terça-feira, 10 de abril de 2018

Por que a ponta longa está abrindo?


O Lula está preso. A agência de classificação de risco Moody’s melhorou a perspectiva para o rating do Brasil de negativa para estável, reduzindo a chance de um novo rebaixando a curto/médio prazo. O IPCA do mês de março desacelerou para 0,09%, registrando a inflação mais baixa para o mês desde a criação do Plano Real. O Presidente do Banco Central, Ilan Goldfajn, reforçou que uma flexibilização monetária moderada adicional (novo corte de 0,25 p.p., levando a Selic para 6,25% ao ano) é apropriada para a próxima reunião do Copom.

No ambiente global, o clima se acalmou com a retomada das ações do Facebook e o tom conciliatório utilizado pelo presidente da China, Xi Jinping, em um discurso sobre a abertura do país ao mercado externo, diminuindo o risco de uma forte escalada protecionista. O presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, respondeu agradecendo em seu twitter as “amáveis palavras” do presidente Xi.

O mercado gostou da troca de gentilezas entre os dois principais players globais. O dólar contra cesta de moedas globais voltou a recuar, distanciando-se da máxima registrada no mês de março e os principais índices acionários voltaram a subir de forma vigorosa.

Entretanto, diferentemente de outras ocasiões, o mercado segue mais seletivo e os movimentos não estão ocorrendo em bloco. Índices acionários que despencaram nas últimas semanas/meses (principalmente os de praças desenvolvidas) estão em forte recuperação de preços, enquanto índices acionários que corrigiram pouco neste ano (como Brasil e Rússia, por exemplo) estão vendidos e/ou lateralizados. A Rússia, inclusive, sofreu um forte sell-off nesta semana.

Muitos investidores brasileiros estão surpreendidos com a abertura da ponta longa nos contratos de juros futuros. Ou seja, as taxas de juros futuros (pré-fixados) não somente pararam de cair, como estão subindo rapidamente nos títulos com vencimentos mais distantes. Considerando os últimos acontecimentos na agenda interna e externa, muitos apostavam (alguns ainda apostam) na manutenção da curva fechada (recuo das taxas futuras).

O mercado poderia estar agindo contra a lógica ou mesmo sendo irracional para alguns, mas o fato é que existe justificativa para tal movimento. Primeiramente, importante ressaltar que a ponta longa em praças desenvolvidas parou de abrir e começou a fechar, ou seja, as taxas pararam de subir e agora estão cedendo. 

Com o recuo nas taxas, os investidores e players globais conseguem surfar em bonds na ponta comprada. Portanto, um importante segmento de mercado que estava vendido, passou a ficar comprado. Nos Estados Unidos, a taxa de 10 anos do título do Tesouro saiu de 2,94% para 2,80%. No Reino Unido, a taxa de 10 anos do título do Tesouro saiu de 1,67% para 1,40%. Na Alemanha, a taxa de 10 anos do título do Tesouro saiu de 0,72% para 0,52%.

O capital tem de sair de algum lugar para que os investidores e players globais possam especular a favor da curva nessas praças. Como as bolsas de valores em várias países (principalmente desenvolvidos) estão em retomada ascendente, após um tombo muito forte neste início de ano, é possível imaginar que o racional predominante está em manter posições em ações onde há upside mais nítido a curto prazo e queimar gordura onde há ganho acumulado em praças que estão brecando.

Rússia e Brasil são bons exemplos de praças melando onde possivelmente existe gordura para ser queimada. O Ibovespa subiu muito nos últimos meses e, na recente correção global, passou praticamente liso. A ponta longa brasileira se manteve fechada, enquanto as taxas de vários outros países (desenvolvidos e emergentes) estavam subindo.

Os russos levaram a pior. A bolsa da Rússia fechou em 1.088 pontos nesta terça-feira, após registrar 1.399 pontos no mês passado. A taxa de juros do título do Tesouro russo de 10 anos saltou de 7,01% em março para 7,30%. Não houve nenhuma mudança drástica no cenário macro local, o mercado pode estar apenas embolsando lucros onde existe muita gordura. Bom lembrar que em 2015 este mesmo título do Tesouro russo chegou a pagar 16,50% e a bolsa de valores foi negociada aos 600 pontos em 2016.

Também em 2015, o título do Tesouro brasileiro de 10 anos chegou a pagar 16,70%. O Ibovespa bateu 37.000 pontos em 2016. Nós também temos gordura para queimar. É exatamente isso que os estrangeiros podem estar fazendo aqui também. A B3 informou que o saldo de investidores estrangeiros está negativo em 1,012 bilhão neste ano, um forte revés após o saldo positivo acumulado no início de 2018.

A diferença é que, na Rússia, não há fluxo comprador local suficiente para sustentar a fuga dos estrangeiros, o que tem refletido na queda do índice acionário. No Brasil, o investidor pessoa física, bem como institucional, como revela a B3, está com saldo positivo acumulado, fazendo o contrapeso que tem sustentado a pontuação do Ibovespa.

Esse contrapeso não existe, ao menos por enquanto, no nosso mercado de títulos da dívida soberana. A taxa de juros do título do Tesouro brasileiro de 10 anos subiu de 9,44% no mês passado para 9,85%, voltando a se aproximar do patamar psicológico de dois dígitos.

Isso significa que o investidor local (seja pessoa física ou institucional), a nível geral, parece não enxergar potencial de ganho na ponta longa, até porque existe o receio com a situação fiscal. Como os estrangeiros estão usando possivelmente a gordura para aproveitar o fechamento das curvas em outras praças mais seguras, a pressão vendedora tem sido bem maior do que a pressão compradora no Brasil, provocando disparada das taxas de juros futuros.

Será difícil fazer o estrangeiro mudar de ideia enquanto a ponta longa estiver abrindo no Brasil e fechando lá fora. Para fechar essa curva no Brasil, precisaríamos da ajuda do investidor pessoa física e institucional local, ou contar com a sorte. E para os locais ajudarem no fechamento da curva, um pingo de esperança no quadro fiscal deveria surgir no horizonte. Capiche? Ao contrário da taxa básica, juros futuros não caem no grito.

Quer conversar sobre investimentos e saber mais sobre o meu trabalho de assessoria? Agende uma conversa clicando aqui. Você vai receber uma ligação minha, sem compromisso, no dia e horário previamente reservado.

3 comentários:

  1. CRICRI

    Parabéns FI. Muito bom.

    ResponderExcluir
  2. Já estava sentindo falta das suas analises FI, que bom que voltou. E parabéns pela otima publicação, como sempre.

    ResponderExcluir