quarta-feira, 26 de fevereiro de 2014

Taxa Selic retorna ao patamar Dilma


Confirmando as indicações constatadas nas duas últimas atas de reuniões do Copom (Comitê de Política Monetária do Banco Central), a autoridade monetária brasileira reduziu nesta quarta-feira o ritmo de aperto monetário ao elevar a taxa Selic em 0,25 p.p.

Na ata de reunião dos dias 14 e 15 de janeiro de 2014 o Banco Central havia utilizado o termo “tem se mostrado ligeiramente acima daquela que se antecipava”, referindo-se a elevada variação dos índices de preço, no parágrafo que justificou o aumento de 0,5 p.p. naquela data. Para reforçar a demonstração de que este aumento foi um caso à parte (projetava-se 0,25 p.p. na mesa), o Banco Central trocou a expressão “nesse contexto” para “dessa forma”, no trecho onde os diretores entendem ser “apropriada a continuidade do ritmo de ajuste das condições monetárias ora em curso”, corroborando para uma decisão de momento (curto prazo, como resposta ao nível psicológico atingido pelo IPCA de dezembro).

A desaceleração da inflação de dezembro para janeiro e a queda de curto prazo observada nas taxas de juros futuros (mostrando certa tranquilidade/conformidade no ambiente de negócio) abriram espaço para o Banco Central reduzir o ritmo de aperto monetário sem causar estresse imediato no mercado, embora as condições técnicas impedem uma postura menos rigorosa por parte da autoridade monetária.

Com a decisão desta quarta-feira, a taxa básica de juros subiu para 10,75% ao ano, atingindo o mesmo patamar observado na posse da presidente Dilma. A diferença é que hoje a inflação está significativamente mais pressionada e as expectativas futuras dos agentes extremamente corroídas, cenário fruto da redução desembestada dos juros iniciada em 2011 que, por sua vez, provocou um desequilíbrio econômico sem precedentes.

Ao final da reunião, o Banco Central emitiu o seguinte comunicado:Dando prosseguimento ao processo de ajuste da taxa básica de juros, iniciado na reunião de abril de 2013, o Copom decidiu, por unanimidade, elevar a taxa Selic em 0,25 p.p., para 10,75% a.a., sem viés.”

O comunicado é praticamente o mesmo emitido na reunião anterior dos dias 14 e 15 de janeiro (“Dando prosseguimento ao processo de ajuste da taxa básica de juros, iniciado na reunião de abril de 2013, o Copom decidiu por unanimidade, neste momento, elevar a taxa Selic em 0,5 p. p., para 10,5% ao ano, sem viés”). A única diferença é que a expressão “neste momento” foi retirada, confirmando que a elevação de 0,5 p.p. em janeiro foi um caso à parte.

A partir da avaliação deste pequeno trecho, subentende-se que haverá uma nova elevação de 0,25 p.p. da taxa Selic na próxima reunião do Copom a ser realizada nos dias 1 e 2 de abril, ainda sem sinalização de interrupção do atual ciclo de aperto monetário.

No mercado de capitais o índice Bovespa cedeu 0,25% nesta quarta-feira pressionado pelo papel da Petrobras, que atingiu o menor nível de fechamento desde novembro de 2005. O balanço do quarto trimestre divulgado ontem à noite, camuflado pela contabilidade de hedge e benefícios fiscais, não agradou o mercado.

Entretanto, a movimentação do índice não alterou o padrão observado nos últimos dias. O mercado permanece travado, oscilando dentro da faixa de congestão de curtíssimo prazo.


Destaque para a sugestão de saída do ministro da Fazenda, Guido Mantega, feita pelo jornal Financial Times, num eventual segundo mandato da presidente Dilma. O descontentamento com a equipe econômica do governo é generalizado e a troca por um novo ministro, preferencialmente pró-mercado, ajudaria o País a retomar parte da credibilidade perdida nos últimos anos. A substituição provavelmente irá acontecer, mas ainda não é possível constatar nomes pró-mercado cotados para assumir o cargo na Fazenda.

Nos Estados Unidos tivemos mais um dia de pregão insignificante. O índice Dow Jones fechou perto da estabilidade, mantendo a análise dos últimos dias, emitindo mais um sinal de indecisão de curtíssimo prazo.


16 comentários:

  1. Olá FI!
    Tenho certeza que muitos, lendo esse post, vão querer sugerir seu nome para ministro da Fazenda. Não sei se você teria estômago, mas que seria uma luz no fundo do túnel, seria!
    Abs.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. ahhahaha, eu endosso.

      Excluir
    2. rsrsrss... quem sou eu pra ser ministro!

      Obrigado pessoal,

      Abcs, bons investimentos

      Excluir
  2. Boa noite FI, parabéns pelas brilhantes análises. Uma dúvida, por que você não faz a análise do SP500 ao invés do Indice Dow Jones, a meu ver, o SP é muito mais representativo.
    Abs,
    Mario Lucena

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Boa noite Mario Lucena,

      Obrigado! O Dow Jones é mais utilizado no mercado (mais popular). Mas na verdade não há diferença prática entre um e outro. Ambos trabalham dentro de mesmas tendências, tanto de curtíssimo prazo, quanto de longo prazo, e emitem sinais idênticos.

      Abcs, bons negócios

      Excluir
  3. Mantega e o banco central são perfeitos para a Dilma. Com sua veia ditatorial ela encontrou fantoches para fazer o que ela quer. E viva a ditadura vermelha dos companheiros...

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Parece que sim, infelizmente...

      Abcs, bons investimentos

      Excluir
  4. FI,

    Será realmente que ela trocará o Mantega ? Ou, se trocar, será alguém pró-mercado?

    Acho que o Mantega é um bonequinho que segue ordens do Dilmão. Se ela botar alguém capacitado ou com bom senso seria uma trava para a própria Dilma, autora de inúmeras ideias e decisões psicopatas.

    Será?

    Bom post.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Obrigado.

      A troca é bastante provável. Acho que vai acontecer, mas não será alguém pró-mercado. A política econômica tem o dedo da Dilma, mas acho que boa parte da culpa pelas distorções e baixo desempenho é resultado de uma incompetência generalizada.

      Abcs, bons trades

      Excluir
    2. Próximo ministro da fazenda será o Arno Augustin, prevejo.
      Caso acerte, será pior que o Mantega.

      Excluir
    3. Sim, esse é perigoso. Também considero pior do que o Mantega.

      Abcs, bons investimentos

      Excluir
    4. Nem brinca com isso... putis grila, aí é pra dar um tiro no coco

      Excluir
  5. Mantega só faz o que a Dilma quer. Sua substituição, se ocorrer, será por alguém com o mesmo perfil e não pró-mercado.
    Noto que a imprensa ataca o ministro e sabe que a política econômica segue os interesses da presidentA. Mantega está lá para ser porta-voz somente e segurar as críticas, bem como rebatê-las e é isso o que acontece.
    Precisamos de um novo governo, com uma nova proposta de política econômica. O que está aí já não sabe mais por que caminho seguir.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Em partes sim, mas como ressaltei no comentário acima, acho que isso tudo é resultado de uma incompetência generalizada e não somente da presidente. Precisamos de uma transição de governo neste ano, sem dúvida. Mas vai ser difícil, a popularidade da Dilma está muito alta.

      Abcs, bons investimentos

      Excluir
  6. Salvo engano, a cotação da PETR é a menor desde novembro de 2008, e não 2005.

    A análise é excelente quando identifica que a taxa será a mesma do início do Governo - todavia, os problemas são muito maiores.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. A informação está correta.

      O estudo foi feito pela Economática, mas fiz questão de conferir no gráfico. A Petro fechou hoje abaixo do preço atingido no mês de novembro de 2005. Acontece que esta mínima registrada no crash de 2008 está na mesma região de preço registrado em 2005.

      Abcs, bons negócios

      Excluir