quarta-feira, 2 de abril de 2014

Aperto monetário está próximo do fim


Apesar do recente surgimento de novas pressões inflacionárias, o Copom (Comitê de Política Monetária do Banco Central) sinalizou no comunicado emitido hoje a noite que o ciclo de aperto monetário está próximo do fim.

A taxa básica de juros subiu 0,25 p.p., para 11% ao ano, nesta quarta-feira, ultrapassando o patamar vigente no início do governo Dilma Rousseff. A decisão não surpreendeu o mercado, mas o comunicado sim, conforme podemos observar no parágrafo abaixo:

"O Copom decidiu, por unanimidade, neste momento, elevar a taxa Selic em 0,25 p.p., para 11,00% a.a., sem viés. O Comitê irá monitorar a evolução do cenário macroeconômico até sua próxima reunião, para então definir os próximos passos na sua estratégia de política monetária."

Na reunião anterior, realizada no mês de fevereiro, o Banco Central emitiu o seguinte comunicado: “Dando prosseguimento ao processo de ajuste da taxa básica de juros, iniciado na reunião de abril de 2013, o Copom decidiu, por unanimidade, elevar a taxa Selic em 0,25 p.p., para 10,75% a.a., sem viés”.

A mensagem enviada pelo Banco Central ao mercado nesta quarta-feira é bem diferente daquela do mês de fevereiro, quando a taxa básica de juros subiu 0,25% p.p., para 10,75% ao ano.

O trecho “dando prosseguimento ao processo de ajuste da taxa básica de juros...” foi retirado, sinalizando uma clara intenção de interrupção do ciclo de aperto monetário na próxima reunião do Copom a ser realizada nos dias 27 e 28 de maio.

Já a expressão “neste momento”, observada no início do comunicado, tem a mesma função de destacar que esta alta de 0,25 p.p. foi um caso à parte, em resposta aos índices de inflação mais pressionados no atacado. Lembra a estratégia utilizada no comunicado da reunião realizada no mês de janeiro deste ano, para justificar mais uma elevação de 0,5 p.p., fora do script, em resposta ao IPCA de dezembro do ano passado.

O trecho restante (“o Comitê irá monitorar a evolução do cenário macroeconômico até sua próxima reunião, para então definir os próximos passos na sua estratégia de política monetária”) é o mesmo utilizado no comunicado do dia 6 de março do ano passado, reunião que antecedeu a virada da política monetária (naquela ocasião, de manutenção da taxa básica de juros, para aperto monetário).

Há, portanto, elementos evidentes no comunicado emitido nesta quarta-feira que sinalizam interrupção do ciclo de aperto monetário, ainda que as projeções da própria autoridade monetária apontem para um cenário de inflação longe do centro da meta em 2014, 2015 e 2016.

No mercado e capitais o índice Bovespa fechou mais um pregão em forte alta, impulsionado por novas especulações eleitorais, ainda que infundamentadas. Uma pesquisa de intenção de voto do Datafolha será divulgada no próximo sábado. Analistas esperam observar avanço dos candidatos de oposição na corrida eleitoral.

Esta mesma expectativa foi criada (ou fabricada) no mês passado, onde muitos apontam como grande responsável pelo impressionante rali no mercado de ações. Entretanto, a última pesquisa de intenção de voto, feita pelo Ibope, indicou vitória com folga da presidente Dilma no primeiro turno com 40% dos votos.

Embora a aprovação do governo da presidente Dilma Rousseff tenha caído 7 pontos percentuais, de 43% em novembro do ano passado para 36% em março deste ano, os eleitores não demonstraram intenção de votar em outro candidato. Portanto, ainda não há sinalização de aumento na hipótese de transição de poder.

Independente das pesquisas de aprovação ou de intenção de voto, o fato é que o mercado está reagindo à forte entrada de recursos estrangeiros de caráter especulativo, aproveitando uma janela de oportunidade criada no mês passado. Somente no mês de março, o saldo de investidores estrangeiros na Bovespa ficou positivo em 2,94 bilhões de reais.

O índice Bovespa subiu 2,85%, rompendo a média móvel simples de 200 períodos diária com candle de força relevante. A próxima barreira de resistência (fraca) está localizada na região dos 52k. Mercado segue trabalhando dentro de uma forte tendência de alta, porém com elevados níveis de sobrecompra nos gráficos de curtíssimo prazo.


Nos Estados Unidos o índice Dow Jones subiu 0,24%, muito próximo de romper a região da máxima histórica. Mercado reagiu ao salto de 1,6% de novas encomendas de bens manufaturados. Este é o maior aumento registrado desde setembro passado.


Na Europa, a diretora-gerente do FMI (Fundo Monetário Internacional), Christine Lagarde, alertou que o BCE (Banco Central Europeu) deveria afrouxar novamente a política monetária para combater a inflação perigosamente baixa. A taxa de inflação acumulada dos últimos 12 meses na zona do euro caiu para 0,5% no mês passado, marcando o menor nível desde novembro de 2009. O mercado aguarda por novas medidas de estímulo a serem anunciadas após o encerramento da reunião do Comitê de Política Monetária do BCE, na quinta-feira, 3.

5 comentários:

  1. Parabéns pelo texto! Bem objetivo e elucidativo... abs!

    ResponderExcluir
  2. FI

    Ótimo explicação. A interrupção do Bacen nada mais é do que a proximidade com as eleições de outubro. Depois disso deve continuar subindo.

    Abs
    Miguel

    ResponderExcluir
  3. Sim, agora o negócio vai ser segurar as pontas até outubro... Depois sobem juros, gasolina,energia elétrica, inflação maquiada e principalmente o meu desespero de viver nesse país.

    ResponderExcluir
  4. Sim, reapareceu aquele viés político nas decisões do Banco Central. O comunicado de ontem está incoerente com os dados apresentados no Relatório de Inflação. Ao que tudo indica, o Banco Central não vai conseguir combater as expectativas deterioradas dos agentes, abrindo espaço para manutenção dos perigosos mecanismos de indexação. Cenário preocupa bastante, pois (i) ainda existe o trauma causado pelo período de hiperinflação, fato que mantêm os agentes na defensiva; (ii) ressurgimento do viés político em decisões de política monetária; (iii) estamos no pior momento dos últimos 10 anos, quando a inflação superou o teto da meta e bateu nos 7,6%. Estão deixando o monstro sair da jaula.

    Abs a todos e bons investimentos

    ResponderExcluir