terça-feira, 15 de abril de 2014

Otimismo por um fio


A manutenção do clima de otimismo exagerado observado nas últimas quatro semanas está por um fio. No pregão desta terça-feira o índice Bovespa emitiu a segunda sinalização corretiva relevante desde a formação de topo na região dos 53.4k.

O mercado nacional retornou com força para o patamar psicológico dos 50k, mesma região por onde passa a média móvel simples de 200 períodos diária e linha central de bollinger. Este é o principal patamar de sustentação dos preços no curtíssimo prazo, e, também do clima de otimismo exagerado no mercado.


A perda desta importante zona de sustentação adicionará elementos técnicos favoráveis ao prolongamento do movimento corretivo de curtíssimo prazo iniciado na região dos 53.4k.

Com o elástico esticado no câmbio, juros e bolsa (destacado na semana anterior), os investidores estrangeiros, grandes responsáveis pela movimentação brusca do mercado nacional, começaram a embolsar parcialmente o lucro de suas operações, fato que provocou inversão da trajetória de curtíssimo prazo do câmbio, juros e bolsa.

Importantes indicadores da economia chinesa a serem divulgados na noite desta terça-feira poderão carimbar (ou não) a passagem do índice Bovespa para baixo dos 50k. Há um grande receio no mercado quanto à divulgação do PIB (Produto Interno Bruto) da China hoje a noite. Quase totalidade dos indicadores já conhecidos deste primeiro trimestre de 2014 na China mostrou desaceleração no ritmo de crescimento.

Entretanto, as únicas reações do governo até o momento foram os anúncios de planos para acelerar a construção de ferrovias e moradias populares, e redução de impostos para pequenas empresas. Além disso, o premiê da China, Li Keqiang, disse em outras ocasiões, neste ano, que o espaço para adotar medidas com o objetivo de sustentar o crescimento está ficando cada vez menor. Li também chegou a afirmar, inclusive, no fórum de Boao, que não se importa se o crescimento vier um pouco abaixo da meta oficial de 7,5%. Pode-se constatar, a partir destas e outras declarações de importantes autoridades chinesas, certa preocupação com a dívida elevada de governos locais e excesso de crédito no sistema, onde há suspeita de baixa qualidade de importante parcela de financiamentos concedidos nos últimos anos.

Dados da base monetária divulgados nesta terça-feira reforçam esta constatação. Segundo a Agência Nacional de Estatísticas, a base monetária M2 cresceu 12,1% no mês passado ante o ano anterior. O mercado esperava um crescimento de pelo menos 13%. Esta é a menor taxa registrada desde maio de 2001.

No quadro internacional, o clima de tensão voltou a subir na Ucrânia. O presidente interino do País, Oleksander Turchynov, afirmou que uma operação antiterrorista havia sido iniciada na região norte de Donetsk, onde a maioria das cidades está ocupada por forças pró-Rússia (soldados que utilizam o mesmo armamento e uniformes do exército russo, porém sem as insígnias).

O governo russo criticou a movimentação militar, dizendo que a utilização de força por parte do governo ucraniano prejudicará o diálogo previsto para esta semana sobre a crise.

No entanto, os negócios em Wall Street não foram afetados. O índice Dow Jones subiu 0,55%, trabalhando um movimento de recuperação após testar e respeitar a importante linha de suporte de curto prazo localizada na região dos 16k.
  

Destaque para aumento da taxa de inflação. O Índice de Preços ao Consumidor norte-americano avançou 0,2% em março deste ano. O resultado superou a inflação de 0,1% registrada no mês de fevereiro e surpreendeu os analistas, que esperavam novo aumento de 0,1%. Em 12 meses, o Índice de Preços ao Consumidor acumula alta de 1,5%, apenas 0,5 p.p. abaixo da meta a ser perseguida pelo FED (Federal Reserve – Banco Central dos Estados Unidos).

O acumulado dos últimos 12 meses já atingiu a margem de projeção da autoridade monetária para o encerramento da inflação este ano nos Estados Unidos (entre 1,5% e 1,6%). Não havendo desaceleração do Índice de Preços ao Consumidor nos meses de abril e maio, as estimativas do FED ficarão defasadas e serão alteradas (para cima). Estas alterações provocarão novas mudanças na perspectiva para o início do ciclo de aperto monetário.

8 comentários:

  1. FI, boa noite. Como sempre, leitura religiosa dos seus posts, todos os dias !
    ALLL finalmente será incorporada pela Rumo. Estimaram o negócio em torno de uns R$ 10,00 por ação da alll, sendo que o fechamento dela hoje foi em R$ 8,10. Você tem alguma opinião sobre o que pode acontecer amanhã ? Eu não sou tão otimista a ponto de achar q as ações chegarão a R$ 10,00 amanhã. Qualquer dica é bem vinda. Vai ser um dia nervoso de operar, e tentar achar o ponto de venda certo.
    Grato !
    Anônimo da alll

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Boa noite!

      Não estou acompanhando de perto o caso, mas as ações devem ter caído porque decidiram que o De Lara, Arduini e esposa terão que sair vendendo suas ações na própria bolsa. Falta agora a incorporação ser aprovada em assembléia da ALL e órgãos públicos. Deve passar.

      Abs, bons negócios

      Excluir
    2. Aonde vc viu essa noticia, FI ? Sobre de lara e arduini vendendo a mercado ?
      Grato !

      Excluir
    3. Segue o link da matéria: http://exame.abril.com.br/mercados/noticias/all-cai-4-na-bolsa-em-dia-decisivo-sobre-incorporacao

      Último parágrafo.

      Abs!

      Excluir
    4. Inflação americana já atingindo a proejeção... chumbo grosso por aí.

      Excluir