terça-feira, 15 de novembro de 2016

FED vai ter que lutar pela sua independência


O republicano Paul Ryan, atual presidente da Câmara dos Deputados dos Estados Unidos, foi reeleito por unanimidade nesta terça-feira por seus correligionários para continuar no cargo a partir de janeiro de 2017.

Ryan precisará obter ao menos 218 votos em janeiro para se confirmar na presidência da Câmara. A votação em plenário será um mero trâmite legal, já que os republicanos terão pelo menos 239 cadeiras a partir do ano que vem, garantindo margem suficiente para cobrir dissidências no partido, se houverem.

A aprovação de forma unânime colocou fim aos rumores de uma possível divisão dentro do partido republicano após a vitória de Donald Trump. Ryan é um político conservador de velha guarda do partido e tende a ser um dos grandes nomes, ao lado de Trump, na formulação e articulação para aprovação de algumas propostas polêmicas.

Dentre as importantes mudanças propostas por Trump, possivelmente endossadas pelo seu partido (de maioria no Congresso), estão cortes de impostos e aumento de gastos com programas de infraestrutura, fatores que afetam diretamente a estratégia de política monetária do FED (Federal Reserve – Banco Central dos Estados Unidos).

Mas antes de responder às possíveis mudanças na política econômica e fiscal, o FED terá de lutar pela sua independência. Cerca de um ano atrás, Ryan defendeu um projeto de lei absurdo que procura diminuir os poderes do FED e forçar que a FFR (Federal Funds Rate – taxa básica de juros) seja determinada por uma fórmula matemática, com a necessidade de o (a) chair se explicar ao Congresso caso decida se desviar dela. A medida foi votada e aprovada na Câmara, mas não prosperou em função da forte oposição dos democratas no Senado. O presidente Barack Obama também havia indicado sua intenção de vetar o projeto.

Agora o jogo virou contra o FED. Além da maioria no Congresso, os republicanos terão o apoio do futuro presidente para atacar a independência da autoridade monetária. Trump criticou duramente o Banco Central durante sua campanha e se mostrou contra a política monetária altamente expansionista.

Os republicanos afirmam que o FED criou uma bolha financeira com suas políticas de estímulos monetários e que afetou o poder aquisitivo dos poupadores com a drástica redução das taxas de juros.

A atual presidente do FED, Janet Yellen, falará no Congresso na próxima quinta-feira para discutir a economia. O clima no Comitê tende a ser tenso e dominado por discussões relacionadas à independência da autoridade monetária.

Yellen já se posicionou contra a proposta aprovada na Câmara no ano passado e o tom de seu discurso revelará se existem forças para que a autoridade monetária possa defender e garantir sua importante e necessária soberania frente ao Congresso. Diferentemente da postura cautelosa, grande marca desde sua posse, em janeiro de 2014, Yellen deve partir para o ataque e ser mais ativa no ambiente político.

Especulações com a nova gestão Trump sobre a política monetária do FED estão começando a extrapolar nos noticiários, impactando mercados mais vulneráveis. Alguém precisará aparecer para colocar ordem na casa e Yellen terá essa oportunidade na próxima quinta-feira.

13 comentários:

  1. FI, não acha que seria interessante a exposição ao bitcoin? Andei lendo recentemente e fiquei impressionado como ele pode tomar parte do mercado do comércio eletrônico, paraísos fiscais, ouro e demais investimentos. Acho que, para tanto potencial (o pessoal da fintech só fala de bitcoin e blockchain atualmente), um valor de mercado de 11,5 bilhões de dólares é uma poeira ainda.

    Qual a sua opinião? Obrigado!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Olá,
      Considero Bitcoin uma opção para quem gosta de brincar no mercado, como tantas outras disponíveis. Apenas isso. Não considero opção segura para o investidor trabalhar alocação de portfólio, muito menos opção de fuga ou segurança.

      Excluir
  2. É verdade que o FED é uma empresa com fins lucrativos?
    Eu não entendo bem isso.
    Os libertários do terceiro partido são a favor de fechar o FED, de verdade.
    abraço.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. É muito complexo, principalmente porque é uma estrutura diferente da que temos no Brasil. Existe essa discussão no mercado, alguns afirmam que o FED não é uma instituição pública, mas sim privada, e que estaria favorecendo os interesses dos banqueiros privados. Isso porque o FED é composto por 12 bancos centrais regionais e deve pagar dividendos estatutários de 6% ao ano aos bancos membros (banqueiros privados nos Estados Unidos possuem participação no capital das regionais do FED). Após pagamento dos dividendos estatutários, todo o lucro é remetido ao Tesouro.
      Abs,

      Excluir
  3. FI,

    Os treasuries dispararam .... vamos ver o q vai dar isso ... agora a volatilidade é na renda fixa! rsrsr

    Abs,

    ResponderExcluir
  4. Bom Dia FI,

    Seu livro ainda está disponível?
    Nao encontrei o Link

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Olá edo,
      Infelizmente não. Pedi para editora retirar das livrarias, o objetivo era vender exemplares limitados.
      Abs,

      Excluir
    2. Tem alguma previsão? Ou está fora do radar?
      Att

      Excluir
    3. Está fora do radar. Se puder lhe ajudar em algum tipo de conteúdo específico, me envie um e-mail que lhe respondo assim que puder. financasinteligentes@gmail.com

      Excluir
  5. Com a dívida americana nos níveis atuais, estou curioso para ver se o Trump conseguirá mesmo aumentar gastos e cortar impostos.
    Ainda mais porque o partido republicano sempre complicou a vida do Obama na hora de permitir o aumento do teto da dívida federal.
    Ou eles farão vista grossa e deixarão o Trump aumentar a dívida tranquilo ou teremos uma queda de braço entre Executivo e Legislativo interessante dentro do partido.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Exatamente, tanto é que o governo ficou paralisado por alguns meses em 2013 com o Tea Party (segmento do partido republicano) se posicionando contra um necessário aumento do limite de endividamento, fato que acabou se escandalizando e desgastando bastante o presidente Obama. Eu acho que essa ala do partido republicano dificilmente vá fazer vista grossa para o aumento do déficit, que já é alto. Tem muita coisa que Trump precisa explicar melhor. Essas propostas dele produzem uma conta que está muito longe de fechar.

      Excluir
  6. Oi FI, parabéns pelo seu blog!! Já add na minha lista!!
    Meu blog: http://pilotoinvestidor.blogspot.com.br/
    :)

    ResponderExcluir