terça-feira, 17 de julho de 2018

Incertezas macro não tiram o sono de Jerome Powell


Durante sabatina ao Comitê Bancário do Senado dos Estados Unidos, o presidente do FED (Federal Reserve), Jerome Powell, adotou um tom mais otimista e traçou um cenário de poucas dúvidas sobre a trajetória de longo prazo para a economia norte-americana.

Powell foi fuzilado em vários temas polêmicos, como os impactos de uma guerra comercial, aceleração da inflação em torno da meta de 2% a ser perseguida pelo FED, achatamento na curva de juros futuros norte-americana, pacote tributário (aprovado ano passado), entre outros.

Nenhuma dessas variáveis parece estar tirando o sono de Jerome Powell. O presidente do FED afirmou que, em seu cenário base, a economia norte-americana está a caminho de vários anos de mercado de trabalho forte com inflação ancorada na meta de 2%.

Powell minimizou a guerra comercial, tema em forte discussão no mercado financeiro global, se limitando a dizer que deve avaliar o impacto das tarifas comerciais impostas pelo governo Donald Trump quando, de fato (e se), a economia for afetada pelo protecionismo. A postura de Powell pode sinalizar brecha para os Estados Unidos se defenderem elevando tarifas em alguns produtos-táticos, sem causar impacto significativo na economia ou no próprio saldo da balança comercial. Ou seja, pode-se esperar uma redução do déficit na balança, mas, a princípio, nada muito relevante.

Sobre a inflação, ponto chave para a estratégia de política monetária, Powell disse que ainda não é possível declarar vitória sobre o alcance da meta de 2%. O núcleo de inflação (índice de preço preferido pelo FED) alcançou a meta de 2% recentemente no mês de maio, entretanto, o presidente do FED não demonstrou tanta confiança no processo de aceleração da inflação.

Na avaliação do presidente do FED, a inflação subiu nos últimos meses influenciada pela alta mais agressiva nos preços de energia, que por sinal já começaram movimento de correção. Para ser possível declarar cumprimento da meta de inflação, Powell disse que o núcleo deve continuar exatamente em torno de 2% nos próximos meses.

Caso a correção nos preços de energia se materialize nos próximos meses, a inflação poderá apresentar leve recuo abaixo da meta, permitindo ampla manutenção do viés dovish na autoridade monetária norte-americana. Powell se mostrou confiante sobre a manutenção da inflação ancorada na meta de 2%, ao mesmo tempo em que a economia roda ao pleno emprego. Esse cenário cenário-base, na visão dele, pode perdurar por vários anos.

Indagado sobre o achatamento nas Treasurys, o presidente do FED se limitou a dizer que o movimento recente nas taxas de juros não o incomoda. É possível que Powell tenha identificado pressão maior para o fechamento das curvas nos próximos meses, ao invés de enxergar pressão para as curvas voltarem a abrir.

Importante ressaltar que o próprio discurso em tom otimista do presidente do FED é uma variável de influência importante não somente para que a ponta longa continue fechada, seguindo o movimento das últimas semanas, como para que a ponta curta pare de abrir e comece a fechar também.

Por fim, a quase pouco comentada estratégia de desalavancagem do balanço-monstro do FED, já em curso, está funcionando muito bem e sem problemas, na avaliação de Powell. Neste ponto o presidente do FED está com certa razão, até porque a redução da exposição em Treausrys e títulos lastreados em hipotecas tem sido muito pequena até o momento.

Aliás, enquanto a inflação permanecer ancorada na meta de 2%, Powell continuará com a razão na mão. Sem pressa para subir os juros (mantendo o ritmo de aperto em conta-gotas muito gradualista) e sem pressa para reduzir o balanço, talvez até mesmo o mercado continue na mão do FED por mais algum tempo.

Saiba mais sobre o meu trabalho de assessoria de investimentos clicando aqui.

8 comentários:

  1. Olá FI, Você sabe quando o cenário aqui irá se descolar do mundo em meio ao cenário de incerteza eleitoral? Tenho visto a média de 200 períodos no ibovespa a ser testada e uma forte resistência no di1f25 em 12,aproximadamente.
    Em um mundo bull market, há probalidade de total de descolamento no cenário brasileiro nos próximos meses?
    Acompanhei o gráfico dos DIs e do ibov nas ultimas semanas, interessante como eles mantem certa equivalência nos movimento nos sentidos opostos. Isso é uma regra? Abç. Parabéns pelo excelente blog.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Olá,
      Sim, existe possibilidade de descolamento no cenário brasileiro nos próximos meses. O mercado é sempre soberano e imprevisível. Observe o acontecimento recente no México, a bolsa disparou mesmo depois da vitória de um candidato de esquerda à presidência. Até então, a política no México era dominada por partidos de direita há várias décadas. Sobre DIs versus Ibov, não existe uma regra, mas normalmente o deslocamento ocorre em sentidos opostos, pois na maior parte do tempo é apenas o humor na praça fazendo efeito sobre os preços dos ativos de risco.

      Abs,

      Excluir
  2. É sempre assim, não tiram o sono até a hora que eles sofrem um "choque de realidade"... rsrsrsrsrs

    Enquanto isso seguimos esperando o spread chegar em 0%.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Sim, o próprio discurso é uma poderosa carta na manga que está sendo utilizada.

      Abs,

      Excluir
  3. FI
    Pelo que depreendi do que você tem exposto, parte essencial da tática de Trump na guerra comercial contra a China consiste em neutralizar os possíveis revides desta (pela posse dela de enorme quantidade de títulos americanos) com o aumento sucessivo da taxa de juros, desvalorizando os títulos da mesma. Estou certo ou errado no que entendi?
    Porém, o próprio Trump criticou ontem (19/20) as altas das taxas de juro no país. Como interpretar tal atitude? Morde e sopra p´ra dar uma trégua à China, dando-lhe uma porta de saída na batalha, ou o quê?

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. A parte essencial é a grande desvantagem dos Estados Unidos na balança comercial com a China, ou seja, compra-se uma briga partindo de um lado que já é muito perdedor. Piorar (para os Estados Unidos) esta relação na balança é pouco provável. Entretanto, uma poderosa carta na manga que a China teria para retaliar a economia norte-americana não poderia ser utilizada, que são justamente as reservas em títulos do tesouro norte-americano em poder do Banco Popular. A jogada não é tanto provocar desvalorização para prejudicar a China, até porque a quantidade de títulos é enorme, mas sim entender que a China não poderá desovar estes títulos no mercado (o que afetaria a economia dos Estados Unidos). São justamente as reservas muito volumosas em poder do Banco Popular que impedem surgimento de crises no mercado de crédito local, mesmo com fortes evidências de empresas altamente improdutivas e endividadas, municípios sem condições de gerar receita para pagar dívida, etc. Desde a década passada, sempre que o mercado local ameaçou soluçar, o Banco Popular tem mostrado seu calibre (reservas) para acalmar os ânimos.

      Abs,

      Excluir
  4. Desculpe, Equivoquei-me na data. Favor substituir "Porém, o próprio Trump criticou ontem (19/20)" por "Porém, o próprio Trump criticou ontem (19/07)"
    E parabéns pelos magníficos posts. Leitura obrigatória!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Entendo que essa crítica de Trump surgiu fora do contexto. Não tem efeito sobre a política monetária e a própria Casa Branca reafirmou posteriormente a relevância de uma autoridade monetária independente.

      Abs,

      Excluir