negócio estourar vai afetar uma porção de ativos, em especial os imóveis!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Acho que a China está passando por uma bolha no crédito. O Brasil não, apesar dos desembolsos volumosos do BNDES. Pode causar um stress, mas restrito e contornável. Felizmente os bancos privados tem bastante market share aqui no Brasil e são monitorados de perto pelo BC, fato que deixa o crédito, no geral, um pouco mais "responsável", minimizando risco de estouro de inadimplência no sistema financeiro. O mercado imobiliário está sobrevalorizado em algumas regiões. Mas não há suspeita de bolha. Tanto é que o Banco Central nem trabalha com este cenário. Na China, por exemplo, o Banco Popular reconhece o risco de bolha no segmento imobiliário. No Brasil ocorreu apenas um excesso de valorização num curto espaço de tempo, este movimento corrigiu o período durante quase toda a década passada onde os preços dos imóveis mal conseguiam subir acima da inflação. Esta correção gerou outro excesso, que deverá ser novamente corrigido nos próximos meses/anos. Bem parecido com os exageros nas taxas de juros futuros. O mercado exagera em alguns momentos, mas sempre corrige logo depois. Correção nos preços é bem diferente de estouro de uma bolha. Mas o que tem de economista por aí dizendo que "a bolha estourou" só porque alguns indicadores começaram apontar quedas nos preços não é brincadeira rsrs..

      Abcs, bons negócios

      Excluir
    2. "No Brasil ocorreu apenas um excesso de valorização num curto espaço de tempo, este movimento corrigiu o período durante quase toda a década passada onde os preços dos imóveis mal conseguiam subir acima da inflação."

      Isso É bolha. Imóveis a longo prazo apenas acompanham a inflação.
      Correção é quando eles ficam muito tempo aumentando de preço abaixo da inflação.

      Essa sua frase é padrão em todos os países com imensas bolhas.

      Excluir
    3. Quem fala é o anônimo inaugural da pergunta. Continuando a linha de raciocínio sobre bolha, acredito que o BC jamais admitiria este problema, não acha? Não sei de nenhum caso de real state bubble onde o BC do país em questão tenha admitido. Talvez a China admita por causa da aparência completamente cristalina ao vermos cidades inteiras fantasmas que foram construídas.

      Excluir
    4. É porque este tipo de avaliação é raramente divulgado pela mídia, mas são discutidas nas reuniões de política monetária, apontadas nas atas e algumas vezes são adotadas certas medidas mitigadoras. Banco Central dificilmente utiliza estes termos nas confecções dos documentos (bolha, por exemplo), até mesmo para evitar aumento de tensão nos mercados. A linguagem é um pouco mais técnica, mas refere-se ao cenário em questão.

      Abcs, bons negócios a todos

      Excluir
  6. Olá FI.
    Sugestão: envie seu CV para a Dilma. Estaremos bem mais seguros.
    Abs.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Posso até enviar, mas acho que ela vai acabar fazendo aviãozinho com o meu currículo e mandar pela janela do Planalto rsrss...

      Obrigado!

      Abcs, bons negócios

      Excluir
  7. Respostas
    1. Eu é que agradeço pelo comentário!

      Abcs, bons investimentos

      Excluir
  8. Parabéns pelo blog! Encontrei há algumas semanas e tenho acompanhado diariamente, pelo bom conteúdo.

    Abs

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Obrigado amigo! Seja bem-vindo!

      Abcs, bons investimentos

      Excluir
  9. Parabéns pelo blog. Excelente conteúdo.

    Abraços

    ResponderExcluir