segunda-feira, 2 de junho de 2014

Medição oficial do governo chinês pode estar otimista demais


Segunda-feira de alívio nas principais praças financeiras mundiais. O movimento foi basicamente patrocinado pela divulgação do indicador que mede o desempenho da atividade industrial na China, calculado pela Agência Nacional de Estatísticas.

Segundo o governo chinês, o Índice de Gerentes de Compras atingiu os 50,8 pontos no mês de maio, mostrando expansão da atividade manufatureira no ritmo mais rápido dos últimos cinco meses. A leitura do indicador induz à visão de que o gigante asiático está retomando rapidamente o ímpeto de crescimento no segundo trimestre deste ano.

Entretanto, a medição mais confiável, feita pelo Instituto Markit (agência privada), em conjunto com o Banco HSBC, mostra estabilização no ritmo de crescimento econômico chinês, que vinha numa trajetória descendente e relativamente agressiva desde o início deste ano.

O número final para o mês de maio ainda não saiu, mas a prévia calculada pelo Instituo Markit, divulgada no dia 22/05/2014, sugere uma pequena contração da atividade industrial aos 49,7 pontos. Seria necessário, portanto, um crescimento significativo nos últimos dias do mês para o fechamento do índice calculado pelo Instituto Markit coincidir com a pesquisa realizada pelo governo chinês.

Embora a atividade esteja em retomada na China, esta possibilidade (atingir os 50,8 pontos do governo) parece improvável num curto espaço de tempo. Isso significa que a medição da Agência Nacional de Estatísticas pode estar otimista demais.

Nos Estados Unidos, o Índice Gerente de Compras calculado pelo Instituto Markit subiu para 56,4 pontos no fechamento do mês de maio, superior aos 55,4 pontos registrados em abril. A medição também superou levemente a leitura preliminar de 56,2 pontos divulgada no final do mês passado.

O indicador elevado sugere retomada significativa do crescimento norte-americano no segundo trimestre deste ano, após a derrapada de 1% registrada no primeiro trimestre, fruto das condições climáticas extremamente adversas.

Na zona do euro o Índice Gerente de Compras caiu para 52,2 pontos no mês de maio, ante os 53,4 pontos registrados no mês de abril, atingindo a mínima dos últimos 6 meses. A desaceleração no ritmo de expansão da atividade industrial alimentou expectativas de que o BCE (Banco Central Europeu) anuncie medidas de afrouxamento monetário na reunião de Comitê desta semana.

No Brasil, o Índice Gerente de Compras mostrou que o ritmo de contração da atividade industrial aumentou no mês de maio, ao atingir os 48,8 pontos. A medição é inferior aos 49,3 pontos registrados no mês de abril. Este indicador reforça fraqueza ainda maior da economia no segundo trimestre deste ano.

Ainda nesta segunda-feira, o Ministério do Desenvolvimento, Indústria e Comércio Exterior informou que a balança comercial brasileira registrou superávit de apenas 712 milhões de dólares no mês de maio. Este é o pior desempenho para o mês desde 2002. Houve registros de fortes quedas na maioria dos produtos exportados. O câmbio próximo ao patamar de R$ 2,20 na maior parte do tempo no mês passado afetou ainda mais a já debilitada competitividade das empresas brasileiras.

O índice Bovespa aliviou nesta segunda-feira ao subir 0,72%. Movimento puramente técnico, devido aproximação da média móvel simples de 200 períodos diária, trabalhando como ponto de suporte (a princípio temporário).


Nos Estados Unidos o índice Dow Jones subiu 0,16%, encostando novamente na máxima histórica, sem apresentar novidades. Mercado segue dentro da tendência de alta de curto, médio e longo prazo.


6 comentários:

  1. Eu já tinha dito aqui que os números deles não são confiáveis...

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Sim. Deve-se desconfiar quando há divergência com os números apresentados pelas agências privadas. Hoje saiu a medição final do Instituto Markit: 49,4 pontos. Atividade industrial ainda em leve contração, mostrando relativa estabilidade no ritmo de crescimento econômico, bem diferente da leitura adotada pela mídia baseada nos números do governo. A medição final do mês de maio saiu pior do que a prévia de 49,7 pontos.

      Abs, bons negócios

      Excluir
  2. FI,

    Como acha que a Copa pode interferir nos negócios ? Mercado vai andar de lado ? Hoje mesmo já tem um pré-jogo da copa. Abs.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Vai ficar perigoso, pois o volume do nosso mercado que já é baixo deve cair ainda mais. Pregão com baixo volume não é bom. Qualquer movimento brusco de meia dúzia de big players provocará um estrago relevante.

      Abs, bons investimentos

      Excluir