quarta-feira, 21 de maio de 2014

STJ aumenta possível conta a ser paga pelos bancos


O STJ (Superior Tribunal de Justiça) decidiu no final da tarde desta quarta-feira em favor dos poupadores no caso sobre perdas geradas por planos econômicos das décadas de 1980 e 1990.

Foram julgados os recursos do Banco do Brasil e HSBC para discutir o momento da incidência dos juros em ações coletivas ganhas pelo Idec (Instituto Nacional de Defesa do Consumidor).

A Corte do tribunal decidiu que o juro vale a partir da data da citação para conhecimento da ação civil pública. Os bancos defendiam que só deveria valer após o julgamento da causa, quando o devedor fosse citado e obrigado a pagar. Por este entendimento, os juros devem ser pagos desde a década de 1990 e não a partir do ingresso de cada poupador na ação.

Esta importante diferença aumenta a conta a ser paga pelos bancos caso o STF (Supremo Tribunal Federal) decida contra a legalidade dos planos econômicos, cujo julgamento está previsto para ser retomado no dia 28/05/2014. Ou seja, se o STF decidir a favor dos poupadores, a decisão do STJ pode (deve) balizar o valor a ser pago pelas instituições financeiras.

Erasto Villa-Verde, subprocurador geral do Banco Central, destacou mais cedo que o impacto de uma decisão favorável aos poupadores poderia variar de 23 bilhões a 341 bilhões de reais. O valor máximo da indenização calculada por Villa-Verde é superior ao patrimônio líquido somado do Banco do Brasil, Itaú, Bradesco, Caixa e Santander Brasil, fato que provocaria a quebra do sistema financeiro nacional. Trata-se, portanto, de uma possibilidade altamente improvável e perfeitamente descartável.

A possível quantia a ser paga pelos bancos deve ser girar em torno do piso mínimo estipulado pelo subprocurador do Banco Central. Ainda assim, a autoridade monetária frisou que deve estudar uma forma de parcelar essa conta caso as instituições financeiras percam no STF.

O tombo dos bancos no final do pregão prejudicou o desempenho do índice Bovespa que fechou o dia em baixa de 0,31%, mantendo o movimento corretivo de curtíssimo prazo sem apresentar novidades.


Nos Estados Unidos o índice Dow Jones avançou 0,97%, desenhando uma formação de fundo na LTA dos 15.3k. O mercado reagiu positivamente à ata da última reunião do FED (Federal Reserve – Banco Central norte-americano). O documento mostrou que a autoridade monetária discutiu um eventual aperto monetário, mas não tomou decisão sobre quais ferramentas utilizar. 


O Banco Central norte-americano apresentou diversos cenários para elevar a taxa de juros, mas ressaltou que o debate é apenas um planejamento prudente e não um sinal de que o aumento da taxa é iminente, contrariando as declarações de Plosser.

Na Inglaterra, a ata do Banco Central britânico mostrou que alguns diretores acham que os motivos para elevar a taxa básica de juros estão se tornando mais fortes, já que a recuperação econômica está acelerada na Grã-Bretanha.

O Banco Central do Japão também está mais otimista. Em comunicado emitido após a reunião de política monetária desta quarta-feira, a autoridade monetária retirou menção ao País estar em deflação e reduziu ainda mais as expectativas de que oferecerá mais estímulos monetários no futuro próximo.

Em Xangai, na China, o presidente russo, Vladimir Putin, e o primeiro ministro chinês, Xi Jinping, assinaram um megacontrato de 400 bilhões de dólares para o fornecimento de gás russo ao gigante asiático. O volume financeiro impressiona e mostra mais um trunfo político de Vladimir Putin frente ao ocidente.

O mundo conheceu hoje o grand finale da estratégia russa. Com os conflitos na Ucrância, Putin conseguiu elevar os preços de suas commodities. Invocou o espírito nacionalista dos russos que habitam a Ucrânia. Provocou desestabilização num País agora governado por políticos pró-ocidente. Ganhou de presente a Crimeia (região estratégica importante), que caiu no seu colo. E com as tensões na Europa, conseguiu apressar o fechamento de um acordo bilionário que começou a ser arquitetado cerca de 10 anos atrás.

Com 400 bilhões de dólares na mesa russa, os europeus não tem muito o que fazer, a não ser abaixar a cabeça para Vladimir Putin. Assim que o contrato foi divulgado à imprensa, o presidente da Comissão Europeia, José Manuel Barroso, enviou uma carta a Putin pedindo que ele mantenha o fornecimento de gás à Europa. A Gazprom (empresa de energia russa, fornecedora do gás) avisou que vai cortar o fornecimento de gás à Ucrânia a partir de 3 de junho, caso não seja paga com antecedência a fatura correspondente a esse mês, de cerca de 1,6 bilhão de dólares. 

Já os Estados Unidos, terão que engolir suas sanções e descascar o abacaxi do caos político e econômico que tomou conta da Ucrânia. E ainda, torcer muito para que o boleto de 1,6 bilhão de dólares não seja encaminhado ao gabinete do gabinete de Obama.

13 comentários:

  1. Boa noite FI, hoje tive uma decepção com a BBAS3 que já me trouxera tanta alegria. De 2% foi para quase 8% negativos, o que anulou completamente os, até então, possíveis lucros. O que achas, vale a pena manter a posição ou continua ladeira abaixo?

    Abraço!
    Hoffnung

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. compra mais para fazer preço merdio !

      Excluir
    2. Finanças inteligentes, o que acha do atual cenario de compra do indice futuro sobre ibov, estamos hoje com valor record de ontem para hoje 84mil para 95mil no positivo, maxima desde entao, desde anos inclusive....tudo bem que ultimas 2x que batemos 44k fundo ibov desde ano pssado, uma foi com 100mil negativos no indice futuro, depois oscilou entre 30-60mil positivo de contratos no indice futuro, agora estamos apos tanta subida com 25mil a mais de contratos indice futuro, 10 bilhoes de capital gringo no ibov, o que acha, podem tentar esticar ainda mais? pensei que tentariam bater 50k ibov..

      Excluir
    3. Boa noite pessoal!

      Hoffnung, com relação à BBAS3 tinha que ter um stop protegendo pelo menos parte do seu lucro. O papel está vendido no curtíssimo prazo. Então, se o trade é curto, o seu posicionamento precisa ser corrigido (liquidado), pois está na pota contrária do mercado. Se a posição é de médio/longo prazo, não há com o que se preocupar.

      Alexandre, se eu fosse estrangeiro já estaria com mais da metade da posição liquidada rsrs... O elástico está esticado no câmbio e nos juros. Câmbio em R$ 2,20 também não é tão atrativo pra fazer carry-trade, a não ser que seja feita proteção na entrada. E a bolsa não tem fundamento pra manter a arrancada forte constatada nos meses anteriores (o que não significa que o mercado precisa ser racional).

      Abs, bons negócios a todos

      Excluir
    4. Obrigado pela opinião FI. Tenho intenção em manter ela por mais um ano ou vender na faixa de R$25,50.
      Sobre stop, já tive experiência ruins por conta da oscilação como queda de 2% e no fim do dia fecha em positivo e continua subindo no outro dia. Por outro lado, a falta de stop está me fazendo apanhar na VALE5. Fui descendo o preço médio mas chegou ao ponto que acho arriscado demais colocar mais dinheiro nela. O que você acha dessa ação para o período de um ano?

      Obrigado, Hoffnung

      Excluir
    5. Hoffnung,

      Stop tem que estar acompanhado de uma estratégia, previamente testada e aprovada. Em operações curtas, você vai ser estopado várias vezes com lucro pequeno. Em operações longas, não há necessidade de estope, basta acompanhar os balanços trimestrais da empresa para tomar sua decisão de manter, aumentar ou liquidar a posição. Já a Vale, o negócio com minério de ferro nos próximos 12 meses não deve sofrer alterações significativas. O mercado opera com excesso de oferta, o que pressiona o preço da commoditie para baixo. Difícil imaginar acima dos 150,00 dólares daqui há um ano. Entretanto, mesmo com a commoditie oscilando na casa dos 100,00/120,00 dólares/tonelada, a Vale consegue ter uma boa margem de lucro. Quem sofre mais são as mineradoras chinesas.

      Abs,

      Excluir
  2. FI,

    Acredito que não há possibilidade desse julgamento ir adiante. Com certeza vao abafar ele no STF.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Sim. O STF está muito pressionado, tanto pelo governo, quanto pelo Banco Central. Estão prorrogando desde o final do ano passado. E podem prorrogar de novo. Mesmo com ganho de causa aos poupadores, a indenização seria realmente pequena, perto do piso estipulado pelo Erasto Villa-Verde. Em parcelas a perder de vista.

      Abs, bons investimentos

      Excluir
  3. Olá FI.
    E agora, o que a mídia vai explicar? A Dilma cresce na intenção de votos e a bolsa sobe discretamente 1%, pelo menos até agora 16:30h. Vamos esperar uma outra teoria.
    abs.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Boa pergunta rsrs... Mercado provou mais uma vez que a mídia estava errada. Normalmente neste horário as manchetes principais, nos topos das páginas, referem-se ao mercado de capitais. Mas basta dar um giro nos principais veículos para reparar a ausência destas manchetes nos topos das páginas.

      Abs, bons negócios

      Excluir
    2. Acho que amanhã saberemos direito o que vai rolar

      Aécio subiu 6 pontos e campos também mais 6 pontos então você contou meia história aí

      Excluir