quarta-feira, 18 de dezembro de 2013

FED muda o gatilho para elevar taxa básica de juros


O Comitê de Política Monetária do FED (Federal Reserve - Banco Central dos Estados Unidos) surpreendeu o mercado nesta quarta-feira ao anunciar o tapering (redução gradual no volume dos programas de estímulos monetários).

A partir do mês de janeiro, a autoridade monetária vai aumentar sua carteira de títulos lastreados em hipotecas ao ritmo de 35 bilhões de dólares por mês (em vez de comprar 40 bilhões de dólares por mês), e sua carteira de títulos do Tesouro de longo prazo a um ritmo de 40 bilhões de dólares por mês (em vez de comprar 45 bilhões de dólares por mês). Com isso, o volume total dos programas de estímulos monetários (Operação Twist e Quantitative Easing 3, respectivamente) reduziu para 75 bilhões por mês.

A decisão foi justificada pela notável melhora dos indicadores econômicos norte-americanos, no qual foram destacados na análise do dia 06 de dezembro de 2013 “Economia dos Estados Unidos está pronta para o tapering”.

Mesmo diante de uma sinalização significativa de avanço da economia, esperava-se pela manutenção temporária dos atuais programas de estímulos monetários do Banco Central por conta do nível elevado das taxas de juros futuros. O rendimento do título de 10 anos do Tesouro norte-americano continua muito próximo dos 3% ano e uma nova onda de volatilidade dos mercados (provocada pelo tapering, por exemplo), poderia alavancar ainda mais o rendimento dos títulos do tesouro, abortando a recuperação econômica.

Podia-se presumir que o Banco Central utilizaria esta reunião do mês de dezembro para preparar o mercado para o tapering, eliminando (quase totalmente), assim, a possibilidade de novas elevações nas taxas de juros futuros. Mas o FED decidiu correr o risco e fazer tudo de uma só vez: mudou o seu comunicado para acalmar o mercado e anunciou o tapering.

A estratégia é diferente daquilo que se imaginava, mostrando, portanto, que a minha análise estava errada. A surpresa é positiva e pode funcionar, já que os diretores do Comitê fizeram uma alteração extremamente relevante no comunicado, derrubando as especulações/incertezas de curto/médio prazo quanto ao futuro da taxa básica de juros.

Anteriormente o FED destacava em seus comunicados ao mercado o compromisso de manter a Federal Funds Rate (taxa básica de juros nos Estados Unidos) entre zero e 0,25% até a taxa de desemprego atingir os 6,5%, pelo menos. Este compromisso mudou. Agora o Banco Central pretende manter a Federal Funds Rate entre zero e 0,25% “bastante tempo depois" que o índice de desemprego chegar aos 6,5%.

A mudança é expressiva e tem objetivo claro de acalmar o mercado. Isso significa que a taxa básica de juros permanecerá na mínima história por um período de tempo suficientemente prolongado.

O Banco Central dos Estados Unidos projeta uma taxa de desemprego entre 7,0% e 7,1% neste ano, entre 6,3% e 6,6% em 2014, entre 5,8% e 6,1% em 2015 e entre 5,3% e 5,8% em 2016.

Caso as projeções do FED sejam confirmadas, a taxa de desemprego atingirá a marca psicológica dos 6,5% somente em 2015. A utilização da expressão “bastante tempo depois”, para sinalizar um aumento da Federal Funds Rate pelo gatilho da taxa de desemprego, acabou com a hipótese de aperto monetário nos Estados Unidos antes de 2016. Isso significa que o sistema permanecerá altamente alavancado por, pelo menos, mais dois anos.

É importante ressaltar que este quadro dependerá da estabilidade dos preços. O Banco Central dos Estados Unidos informou que deverá subir a Federal Funds Rate se a inflação superar o centro da meta (2,0%) em 0,5 p.p. Ou seja, caso a inflação chegue em 2,5%, a autoridade monetária deverá apertar a economia subindo os juros. Mas as projeções do FED para a taxa de inflação estão entre 0,9% e 1% para este ano, entre 1,4% e 1,6% em 2014 e entre 1,5% e 2% em 2016, permitindo, portanto, manutenção da Federal Funds Rate por um período suficientemente prolongado.

A notícia é extremamente positiva para o mercado acionário norte-americano, que além de colher os frutos da retomada econômica, permanecerá alavancado por mais um bom tempo. O índice S&P500 subiu 1,67% nesta quarta-feira. Nasdaq avançou 1,15%. Dow Jones disparou 1,85%, aproximando-se da máxima histórica.


A notícia é, também, positiva, embora em menor grau, para os mercados emergentes. A torneira vai jorrar menos dólares e fechar no ano que vem, reduzindo o fluxo de capital especulativo. Porém a grande preocupação girava em torno da possibilidade de desalavancagem do sistema (via alta da taxa de juros e taxa de inflação) no curto/médio prazo. Como esta possibilidade foi descartada hoje pelo FED, alguns mercados ganharam margem de manobra (tempo) para enfrentar as adversidades futuras provenientes do aperto monetário nos Estados Unidos.

O índice Bovespa subiu 0,94%, mas não reagiu à decisão de política monetária nos Estados Unidos, pois o mercado nacional fechou no momento do anúncio do FED. Esta nova condicionante macroeconômica pode impulsionar o Ibovespa nos próximos pregões, aumentando a força do movimento de repique.


17 comentários:

  1. fi,boa noite,
    quem sabe passaremos de um repique para uma tendencia de alta,
    graficamente como posso ver isso.
    grato...icb3

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Precisa retomar os 51.3k para confirmar reversão. Driver pra isso já tem, o FED lançou hoje. Vamos ver se o mercado aceita ou não rs...

      Abcs, bons trades

      Excluir
  2. O Gatilho vai ser apertado quando FI? Segundo semestre de 2014?

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Levando em consideração as projeções do FED, juntamente com a mudança observada no comunicado emitido hoje, somente em meados de 2016.

      Abcs, bons negócios

      Excluir
  3. Eu não entendi bem como funciona isso de menor liquidez por conta da 'torneira fechada', mas maior alavancagem por conta do FFR reduzida. Poderiam me explicar melhor como funciona isso?

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Os estímulos monetários são operações de Open Market. Isto é, o Banco Central interfere diretamente no mercado comprando ativos (títulos do Tesouro - Operação Twist - e dívida hipotecária - QE3), aumentando, consequentemente a liquidez do sistema, já que as instituições financeiras vendem títulos para receber dólares do FED. Boa parte destes dólares empossados nos bancos acabaram fluindo para o mercado de capitais e, uma pequena parte, para a economia real.

      Ao reduzir o volume dos estímulos monetários, o FED estará injetando uma quantidade menor de dólares no sistema. Mas aqueles recursos injetados anteriormente continuarão empossados nos bancos até o momento em que o Bano Central implementar uma política de aperto monetário (através da elevação da Federal Funds Rate) para apertar as condições de crédito e retirar dinheiro de circulação do sistema. Por isso mesmo com a torneira fechada (fim das operações de Open Market), o sistema continuará alavancado.

      Qualquer dúvida volte a questionar.

      Abcs, bons investimentos

      Excluir
    2. Muito obrigado pelo esclarecimento.

      Excluir
  4. Pra mim vem lenha amanhã, dólar dispara e bolsa despenca.
    Elpl4 hoje foi ridículo... nego faz o que quer com esse mercadinho.

    Last, but not least....

    E teu galo mineiro hein, FI??? Que papelão.... kkkkkk

    Agora vcs vão dizer que o Raja comprou a CBF?

    kkkkk

    Abç

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Lenha nada. As bolsas não vivem só de "estímulos"... hoho Esse papinho terrorista, assim como outros anteriores, são apenas desculpas pra promover o "normal" zig zag das bolsas.
      Acho que queda mesmo só lá por março/abril, como acontece normalmente.
      Carla
      (E o meu Coxa que quase caiu... ufa!)

      Excluir
    2. Ainda bem que o galo perdeu, se safou de uma humilhação maior. Imagine o que o Bayern não iria fazer com esse time?

      Futebol brasileiro é só pra distrair mesmo de vez em quando. Não dá pra acompanhar com seriedade. Campeonato brasileiro está na idade da pedra perto de uma Premier League.

      PS: Carla prepara o advogado pra vocês se safarem de um provável rebaixamento no ano que vem rsrs... CBF já mostrou que é melhor os times investirem no departamento jurídico do que no entretenimento do torcedor.

      Abcs a todos e bons trades

      Excluir
  5. Olá.
    Observei que no leilão -após as notícias do FED- as ações da Petr e da Vale subiram cerca de 2%, bem como de outras empresas também. Parece que a disputa que vinha ocorrendo entre os vendedores x compradores está sendo vencida pelos compradores. Pelo menos nesse round que pode durar uns bons dias.
    E mais uma vez, parabéns pela humildade em reconhecer que sua análise estava errada. Continuo te admirando e respeitando muito seus comentários.
    Abs.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Sim, as ações no after refletiram a disparada do mercado norte-americano. A tendência é de abrir amanhã no positivo. Mas se muitos ativos abrirem em GAPs relevantes, o movimento de alta pode não durar muito tempo. Obrigado!

      Abcs, bons investimentos

      Excluir
  6. FI,

    Não achou que essa expressão “bastante tempo depois” é coisa mais temporária para acalmar?

    Do jeito que a economia americana ta se recuperando (velocidade) é possível que não demore tanto assim...

    Bom post,

    Miguel

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Sim. O FED está jogando com a psicologia do mercado. Adotaram uma expressão de impacto para acabar com as especulações quanto ao futuro de curto/médio prazo da Federal Funds Rate. Este era o objetivo. Mas o Banco Central mostrou que ainda é muito cedo para o mercado se preocupar com a alta dos juros.

      Abcs, bons negócios

      Excluir