quarta-feira, 9 de abril de 2014

E agora Tombini?


Um terrível e angustiante silêncio dominou esta quarta-feira no mercado financeiro nacional. Não apareceu ninguém do governo para justificar mais um resultado decepcionante do índice oficial de inflação.

O IBGE (Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística) informou nesta manhã que o IPCA (Índice Nacional de Preços ao Consumidor Amplo) disparou 0,92% no mês de março, repetindo o agravante ocorrido no mês de dezembro do ano passado, quando o referido índice também disparou exatos 0,92%.

Tal como ocorreu no mês de dezembro do ano passado, a inflação de março também marcou o pior resultado dos últimos 10 anos. A quebra de recordes históricos de preços de uma década, num curto espaço de tempo, revela nítida sinalização de descontrole inflacionário.

O IBGE mostrou que o grupo de alimentação foi o grande responsável pela disparada da inflação do mês de março, refletindo a seca que atingiu as lavouras no início deste ano.

Entretanto, é importante destacar que a inflação elevada no Brasil não é uma consequência pura e simplesmente exclusiva de eventos climáticos adversos. O vilão do mês de março deste ano não é o mesmo do mês de dezembro do ano passado. Forças de diferentes fontes se revezam mês a mês, ultrapassando níveis medianos/sustentáveis de preços, pois não estão devidamente ancoradas pela política monetária.

O nível elevado da inflação brasileira, três vezes acima da média global, é um reflexo das estratégias equivocadas de política econômica do atual governo, excesso de flexibilização da política fiscal e desmantelamento da autoridade monetária.

Portanto, são dois os principais culpados pelos elevados índices de inflação no País: (i) o governo federal, que não consegue fazer a economia crescer de forma minimamente sustentável e ainda despeja toneladas de recursos subsidiados no sistema, anulando os efeitos contracionistas da política de aperto monetário e (ii) o Banco Central, que perdeu o seu principal ativo (a confiança da sociedade) ao implementar a injustificada política de afrouxamento monetário no período de 31/08/2011 a 10/10/2012, marcado pela inflação elevada e distante do centro da meta.

A atitude destes dois culpados assemelha-se a retirada do cadeado da jaula que prendeu o velho e temido monstro brasileiro chamado inflação. A caçada durou cerca de duas décadas. Pagamos um preço extremamente elevado para prender este monstro. Foi uma verdadeira lição de vida, forte o suficiente para nunca ser esquecida. Retirar o cadeado da jaula revela total irresponsabilidade de nossas autoridades. Agora, se "alguém gritar", o monstro acorda e pula pra fora da jaula.

Com as expectativas dos agentes cada vez mais justificadamente deterioradas, Alexandre Tombini vai ter que tomar uma decisão difícil. Continua acovardando-se ao Planalto, almejando, possivelmente, a continuação de sua carreira política (a cadeira está vaga no ministério da Fazenda), ou luta para resgatar a credibilidade do Banco Central, sacrificando sua carreira em prol da saúde e estabilidade de uma moeda ainda nova, mas que nasceu com DNA forte. O Real deu esperança à nação, mas está ameaçado a se transformar num filho pródigo.

No mercado de capitais o índice Bovespa fechou o pregão em baixa de 0,86%, mantendo o movimento corretivo iniciado na última terça-feira. Houve reação da força compradora na parte da tarde do pregão, limitando as perdas do dia. O movimento não é suficiente para invalidar a correção de curtíssimo prazo, porém o clima de otimismo deve predominar enquanto o mercado conseguir se manter acima do patamar psicológico dos 50k, mesma região por onde passa a média móvel simples de 200 períodos diária.


Na China, a agência de planejamento econômico informou nesta quarta-feira que o governo vai ajustar suas políticas em linha com as mudanças na economia, mas o espaço para adotar medidas com o objetivo de sustentar o crescimento está ficando cada vez menor. Os anúncios de planos para acelerar a construção de ferrovias e moradias populares, e redução de impostos para pequenas empresas, são, até o momento, as respostas do governo frente à recente desaceleração do crescimento. O comunicado demonstra certa preocupação com a dívida elevada de governos locais e excesso de crédito no sistema, onde há suspeita de baixa qualidade de importante parcela de financiamentos concedidos nos últimos anos.

Nos Estados Unidos o índice Dow Jones subiu 1,11%, recuperando a linha central de bollinger com um candle de força relevante. A sinalização mostra interrupção do movimento corretivo de curtíssimo prazo, abrindo espaço para reteste na máxima histórica.
  

O mercado norte-americano reagiu com otimismo ao conteúdo da ata de reunião do Comitê de Política Monetária do FED (Federal Reserve – Banco Central norte-americano). O documento mostra que a política monetária não será alterada tão cedo (leia-se neste ano), confirmando as informações fornecidas pela nova chair do FED, Janet Yellen, no dia 19 de março.

12 comentários:

  1. FI. Dentro de tal conjuntura, há perspectivas de valorização do dólar? Seria possível o Banco Central intervir pesado a ponto de não permitir o aumento do dólar para conter a inflação?

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. No curto prazo não. Ainda não há sinalização de reversão na tendência de queda e o Banco Central segue determinado em continuar com suas intervenções no mercado de câmbio. Mas no médio prazo a tendência segue predominantemente altista, mesmo se o Banco Central vender dólares à vista, queimando reservas, não conseguira impedir a valorização gradual da moeda no médio prazo.

      Abs, bons negócios

      Excluir
  2. gordinho, vamos parar de suar e gaguejar, é hora de pulso firme e enfretar a realidade, ou você é lembrado pelos livros de história como um covarde submisso, ou como alguém que lutou para defender algo que acreditava

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. ele já é covarde, o que resta saber é o grau de covardia

      Excluir
  3. E quero ver quando o reajuste da energia elétrica bater...

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Esse é outro vilão. E olha que o IPCA de março registrou deflação de 0,02%.

      Abs, bons investimentos

      Excluir
    2. Correção: IPCA de preços administrados*** de março registrou deflação de 0,02%.

      Excluir
  4. FI, o segredo é colocar a culpa da inflação no tomate e seus amigos vegetais que tá tudo certo. Disseram que o índice tende a baixar nos próximos meses: se não baixar também vai dar quase 12% de índice anual.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Esse filme é mais repetido que o Titanic. Aliás, caberia até um post especial sobre isso:

      23.DEZ.10 - 11:02
      Mantega: inflação vai cair tão logo commodities recuarem
      https://www.istoedinheiro.com.br/noticias/44939_MANTEGA+INFLACAO+VAI+CAIR+TAO+LOGO+COMMODITIES+RECUAREM

      20/05/2011 19:19
      Mantega diz que inflação está controlada e deve cair nos próximos meses
      http://www.brasil.gov.br/economia-e-emprego/2011/05/mantega-diz-que-inflacao-esta-controlada-e-deve-cair-nos-proximos-meses

      05/04/2012 - 10h59
      Mantega: inflação menor abre possibilidade de crescimento econômico maior
      http://economia.uol.com.br/ultimas-noticias/redacao/2012/04/05/mantega-inflacao-menor-abre-possibilidade-de-crescimento-economico-maior.jhtm

      19/09/2012 - 07h53
      Não há problema de inflação no Brasil, diz Mantega
      http://economia.uol.com.br/ultimas-noticias/valor/2012/09/19/nao-ha-problema-de-inflacao-no-brasil-diz-mantega.jhtm

      25/04/2013
      'A inflação vai cair no Brasil', diz Guido Mantega
      http://g1.globo.com/economia/noticia/2013/04/inflacao-vai-cair-no-brasil-diz-mantega.html

      09/05/2013 às 12h30
      Mantega diz que inflação está sob controle e vai cair
      http://www.jb.com.br/economia/noticias/2013/05/09/mantega-diz-que-inflacao-esta-sob-controle-e-vai-cair/

      19/07/2013 às 10h08
      Mantega vê alta do PIB de até 3% em 2013 e assegura que inflação está sendo superada
      http://noticias.r7.com/economia/noticias/entrevista-mantega-ve-alta-do-pib-de-2-5-a-3-em-2013-inflacao-esta-sendo-superada-20130719.html?question=0

      07/08/2013 10h01
      Inflação subirá nos próximos meses, mas deve cair em 2013, diz Mantega
      http://g1.globo.com/economia/noticia/2013/08/inflacao-subira-nos-proximos-meses-mas-deve-cair-em-2013-diz-mantega.html

      Virou piada...

      Abs, bons negócios

      Excluir
    2. Quando se fala que "a inflação vai cair" é porque ela anda solta pelo mundo e vai cair no Brasil a qualquer momento.

      Excluir
  5. Selic 15% ..........?

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Selic em 11% até as eleições. É o que deve mostrar a ata do Copom amanhã. Mas vamos ver a reação do Banco Central frente ao aumento no ritmo de deterioração do quadro doméstico.

      Abs, bons investimentos

      Excluir