quarta-feira, 31 de maio de 2017

Abajo, pero no mucho


O Comitê de Política Monetária do Banco Central do Brasil decidiu nesta quarta-feira manter o atual ritmo de corte de 1 p.p. na taxa básica de juros. Com isso, a taxa Selic recua para 10,25% ao ano, muito próxima de perder o fantasmagórico patamar de dois dígitos.

A decisão não surpreendeu o mercado, mas o comunicado deixou uma sensação de que a autoridade monetária agiu a contragosto. Antes de a crise política estourar, muitos no mercado apostavam num corte de 1,25 p.p. na reunião dos dias 30 e 31 de maio. Alguns também viam o ciclo de afrouxamento monetário até mais extenso do que o esperado anteriormente.

A crise política apareceu e arrebentou com as volumosas posições a favor da curva de juros futuros. Taxas pré-fixadas, até então esticadas demais no curto prazo, dispararam no pregão do circuit breaker na bolsa, sem deixar espaço para uma liquidação honrosa. Mesmo com os alertas de esgotamento técnico e divergências macro, muitos insistiram nas posições e foram pegos de surpresa.

O pânico não se estendeu pelos dias seguintes, pois a tese de redução do ritmo de afrouxamento monetário não colou. Também se criou uma utopia de quadro favorável para aprovação das reformas. Muito sonho e pouca lógica, mas ao menos agradava certos interesses.

A ficha não caiu para todos e o Banco Central não quer causar mais pânico neste momento surpreendendo o mercado com uma decisão inesperada. Mas o fato é que a deterioração do quadro doméstico demandava uma decisão menos dovish já nesta reunião de Comitê.

Cortes agressivos podem deixar nossas defesas desguarnecidas. Nós já não somos o campeão de juro real no mundo, nossa dívida continua disparando e a economia não cresce. Com a decisão de hoje, a Rússia passa ocupar o primeiro lugar no ranking de juro real. Mais um corte agressivo e caímos para a terceira posição, atrás da Turquia.

São praças emergentes, com seus respectivos problemas domésticos, mas que pelo menos estão crescendo e não possuem dívida tão alta quanto a nossa. São altamente competitivas para atrair fluxo. Sem o bônus dos juros e sem as reformas para embutir alguma esperança, o Brasil deixa de ser competitivo, pois os nossos concorrentes simplesmente têm mais a oferecer.

O próprio Banco Central mostra no documento que está praticamente decidido uma redução no atual ritmo de afrouxamento monetário, conforme trecho abaixo:

“Em função do cenário básico e do atual balanço de riscos, o Copom entende que uma redução moderada do ritmo de flexibilização monetária em relação ao ritmo adotado hoje deve se mostrar adequada em sua próxima reunião”.

É apenas lamentável observar uma autoridade monetária supostamente sem força para agir de imediato em conformidade com o seu diagnóstico. A frase destacada acima revela uma conclusão relevante: é preciso reduzir o ritmo de flexibilização monetária. E mais, a taxa Selic vai pra baixo, mas não tanto quanto muitos esperavam.

Obviamente a crise política servirá de bode expiatório para justificar o novo fracasso em atingir juros de países civilizados, mas a realidade é que continuamos insistindo nas rotas de atalho e, consequentemente, vamos continuar caindo nas armadilhas.

O índice Bovespa trabalhou formação de topo descendente na região aleatória dos 64,2k, mostrando contra-ataque de players posicionados na ponta vendedora. O candle desta quarta-feira revela que haverá forte disputa pelo importante ponto de pivot (mesma região da média móvel simples de 200 períodos diária) nos próximos pregões, onde a desvantagem, desta vez, está com a força compradora. Isso significa que o mercado está voltando a ficar mais pesado para a venda, já mirando o suporte na região dos 60,3k.


No mercado de câmbio também haverá briga pela média móvel simples de 200 períodos diária. Mesmo com o dólar enfraquecido contra as principais moedas globais, o real ainda não tem demonstrado força para voltar a ficar abaixo da média.



10 comentários:

  1. FI, olho também nas commodities! O minério está desabando e o petróleo se segurando "na unha"...

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Foi-se rs... Light e Brent perderam média de 200 períodos diária.

      Abs,

      Excluir
  2. Ou seja, quem esta comprado que tenha estomago,
    Quem esta líquido segura a onda que daqui a pouco vão surgir pequenas oportunidades.

    Esse Brasil....

    Ta F...

    Att,
    Edo

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Na bolsa ainda há muita disputa no curto prazo, embora segue pesando pelo lado da venda.

      Abs,

      Excluir
  3. Excelente texto. Parabéns mais uma vez.

    ResponderExcluir
  4. Você vê o juro voltando a subir já em 2018? Algo me parece muito esquisito. Tem esqueleto no armário por aí...

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Vejo "apenas" uma situação insustentável e um mercado volátil, exigindo cada vez mais giro de posições e abandono de hold. O que vai acontecer com a Selic não faço a menor ideia rs..

      Abs,

      Excluir
  5. Se vc não sabe imagina nós.(risos)
    Acredito que sofrerá alguns cortes a ritmo menor do que vinha este ano,mesmo com a nova crise,pois a inflação continua em baixa.Agora para os próximos anos estou contigo

    ResponderExcluir
  6. o país está no limbo. concordo plenamente com a expressão de atalhos. O mercado financeiro pegou um "atalho" antidemocrático e o país inteiro só retrocedeu desde então.

    ResponderExcluir