sexta-feira, 21 de março de 2014

Semana positiva para as principais praças financeiras mundiais


Muitos justificaram o bom desempenho do índice Bovespa nesta semana por conta dos rumores de que os pré-candidatos da oposição, Aécio Neves e Eduardo Campos, teriam crescido na corrida eleitoral. Empresas estatais que seriam beneficiadas pela mudança de poder, tais como Eletrobras, Banco do Brasil e Petrobras, dispararam na Bovespa e fecharam a semana em alta de 12,15%, 9,71% e 9,70%, respectivamente.

Entretanto, a pesquisa de intenções de voto do Ibope divulgada ontem derrubou os rumores que estavam circulando no mercado. Não houve nenhuma mudança no quadro eleitoral. A presidente Dilma continua com a popularidade muito elevada, com margem de sobra para uma vitória no primeiro turno.

A especulação eleitoral foi apenas um “motivo fácil” encontrado pelos analistas de mercado para explicar o forte movimento de alta observado nas ações das principais estatais brasileiras listadas na bolsa de valores.

O que aconteceu, na verdade, foi um movimento de recuperação puramente técnico e natural. As ações da Petro fecharam 15 semanas em baixa, das 16 últimas semanas. As ações do Banco do Brasil fecharam 15 semanas em baixa, das 19 últimas semanas. As ações da Eletrobrás estavam congestionadas na principal linha de suporte de curto e médio prazo (região dos 8,40), base de uma importante zona de congestão de médio prazo.

Inevitavelmente um movimento de repique atingiria estes papéis. O mercado escolheu esta semana. Como estes papéis carregavam posições vendidas vencedoras desde o mês de novembro do ano passado, a força do movimento de repique foi maior, pois marcou a primeira sinalização de saída àqueles operadores posicionados na venda nos meses anteriores. Portanto, a liquidação das posições vendidas acumuladas por um longo período de tempo foi a grande responsável pela forte reação positiva dos papéis.

Este movimento pesou no índice Bovespa, que fechou a semana com mais de 5% de alta. O marubozu de alta do gráfico semanal sinalizou fundo na região dos 44.9k. A LTB dos 56.7k foi rompida. O quadro técnico sinaliza espaço para o movimento ascendente de curtíssimo prazo ganhar consistência e se estender para o curto prazo.


Importante ressaltar que a recuperação do mercado nacional não é um movimento doméstico ou restrito. Este evento ocorreu na bolsa do México, com semelhante grau de relevância, conforme podemos observar no gráfico abaixo:


A bolsa de Xangai na China também disparou na semana, formando fundo na importante linha de suporte dos 2.000 pontos.


Já a bolsa de Bombay na Índia fechou a semana em leve baixa, devido ao elevado nível de sobrecompra, provocado pela forte arrancada observada nas semanas anteriores, fato que culminou no rompimento da máxima histórica. Mercado permanece comprado em curto, médio e longo prazo.


Nos Estados Unidos o índice Dow Jones subiu na semana, mantendo-se próximo da máxima histórica.
  
  
No S&P500 a máxima histórica foi levemente superada no mês passado. Mercado comprado e sem resistências significativas pela frente.


Na Alemanha o índice DAX esboçou recuperação frente ao movimento corretivo de curtíssimo prazo com um marubozu expressivo de alta. A reversão ocorreu justamente na principal linha de suporte de curto prazo localizada na região dos 9k. Mercado altamente técnico, mostrando poucas surpresas.


A bolsa de Londres na Inglaterra fechou a semana em leve alta, sinalizando respiro acima de uma LTA intermediária, próximo à linha inferior de bollinger.


Desejo a todos vocês um ótimo final de semana! Bom descanso e até segunda.

8 comentários:

  1. Olá, um prazer ler teus comentários.
    V. mostra bolsas de outros paises, poderia um dia comentar a bolsa da Russia, usando, por exemplo um ETF de lá chamado RSX.
    Fica como sugestão.

    Outra sugestão é a seguinte: v. fazer uma retrospectiva dos efeitos da inundação de liquidez criada pelo FED, que elevou os mercados de renda variavel americanos às alturas, enquanto (na minha opinião) colocou em banho-maria a economia real. Veja que o desemprego nos USA não cede, as empresas estão capitalizadas mas não investem e o crescimento ficou muito baixo por uns 5 anos.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Obrigado. Bom mesmo é contar com a participação de vocês nos comentários.

      Sim. O mercado russo opera hoje na base de uma importante zona de congestão de pouco mais de 2 anos. Até o momento está conseguindo manter o suporte, mas as perspectivas macroeconômicas não são favoráveis (crescimento baixo, tal como no Brasil), o que dificulta/inviabiliza uma retomada do índice. Mercado vendido, sendo que a queda observada desde o início de 2014 é significativa, a mais forte desde 2012.

      Levando em consideração a ocorrência de um evento de gravidade extremamente relevante, a economia dos Estados Unidos conseguiu se sair muito bem frente à crise terrível de 2008. O FED e o governo norte-americano agiram rapidamente e da melhor maneira possível. Utilizaram o único recurso disponível. Injeção de capital. Fizeram um excelente trabalho. Conseguiram evitar uma catástrofe econômica. O excesso de liquidez observado hoje no sistema financeiro não chega nem perto da destruição de capital ocorrida em 2008. O preço que se pagou para salvar empresas e bancos gigantes é irrisório perto do que teria acontecido em caso de uma quebradeira generalizada na economia norte-americana. Colocaram em prática o que aprenderam com a crise de 29 (e consequente depressão dos anos 30) e souberam utilizar o remédio na dosagem correta.

      A julgar pelo impacto provocado pela crise de 2008, observar o recuo da taxa de desemprego nos Estados Unidos de 10% em 2009 para 6,7% hoje é quase um milagre. A velocidade de retomada do crescimento chega a surpreender, inclusive ao Banco Central. Para avaliar o quadro de 2014, temos sempre que levar em consideração o que aconteceu em 2008. O fato das empresas estarem capitalizadas é apenas mais um indicador de consequência do choque provocado em 2008 (causou um trauma). O processo de retomada de confiança dos investidores/empresários é sempre lento, mas está melhorando gradualmente. O movimento de valorização das ações (creio que intencionalmente impulsionado pelo FED) tem esta função de recuperar a credibilidade e, principalmente, injetar dinheiro no caixa das famílias, já que lá nos Estados Unidos grande parte da população investe na bolsa. Com mais dinheiro em caixa, as famílias se sentem mais confortáveis para gastar. E consumo é mais da metade do PIB americano.

      Abcs, boa semana!

      Excluir
  2. "A presidente Dilma continua com a popularidade muito elevada, com margem de sobra para uma vitória no primeiro turno."

    fi, você realmente acredita no que diz essa pesquisa?

    lula em 2006 precisou de segundo turno pra ganhar

    em 2010, nem com a popluaridade de lula obtida por osmose, dilma venceu serra no primeiro turno, no segundo turno foram 12 milhões de votos de diferença, o que na realidade representa metade, 6 milhões de votos, num universo, na epoca, de 99 milhões de votos, em uma época de PIB de 7,5% e crescimento de renda alavancado no crédito fácil, embebedando a população como um todo

    e agora, em pleno ano de 2014, depois dessa estagnação econômica, perda de poder aquisitivo, alta inflação e protestos generalizados do ano passado, o ibope vem com essa pesquisa mequetrefe de que dilma ganharia no primeiro turno?

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Pode ser verdade Maurício, pois ninguém ainda conhece os oponentes da Dilma. Iniciando as eleições, muita coisa vai mudar - se bem que as outras opções não são nada animadoras...

      Excluir
    2. A massa proletariada e inculta votará na presidenta

      Excluir
    3. Sim, não há porque desconfiar. Os números batem com as pesquisas eleitorais feitas por outras instituições. Se houvesse divergência entre pesquisas de metodologia idêntica, porém de diferentes instituições, poderíamos desconfiar.

      O PT sustenta uma base de eleitores fiéis. Mas nada impede uma mudança nas opiniões dos demais eleitores quando conhecerem as propostas dos candidatos de oposição. Como ressaltou o Eike, muita coisa pode mudar quando começar a campanha eleitoral, mesmo que a possibilidade atualmente seja pequena (onde está a oposição?). As vezes um debate pode inverter este quadro (sonhar não custa nada rss..)

      Abcs a todos e boa semana!

      Excluir