quinta-feira, 29 de maio de 2014

Mais um coelho tirado da cartola


O Tesouro Nacional informou nesta quinta-feira que o governo central, composto pelo governo federal, Banco Central e Previdência, registrou superávit primário de 16,597 bilhões de reais em abril. Nos quatro primeiros meses do ano, o superávit atingiu 29,660 bilhões de reais, acima da meta estipulada de 28 bilhões de reais para o período.

À primeira vista os números são excelentes. O governo federal superou as expectativas dos analistas e conseguiu entregar um resultado acima da meta. Mas ao analisarmos os fatores responsáveis pelo bom resultado no quadrimestre encontramos, lamentavelmente, mais um coelho tirado descaradamente da cartola: os dividendos.

O caixa do governo foi reforçado com dividendos de 2,340 bilhões de reais em abril. A Petrobras, velha salvadora dos problemas de gestão governo federal, foi chamada novamente para tapar mais um buraco. Depositou a “bagatela” de 2,012 bilhões de reais no caixa do governo mês passado. A Caixa transferiu outros 15,6 milhões de reais para ajudar fechar a “meta” do mês.

Nos quatro primeiros meses do ano, o governo acumula saldo de 8,231 bilhões de reais somente com os dividendos recebidos das empresas estatais. O valor é muito acima do resultado registrado no mesmo período de 2013 (1,008 bilhão de reais), o que representa um aumento impressionante de 716,4%.

O que aconteceu com as empresas estatais neste primeiro quadriênio de 2014 para aportarem 716,4% a mais de dividendos no caixa do governo? O governo não responde essa pergunta, mesmo porque não existe uma resposta, apenas demonstra ao mercado financeiro que tirou mais um coelho da cartola. A política fiscal permanece expansionista, sem a menor preocupação de redução de gastos.

A reação do mercado não poderia ser diferente. O índice Bovespa cedeu 0,76%, voltando a encostar na linha de suporte dos 52k. Mercado segue vendido no curtíssimo prazo, com possibilidade de aceleração do movimento corretivo caso a referida linha seja perdida nos próximos pregões.


Mas o grande prejuízo do dia aconteceu fora do ambiente do mercado financeiro. O presidente do STF (Supremo Tribunal Federal), Joaquim Barbosa, anunciou que deixará o cargo e se aposentará no final de próximo mês. Barbosa não detalhou os motivos que o levaram a decidir se aposentar da Corte.

Nos Estados Unidos, o Departamento do Comércio revisou o PIB (Produto Interno Bruto) do País no primeiro trimestre deste ano para contração de 1%. Este foi o pior desempenho registrado desde o primeiro trimestre de 2011, altamente influenciado pelas condições climáticas extremamente adversas que atingiram o País no início deste ano.
  

Entretanto, indicadores econômicos mais recentes mostram que a atividade se recuperou rapidamente nos meses seguintes. O índice Dow Jones subiu 0,39%, mantendo a tendência de alta, sem apresentar novidades.

Ainda no quadro externo, o grande destaque do dia ficou por conta de mais um movimento estratégico importante do presidente russo, Vladimir Putin. Ele assinou um tratado com o Cazaquistão e com a Belarus nesta quinta-feira para criar um amplo bloco comercial entre os países. Mais um ponto para o estrategista russo.

27 comentários:

  1. FI,

    Agora com a saída do Barbosa os três poderes estão totalmente na mão do PT. Lewandovsky vai soltar todos os mensaleiros após as eleições, enquanto Renan Calheiros fará tudo que for preciso no Congresso. Caminhamos para uma ditadura de esquerda.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. No próximo mandato serão trocados mais 5 ministros do STF. Se o PuTaria ficar mais 4 anos no governo, restará somente o Gilmar Mendes como ministro não indicado pelo PuTê.

      Não anulem seu voto de jeito nenhum. Precisamos eleger outro partido. De preferência o PSDB, que não é signatário do Foro de São Paulo. Com isso e com um pouco de sorte de que o Lula morra nestes próximos 4 anos, teremos alguma chance de que isso aqui não vire Cuba.

      Excluir
    2. As eleições deste ano serão decisivas para o nosso futuro nos próximos 10 anos, pelo menos. Tomara que a oposição consiga fazer um bom trabalho na campanha eleitoral, mas o quadro é desanimador.

      Abs, bons negócios a todos

      Excluir
  2. joaquim provavelmente decidiu dar no pé antes da reeleição de dilma, e vai poder ver o caos de longe, provavelmente, de alguma praia de miami

    ResponderExcluir
  3. O que importa e que o governo cumpriu a meta estipulada.o pgto dividendo foi feito nao so ao governo,mas a todos os socios e se foi maior e pq os lucros foram bem maiores, pois nao da pra receber dividendos de empresas com prejuizos.
    inflacao nos ultimos 5 anos rondou 6%, e vai ficar nisso nos proximos 5.mercadi ja enquadrou o governo e 2014 e 2015 sao anos de arrumacao da casa,ou seja, pib de cerca de 2%
    governo tem liberado diversos projetos de infraestrutura e ate 2020 vai ter muuuita obra e mercado aquecido.
    depois de 2020, temos o pre sal em forca maxima, derrubando dolar e incrementando pib ....decolagem..

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Você obviamente é integrante do MAV - a guerrilha virtual do PuTaria...

      Excluir
    2. O governo utilizou artifícios para cumprir a meta, como tem feito nos últimos anos. São os mestres da contabilidade criativa. O importante é que os números mostram que não há contingenciamento de gastos. Os projetos de infraestrutura são importantíssimos, mas estão em marcha lenta pela nítida falta de capacidade de gestão do governo.

      Abs, bons negócios

      Excluir
  4. Olá FI, li muito rápido que os números não foram tão ruins, apesar de realmente o número em relação aos dividendos ser de 8BI, em compara com o ano passado no mesmo período de 1BI nessa rubrica. Entretanto, li também que as receitas cresceram no mesmo ritmo das despesas no período, o que é um bom sinal, pois as despesas viam crescendo muito fortemente. Enfim, quem sabe não esteja melhorando um pouco.

    Abraço!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. soulsurfer,

      Não está melhorando, pois não há contingenciamento de gastos e a gestão dos recursos públicos continua deixando muito a desejar. Além disso, o governo está atrasando pagamentos e cortando investimentos para evitar o desemparelhamento de crescimento das receitas x despesas.

      Abs, bons negócios

      Excluir
    2. Claro, eu também achei isso quando comecei a ler, mas ao continuar a ler a reportagem, dizia que o investimento tinha crescido consideravelmente no quadrimestre. Bom, não li com tanta atenção e profundidade o artigo e posso estar enganado.

      Abraço!

      Excluir
    3. Sim, as agências de notícias replicam os números apresentados pelo governo. Mas sabemos que a fonte é cuidadosamente trabalhada. Tem muita pegadinha. A conta de investimento do governo não fecha com a conta do IBGE (mesmo levando em consideração a participação do setor privado). Se o investimento tivesse realmente crescido de maneira relevante, a pesquisa do IBGE teria relevado um número melhor do que os 17,7% do PIB. Esta é a menor taxa registrada desde 2010.

      Abs, bons negócios

      Excluir
  5. Brasil cumpriu a meta? vamos procurar algo pra criticar. PIB dos EUA cai 1% no 1º trimestre? vamos procurar algo pra amenizar.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. MAV detectado!

      Excluir
    2. Não é questão de procurar algo para criticar X ou amenizar Y. O que fazemos aqui é análise da situação macroeconômica, independente de questões políticas/ideológicas. A situação fiscal no Brasil não é boa, merece críticas e deve ser debatida entre os candidatos à presidência. Se a situação aqui fosse realmente boa, não estaríamos pagando uma das maiores taxas de juros do mundo para captar dinheiro no mercado. Já com relação aos Estados Unidos, a contração do PIB já era amplamente esperada. O País ficou literalmente parado no início deste ano por conta das condições climáticas adversas. Números mais recentes mostram que no segundo trimestre deste ano o crescimento será forte, na casa dos 4%.

      Abs, bons negócios

      Excluir
  6. FI, era só o que faltava começarem a aparecer defensores políticos para rebater às críticas à situação econômica do País. Este é um espaço de pessoas que trabalham e investem seu suado dinheiro, já corroído pela inflação e pela alta tributação, a fim de ter um futuro melhor para si e seus familiares. Este é um espaço de pessoas que acreditam que um futuro melhor depende mais de seus próprios esforços do que de auxílio do governo. Um espaço de pessoas que não se acomodam. Se há comentários pela saída do PT, é porque não está administrando o País de acordo com os anseios destes que vêm aqui se manifestar. É evidente que, se a situação estivesse ruim e fosse outro partido no governo, haveria críticas. Infelizmente, há pessoas que não entendem isso e acham que é um ataque pessoal. Desejo que continue sempre nos informando de forma isenta sobre a situação do mercado. Parabéns pelo trabalho e obrigado!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Exatamente amigo. Obrigado pelo comentário!

      Abs, bons negócios

      Excluir
  7. Favor desconsiderar a crase no trecho "às críticas".

    ResponderExcluir
  8. Perdoe-me a ignorância. Não sou tão versado assim em detalhes nos balanços de pagamentos do governo nem nos das empresas citadas. Mas tenho algumas duvidas que podem ajudar na discussão. Essas duvidas partem de 3 premissas básicas (me corrijam se eu estiver errado, por favor):
    1) Todas essas empresas são públicas. Algumas listadas em bolsa, ok, mas públicas.
    2) Sendo todas essas empresas públicas, é de interesse de toda a população que SE elas tiverem lucros, estes sejam revertidos em benefício da sociedade**.
    3) Dividendos são partes do lucro da empresa distribuidos aos acionistas. No caso dessas empresas, o acionista majoritário é o Estado brasileiro e, via de consequencia, toda a população.
    **Um parênteses: empresas públicas e sociedades de economia mista não são criadas para que o Estado lucre. São criadas como modo de intervenção do Estado no poder econômico, visando a regular a concorrência (bancos) ou executar funções em áreas de interesse nacional (petróleo, financiamento público).
    Dito isso, pergunto:
    No fundo, no fundo, qual é o mal de o Estado estar reclamando dividendos de suas empresas em um momento delicado para as contas públicas??
    Os interesses da estabilidade econômica em geral não são maiores do que o interesse dos acionistas privados e minoritários de algumas dessas empresas?
    No frigir dos ovos, não vale mais um ambiente macroeconomico mais estável do que o registro de lucros represados nessas empresas?
    Por fim, registro que concordo com quase toda a análise feita neste blog, e que meu voto vai pra oposição. Acho que, de fato, o governo intervém de mais nas leis do mercado, elegendo setores específicos e errando feio em com o aumento exagerado dos gastos públicos, manipulação de dados, etc..
    Mas, neste ponto dos dividendos, não vejo prejuízo em o Estado exercer seu direito aos dividendos para usá-los para um bem maior.
    Abraços,
    PEPE

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. FI,

      Faço aqui uma recomendação de boa índole.

      Melhor tacar moderação nos comentários e deixar passar só os de índole econômica "neutra" mesmo. Os petistas não se conformam com qualquer verdade que seja dita aqui e que vá contra o "partidão".

      Quem lê o blog com boa vontade não tem "partido". O que queremos aqui é informação técnica de qualidade e transparência econômica.

      Essa quadrilha já já vai começar a postar aqui direto. É o MAV do PT...

      Excluir
    2. Olá amigo. Uma explicação: Não sou petista.
      Não sou filiado a nenhum partido, mas pode ter certeza que estou bem mais ao centro do que à esquerda.
      Fiz algumas ponderações e gostaria do comentário do autor do blog.
      Obrigado por sua preocupação, mas alerto que a tática de desmerecer o argumentador não ajuda no debate.
      Você deveria saber disso, visto que é a grande sacada do partido que você, pelo visto, detesta.
      PEPE

      Excluir
    3. PEPE,

      Não existe melhor maneira de beneficiar a sociedade de qualquer País através da promoção do crescimento. Portanto, para que os dividendos das empresas estatais sejam revertidos em benefícios à sociedade, nada mais justo do que aplicar o capital no próprio negócio da empresa, seja através da inovação do produto/serviço, construção de novas unidades, expansão de market share, etc. Gera mais emprego, mais renda, mais consumo, mais crescimento. Efeito cascata.

      Por outro lado, se o governo tivesse uma gestão minimamente séria/eficiente, poderíamos supor que o aporte de dividendos das empresas estatais no caixa do governo poderia beneficiar a sociedade, levando em consideração que os recursos seriam utilizados, por exemplo, para melhorar a qualidade do ensino nas escolas públicas, reduzir a violência, melhorar a qualidade/estrutura de atendimento dos hospitais públicos, investir em transporte público de qualidade, etc. Mas infelizmente o que ocorre no Brasil é um grande desperdício de recursos públicos, fruto das inúmeras falhas de política econômica, além do alto nível de intervenção (desastrosa) do Estado na economia. Corrupção e gastos com a Copa são mixaria perto do que se desperdiça de recursos para tapar os buracos criados pelo intervencionismo e da "nova matriz econômica". Gestão ineficiente custa muito caro. Perdemos tempo e dinheiro.

      Abs, bons investimentos

      Excluir
    4. Correção:

      pelo intervencionismo e ***pela "nova matriz econômica".

      Excluir
  9. Tem gente com raiva da dilma pq a bolsa nao sobe....vai pra renda fixa...

    ResponderExcluir
  10. Impressão minha ou a cartilha e os eventos partidários direcionando a massa de manobra governista a deturpar posts de blogs que postam críticas contra o governo está dando resultado?

    ResponderExcluir
  11. Nesta semana começaram as investidas do MAV. Veja este blog como está poluído de gente tacanha lambendo o saco do governo...

    ResponderExcluir