sexta-feira, 25 de outubro de 2013

Fechamento dos principais índices mundiais


Investidores e operadores brasileiros puderam observar nos últimos três dias um descolamento significativo do índice Bovespa com os principais índices de Wall Street. Apesar de sofrer grande influência com a volatilidade dos papéis das “empresas” X, o movimento de descolamento do Ibovespa em relação ao índice Dow Jones e/ou S&P500 não chega ao ponto de ser considerado uma distorção do mercado.

A queda do índice Bovespa seguiu o padrão de movimento observado nas demais praças emergentes. Nesta análise de fechamento dos principais índices mundiais teremos a oportunidade de observar que o mercado vendeu bolsas de países emergentes nesta semana e comprou bolsas de economias desenvolvidas.

Nos Estados Unidos o índice Dow Jones fechou em alta pela terceira semana consecutiva, sem apresentar novidades. A máxima histórica na região dos 15.7k deverá ser testada nas próximas semanas, com boas possibilidades de rompimento.


Na Alemanha o índice DAX também subiu pela terceira semana consecutiva, sem apresentar novidades. Não há resistências pela frente. Mercado em tendência de alta de curto, médio e longo prazo.


Em Londres, na Inglaterra, o índice FTSE avançou pela terceira semana consecutiva, aproximando-se da máxima histórica na região dos 6.8k. As características do movimento técnico também favorecem o rompimento nas próximas semanas.


Partindo para os mercados emergentes, a bolsa do México fechou em baixa pela segunda semana consecutiva, pressionada pela linha central de bollinger. Apesar da tendência de alta de longo prazo, o mercado segue fraco no curto prazo, sem encontrar forças para romper as barreiras mais próximas.


Na Índia a bolsa de Bombay ensaiou um teste na máxima histórica, mas acabou sentindo a pressão vendedora que dominou os mercados emergentes e cedeu na semana, voltando a se aproximar da antiga linha de resistência (agora suporte) dos 20.5k.
  
  
Na China a bolsa de Xangai fechou em forte baixa pela segunda semana consecutiva, voltando a se aproximar da linha central de bollinger (principal região de suporte de curto prazo).


O índice Bovespa também fechou a semana em baixa, apresentando o segundo candle de pavio superior relativamente relevante no gráfico semanal, bem abaixo da principal resistência de curto prazo (56.7k). O fechamento na mínima sugere manutenção da tendência de baixa de curtíssimo prazo para a próxima semana. Ainda não há sinalização de fundo ou reversão.


Com esta nova queda o índice Bovespa poderá restar a LTA dos 44.1k, onde o seu rompimento poderá enfraquecer a importante linha de suporte na região dos 51.9k. O movimento corretivo ainda não ameaça a tendência de alta de curto e médio prazo.

Desejo a todos vocês um ótimo final de semana!

3 comentários:

  1. Obrigado F.I ,para vc também!!

    ResponderExcluir
  2. ola FI saiu a noticia que ate o fim do ano entrara em votaçao no senado a proposta de independencia do BC o presidente e os diretores teriam mandato fixo de 6 anos o que acho um exagero mas pode ser que baixe para 4 anos de acordo com o presidente do senado. isso mudaria muita coisa na politica financeira do país? abraços

    ResponderExcluir
  3. Sim, é uma medida extremamente importante. Faz parte do processo de desenvolvimento do próprio sistema financeiro. O Brasil é um dos poucos países do mundo (entre os que trabalham com o regime de metas de inflação), cujo os diretores do BC não podem ter mandato fixo. Independente de ser 4 ou 6 anos, com a possibilidade de recondução, o importante é que a nomeação dos diretores ocorrerá em período diferente das eleições presidenciais, aumentando, desta forma, a autonomia do Banco Central (elimina a influência política e permite a condução de um trabalho que deve ser totalmente independente). Nos Estados Unidos, por exemplo, Bernanke assumiu o FED em 2006 e foi muito bem reconduzido em 2010. Permitiu a continuação de um excelente trabalho (Bernanke conseguiu evitar uma catástrofe financeira), totalmente independente da política. Neste caso 8 anos pode ser considerado um período prolongado, a partir do nosso ponto de vista, mas foi o que permitiu a manutenção da política monetária pelos melhores profissionais que haviam no mercado naquele determinado momento. O seu antecessor, Alan Greenspan, ficou no comando do FED por 18 anos.

    Abcs, boa semana!

    ResponderExcluir